ONU AFIRMA QUE OS CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO DA CHINA CONTRIBUEM PARA UM "FORTE SENSO DE FELICIDADE" - LIBERTAR.in - Ministério CASA DE YISRAEL

News

5 de nov. de 2019

ONU AFIRMA QUE OS CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO DA CHINA CONTRIBUEM PARA UM "FORTE SENSO DE FELICIDADE"

Uighur men make their way past a subway entrance after Eid al-Fitr prayers, marking the end of Ramadan, at the Id Kah mosque in Kashgar, in China's western Xinjiang region early on June 5, 2019. - While Muslims around the world celebrated the end of Ramadan with early morning prayers …

Qualquer americano imparcial sabe que, de um modo geral, as Nações Unidas como entidade não têm nada além de animosidade em relação aos Estados Unidos - ou seja, até que os líderes da organização sintam a necessidade de roubar o fundo de pensões dos contribuintes americanos quando as coisas proverbiais atinge o ventilador em algum lugar do mundo e eles precisam de um ordenador para resgatar os países afetados.

E, afinal, isso faz todo sentido quando você entende que a maior parte das nações membros é dirigida por bandidos, ditadores, monarcas e autoritários - exatamente o tipo de "líderes" que abominam a liberdade pessoal e as liberdades garantidas aos americanos em sua Constituição.

Mas, por pior que seja o comportamento da ONU, às vezes, pode sempre piorar. E esta semana, piorou.

Cinquenta e quatro estados membros da ONU emitiram uma declaração na terça-feira em defesa da China comunista por construir mais de 1.000 campos de concentração usados ​​para aprisionar, doutrinar, estuprar, torturar e matar muçulmanos, descrevendo que esses campos constroem um “forte senso de felicidade" em todo o país.

A Bielorrússia, alinhada com a Rússia e considerada a última verdadeira ditadura na Europa, fez a declaração em nome de 53 outros signatários que estão alinhados com a China no salão da Assembléia Geral da sede da ONU, em Nova York.

A declaração veio em resposta a outra declaração do grupo que condenou as horrendas atividades de direitos humanos de Pequim e o autoritarismo repressivo.

O site Breitbart News relata:

A China construiu centenas de campos de concentração na província ocidental de Xinjiang - lar da minoria étnica muçulmana uigur do país - desde o final de 2017, que costumava aprisionar até 3 milhões de uigures, cazaques e quirguizes.

A maioria dos cazaques e uigures que sobreviveram aos campos e são casados ​​com estrangeiros que pediram sua liberdade no exterior disseram que foram submetidos a espancamentos regulares e esterilização forçada.

Além disso, o currículo de 'reeducação' incluía ser forçado a aprender e memorizar canções e slogans de propaganda do Partido Comunista, professar sua lealdade ao presidente chinês (ditador) Xi Jinping e ser escravo sexual dos guardas do campo.

A ONU tem um histórico de permitir tiranos

Alguns também acusaram Pequim de usar prisioneiros de campo como trabalho escravo para fabricar mercadorias que são vendidas em todo o mundo, inclusive nos Estados Unidos. E, é claro, muitos desses prisioneiros foram submetidos à extração de órgãos (o site Natural News começou a relatar esse horror já em 2006).

Na declaração multinacional, a Bielorrússia elogiou os chineses enquanto condenava a "politização das questões de direitos humanos" os violadores de direitos humanos.

"Diante do grave desafio do terrorismo e do extremismo, a China adotou uma série de medidas de combate ao terrorismo e desradicalização em Xinjiang, incluindo a criação de centros de educação e treinamento profissional", afirmou o país, usando o termo preferido da China para os campos de concentração. "Nos últimos três anos consecutivos não houve um único ataque terrorista em Xinjiang e as pessoas de lá desfrutam de um sentimento mais forte de felicidade, satisfação e segurança".

Lembre-se de que os países são livres para se governar da maneira que quiserem e de qualquer maneira que a população desses países aprovará e tolerará. Mas isso não significa que o tratamento cruel e incomum dos cidadãos possa ou deva ser tolerado. Um país que simplesmente fará negócios com a China e seus aliados, apesar do tratamento dado aos cidadãos, é semelhante a permitir essa crueldade.

Falando em violações dos direitos humanos, a Bielorrússia não é muito melhor que a China; até a ONU a definiu como " fundamentalmente pobre".

Mas então, a Bielorrússia desempenha um papel integral na “Iniciativa do Cinturão e Rota” da China, um programa de desenvolvimento econômico que Pequim usa como armadilha da dívida para as nações, para que Pequim possa explorar seus recursos, infraestrutura, portos, etc.

O presidente Trump fez da reversão dos ganhos econômicos da China feitos às custas dos EUA uma prioridade. Ele entende que o gigante asiático se tornou o maior rival dos Estados Unidos e seu concorrente mais próximo.

Ele também sabe que, em sua essência, a ONU é uma organização corrupta e sem valor, que a Bielorrússia e seus 'aliados' acabaram de provar. Novamente.





Via https://www.breitbart.com/asia/2019/10/30/dictatorships-u-n-chinas-concentration-camps-bring-stronger-sense-happiness/ e https://www.anovaordemmundial.com/2019/11/onu-afirma-que-os-campos-de-concentracao-da-china-contribuem-para-um-forte-senso-de-felicidade.html

Nenhum comentário:

Últimos mais vistos

Mais vistos em 10 anos de site