NOVA ONDA DE GAFANHOTOS ATINGE A ÁFRICA, DESTA VEZ 20 VEZES MAIOR (VÍDEO) - LIBERTAR.in - Ministério CASA DE YISRAEL - Igreja da Rua

News

12 de abr. de 2020

NOVA ONDA DE GAFANHOTOS ATINGE A ÁFRICA, DESTA VEZ 20 VEZES MAIOR (VÍDEO)


Uma praga de gafanhotos que atingiu duramente a África retornou com vingança e como a praga arquetípica no Egito. Bilhões de gafanhotos jovens estão se espalhando de seus criadouros na Somália, recém chocados após chuvas sazonais, comendo mais do que os insetos mais velhos que já passaram.

Uma onda de gafanhotos varreu a África Oriental no ano passado, mas a onda atual é estimada em 20 vezes maior e é descrita como a pior em 70 anos. Essa onda se assemelha muito à praga bíblica a esse respeito, como parte de uma onda de catástrofes que deixaram a terra do Egito desprovida de qualquer alimento.

Gafanhotos invadiram toda a terra do Egito e se estabeleceram em todo o território do Egito em uma massa espessa; nunca antes houve tantos, nem haverá tantos novamente. Cobriram a face de toda a terra, para que a terra fosse escurecida, e comeram todas as plantas da terra e todo o fruto das árvores que o granizo havia deixado. Não restou coisa verde, nem árvore nem planta do campo, por toda a terra do Egito. Êxodo 10: 14-15

Muitos fazendeiros são impedidos por bloqueios de pandemia de sair para seus campos para combater os enxames. Além disso, a pandemia atrasou a entrega de pesticidas e equipamentos vitais em outros países. Muitos oficiais de campo foram impedidos de rastrear e informar sobre a infestação devido a restrições.

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação chamou o surto de gafanhotos, causado em parte pelas mudanças climáticas, “uma ameaça sem precedentes” à segurança alimentar e aos meios de subsistência. Seus funcionários chamaram essa nova onda de cerca de 20 vezes o tamanho da primeira.

“A situação atual na África Oriental permanece extremamente alarmante, já que … um número crescente de novos enxames está se formando no Quênia, sul da Etiópia e Somália”, disse uma nova avaliação da FAO.

Na Etiópia, seis milhões de vidas estão em risco, já que o surto de gafanhotos ameaça causar “perdas em larga escala de colheitas, pastagens e florestas, agravando a insegurança alimentar e alimentar”, segundo a FAO.

E o ministério da Agricultura da Etiópia diz que o problema está piorando à medida que os enxames de gafanhotos estão aparecendo em locais onde não haviam sido avistados anteriormente.

A organização prevê que condições favoráveis ​​de reprodução até maio provavelmente produzirão outra rodada de enxames no final de junho e julho, coincidindo com o início da safra. A ONU elevou seu apelo de ajuda de US $ 76 milhões para US $ 153 milhões, dizendo que é necessária uma ação imediata antes que mais chuvas incentivem um maior crescimento nos números de gafanhotos. Até agora, a FAO arrecadou US $ 111 milhões em dinheiro ou promessas.

“Os enxames costumam ter dezenas de quilômetros quadrados”, explicou a FAO. A FAO alertou que um enxame de apenas um quilômetro quadrado consome a mesma quantidade de comida em um dia que 35.000 pessoas. “Um enxame do tamanho de Bamako (Mali) ou Niamey (Níger) pode consumir o que metade da população de qualquer país comeria em um único dia.”

Os enxames também podem percorrer 150 quilômetros por dia, tornando os esforços para controlar um surto ainda mais difícil. As autoridades alertaram que mais chuvas na região podem levar a um surto ainda maior.

Os gafanhotos estão “invadindo a região da África Oriental em enxames excepcionalmente grandes, como nunca antes visto”, disse o Centro de Previsão e Aplicação Climática de Nairóbi.


De acordo com a previsão de três meses da Locusts Watch, a ameaça passará para o sul de Israel antes de seguir para o leste, em direção ao Iêmen, Omã, Arábia Saudita, Iraque, Irã e Paquistão.


Como se o COVID-19 e os gafanhotos não fossem ruins o suficiente, um novo caso do vírus Ebola, o segundo deste mês, foi diagnosticado na cidade de Beni, na República Democrática do Congo (RDC). Em 10 de abril de 2020, 3456 casos confirmados e prováveis ​​e 2276 mortes ocorreram como resultado do surto.


Fonte: Breaking Israel News.



Via https://www.ultimosacontecimentos.com.br/

Nenhum comentário:

Últimos mais vistos

Mais vistos em 10 anos de site