PAPA FRANCISCO PEDE UMA NOVA AUTORIDADE MUNDIAL PARA FAZER CUMPRIR AS METAS DA ONU - LIBERTAR.in - Ministério CASA DE YISRAEL

News

11 de mai de 2019

PAPA FRANCISCO PEDE UMA NOVA AUTORIDADE MUNDIAL PARA FAZER CUMPRIR AS METAS DA ONU


O papa Francisco fez um novo impulso ao globalismo na quinta-feira, pedindo um órgão supranacional e legalmente constituído para reforçar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas e implementar políticas de “mudança climática”.

Falando a membros da Pontifícia Academia de Ciências Sociais no Palácio Apostólico do Vaticano, o papa disse: "Quando um bem comum supranacional é claramente identificado, há necessidade de uma autoridade especial legalmente constituída capaz de facilitar sua implementação".

"Pense nos grandes desafios contemporâneos da mudança climática, da nova escravidão e da paz", disse ele a membros da Academia Pontifícia, que se reunirão esta semana no Vaticano para uma sessão plenária: "Nação, Estado, Estado-nação".

Os oradores em destaque na plenária de 1 a 3 de maio incluem o cardeal alemão Walter Kasper, que falou sobre: ​​“A paz vem da justiça. Reflexões teológicas entre homens, comunidades e nações ”; O arcebispo Roland Minnerath de Dijon, França, que proferiu a palestra de abertura no segundo dia, tema: “Nação, Estado, Estado-nação e Doutrina da Igreja Católica”; e o climatologista alemão e diretor fundador do Instituto para o Impacto Climático de Potsdam, Hans Joachim Schellnhuber, que discursou na Academia Pontifícia sobre “O Estado do Mundo”.

Em seu pronunciamento à academia, o papa disse que, embora “o princípio da subsidiariedade” exija que “nações individuais devem ter o poder de operar o máximo que puderem alcançar”, no entanto “grupos de nações vizinhas - como já é o caso”. - pode fortalecer sua cooperação atribuindo o exercício de certas funções e serviços a instituições intergovernamentais que administram seus interesses comuns. ”

O impulso dos comentários do Papa, no entanto, se concentrou nas tendências crescentes em direção ao nacionalismo, que ele disse ameaçar os migrantes, o "bem comum universal" eo poder das Nações Unidas e outros órgãos transnacionais para implementar a agenda dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

A Igreja "sempre exortou os homens a amar seu próprio povo e pátria", disse ele. “Ao mesmo tempo”, ele acrescentou, “a Igreja advertiu pessoas, povos e governos sobre desvios desse apego quando se trata de excluir e odiar os outros, quando se torna nacionalismo conflituoso que constrói muros, na verdade até mesmo racismo ou anti-semitismo. .

"A Igreja observa com preocupação o ressurgimento, em quase todo o mundo, de correntes agressivas em direção a estrangeiros, especialmente imigrantes, bem como ao crescente nacionalismo que negligencia o bem comum", prosseguiu o Papa Francisco.


“Existe o risco de comprometer formas de cooperação internacional já estabelecidas, comprometendo os objetivos das organizações internacionais como espaço de diálogo e reunião de todos os países em um nível de respeito mútuo e dificultando a consecução dos objetivos de desenvolvimento sustentável aprovados por unanimidade pelo Assembléia Geral das Nações Unidas em 25 de setembro de 2015 ”, disse ele aos membros da Pontifícia Academia de Ciências Sociais.
ODS: eliminar a pobreza ou as crianças?

Muitos estão preocupados com o fato de que alguns dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), apesar de serem planejados para eliminar a pobreza, tratam de eliminar crianças. Os serviços de saúde reprodutiva, por exemplo, que são referidos nos ODS, são frequentemente um eufemismo frequentemente utilizado para significar o aborto nos debates da ONU.

Como Steven Mosher, Instituto de Pesquisa Populacional, explica :

Os países em desenvolvimento que adotarem os ODS serão pressionados a legalizar o aborto, mesmo que a palavra aborto nunca apareça no documento. Ser-lhes-á dito, falsamente, que existe um “consenso internacional” de que os direitos reprodutivos incluem o direito ao aborto. Eles serão instruídos de que as leis que protegem o feto violam esse consenso e devem ser substituídas por novas leis que permitam o aborto sob demanda. E eles serão ameaçados com a retenção de ajuda internacional, a menos que eles cumpram.

O papa Francisco deu algum reconhecimento às preocupações sobre a "colonização ideológica" de países social e moralmente conservadores no mundo em desenvolvimento em suas observações:

Organismos multilaterais foram criados na esperança de poder substituir a lógica da vingança, dominação, opressão e conflito com a do diálogo, mediação, compromisso, harmonia e consciência de pertencer à mesma humanidade no lar comum. Naturalmente, esses órgãos devem garantir que os Estados sejam efetivamente representados, com direitos e deveres iguais, a fim de evitar a crescente hegemonia de poderes e grupos de interesse que impõem suas próprias visões e idéias, bem como novas formas de colonização ideológica, muitas vezes desconsiderando identidade, costumes e tradições, dignidade e sensibilidade dos povos interessados. O surgimento de tais tendências está enfraquecendo o sistema multilateral, com o resultado de uma falta de credibilidade na política internacional e uma progressiva marginalização dos membros mais vulneráveis ​​da família das nações.

O Papa Bento XVI, afirmando o seu predecessor João XIII, também apelou na Caritas et Veritate para uma “ verdadeira autoridade política mundial ” para “gerir a economia global”, “garantir a protecção do ambiente”, “regular a migração” e desarmamento integral e oportuno ”e trabalhar para o“ bem comum ”.

Na mesma encíclica , no entanto, Bento XVI denunciou “práticas de controle demográfico por parte de governos que muitas vezes promovem a contracepção e chegam ao ponto de impor o aborto”. Ele também condenou abertamente os organismos ecomônicos por suas políticas de empréstimo “Planejamento familiar”, escrevendo: “Há motivos para suspeitar que a ajuda ao desenvolvimento está, às vezes, vinculada a políticas específicas de assistência médica que, de fato, envolvem a imposição de fortes medidas de controle da natalidade”.
'Bem comum supranacional'

A LifeSite conversou com o Dr. Alan Fimister, uma autoridade de renome internacional sobre o ensino social católico e Robert Schuman, o fundador da União Européia.

Dr. Fimister explicou que, de acordo com o ensinamento social católico tradicional, a comunidade temporal ou "Estado" é criada pelas necessidades naturais do homem e busca da perfeição neste mundo, e é a comunidade que contém dentro de si tudo o que é necessário para alcançar a perfeição temporal. segurança.

Mas se não puder mais fazê-lo, então o resultado lógico seria a criação de uma unidade maior, disse ele. “Obviamente, os estados nacionais são unidos pela história e cultura e não apenas pela economia e necessidade militar, de modo que tais fusões podem ser muito delicadas e sensíveis, dando origem a tensões potencialmente explosivas.”

Fimister prosseguiu dizendo que a maneira mais óbvia pela qual a imperfeição ou inadequação de uma comunidade temporal se manifesta é a derrota na guerra, como as nações da Europa experimentadas entre 1939 e 1945 "com a óbvia exceção da Grã-Bretanha", acrescentou.

“Por outro lado”, continuou ele, “o destino celestial dado ao homem na cruz é a causa da assembléia universal ou da Igreja Católica, de modo que as novas necessidades e prioridades da ordem natural são apenas acidentalmente supranacionais, ao passo que o bem comum da Igreja é essencialmente supranacional e universal ”.

“Em outras palavras, o Evangelho é para toda tribo e língua e povo e nação (Ap 7: 9). Mas as necessidades materiais da América do Sul, da Europa ou do Extremo Oriente diferem umas das outras naturalmente ”.

Fimister disse que o perigo é que um corpo supranacional acidentalmente criado para lidar com problemas temporais que transcendem os recursos dos estados-nação tradicionais não corresponderá a nenhuma cultura ou linguagem política comum, nem “demos”.

“Sem as 'demos' há apenas os 'kratos' - ou poder que não responde a ninguém e serve seu próprio bem privado como uma burocracia oligárquica, uma espécie de FIFA (Federação Internacional de Futebol) com esteróides”, argumentou.

Fimister expressou simpatia por alguns dos objetivos do Papa Francisco, mas levantou uma nota de cautela:

O Papa Francisco está elogiando e defendendo o tipo de entidades supranacionais regionalizadas exemplificadas pela UE, que foi de fato estabelecida sob inspiração católica nos anos 50. Robert Schuman, o fundador da UE, queria criar uma “democracia generalizada no sentido cristão da palavra” e advertiu que uma democracia anticristã terminaria em “tirania ou anarquia”. Schuman pensava ser a única força capaz de transcender verdadeiramente o egoísmo nacional. foi caridade sobrenatural. Sem isso, essas instituições se tornariam monstros do “egoísmo supranacional” pior do que os estados-nação que os precederam, porque nem mesmo enraizados na natureza surgiriam “um novo Leviatã supranacional sobrepondo-se aos pequenos monstros nacionais”.

Fimister acrescentou que os eugenistas seculares como a Federação Internacional de Planejamento Familiar “favorecem grandemente uma burocracia supranacional” porque “lhes permite avançar em sua agenda sem fazê-lo sob o escrutínio da cultura política nacional com linguagem e história compartilhadas, o que é muito mais provável de expor e escrutinam seus objetivos do que uma burocracia distante que não responde a ninguém em particular. ”

Em seu discurso à Pontifícia Academia de Ciências Sociais, o Papa Francisco apela à autoridade de Santo Tomás de Aquino em sua concepção do estado nacional e de seu papel. No entanto, seu predecessor Pio XI, na década de 1920 - pouco impressionado com a Liga das Nações - o antecessor das Nações Unidas, apontou que apenas o Evangelho tem os recursos necessários para unir as nações do mundo.

Em sua encíclica de 1923 em St. Thomas Aquinas, Studiorum ducem n. 20, Pio XI escreveu:

[St. Tomás de Aquino] também compôs uma teologia moral substancial, capaz de dirigir todos os atos humanos de acordo com o último final sobrenatural do homem. E como ele é, como dissemos, o teólogo perfeito, ele dá regras infalíveis e preceitos da vida não apenas para os indivíduos, mas também para a sociedade civil e doméstica, que é também o objeto da ciência moral, tanto econômica como política. Daí esses capítulos soberbos na segunda parte da Summa Theologica no governo paterno ou doméstico, o poder lícito do Estado ou da nação, direito natural e internacional, paz e guerra, justiça e propriedade, leis e a obediência que eles comandam, o dever de ajudar os cidadãos individuais em sua necessidade e cooperar com eles. tudo para garantir a prosperidade do Estado, tanto na ordem natural quanto sobrenatural. Se estes preceitos fossem religiosos e invioláveis ​​na vida privada e nos assuntos públicos, e nos deveres de obrigação mútua entre as nações, nada mais seria necessário para assegurar à humanidade que “paz de Cristo no Reino de Cristo” que o mundo tanto deseja ardentemente. para. Portanto, é de desejar que os ensinamentos de Aquino, mais particularmente sua exposição do direito internacional e as leis que governam as relações mútuas entre os povos, sejam cada vez mais estudados,

As questões levantadas pelos comentários do Papa Francisco à Pontifícia Academia das Ciências refletem a controvérsia que se espalhou ao longo de seu pontificado quanto à substituição de metas racionalistas seculares pelos ideais sobrenaturais da Igreja.

Aqui abaixo é uma tradução LifeSite do discurso do Papa Francisco aos membros da Pontifícia Academia de Ciências Sociais, que foi entregue em italiano.


***


Caros irmãos e irmãs

Saúdo-o e agradeço ao seu Presidente, Prof. Stefano Zamagni, pelas suas amáveis ​​palavras e por ter aceitado presidir a Pontifícia Academia das Ciências Sociais. Também neste ano você escolheu discutir uma questão de relevância permanente. Infelizmente, temos diante de nossos olhos situações em que alguns estados-nações implementam suas relações em um espírito mais de oposição do que de cooperação. Além disso, deve-se notar que as fronteiras dos Estados nem sempre coincidem com as demarcações de populações homogêneas e que muitas tensões provêm de uma reivindicação excessiva de soberania por parte dos Estados, muitas vezes precisamente em áreas onde eles não são mais capazes de agir efetivamente para proteger. o bem comum.


Tanto na Encíclica Laudato si ' como no discurso aos membros do Corpo Diplomático deste ano, chamei a atenção para os desafios globais que a humanidade enfrenta, como o desenvolvimento integral, a paz, o cuidado de nosso lar comum, a mudança climática, a pobreza, a guerra. , a migração, o tráfico de seres humanos, o tráfico de órgãos, a proteção do bem comum e novas formas de escravidão.


São Tomás tem uma noção bonita do que é um povo: “O rio Sena não é 'este rio em particular' por causa dessa 'água corrente', mas por causa dessa 'fonte' e 'esta cama' e, portanto, é sempre chamada o mesmo rio, embora possa haver outra água fluindo para baixo; da mesma forma, um povo é o mesmo, não por causa da mesmice da alma ou dos homens, mas por causa da mesma morada, ou melhor, pelas mesmas leis e pela mesma maneira de viver, como diz Aristóteles no livro III da Politica ”. ( Nas criaturas espirituais , 9, ad 10).


A Igreja sempre exortou os homens a amarem o seu próprio povo e a sua pátria e a respeitarem o tesouro de várias expressões culturais, costumes e tradições e modos de vida correctos enraizados nos povos. Ao mesmo tempo, a Igreja tem alertado pessoas, povos e governos sobre os desvios desse apego quando se trata de excluir e odiar os outros, quando se torna um nacionalismo conflituoso que constrói muros, na verdade até mesmo racismo ou anti-semitismo. A Igreja observa com preocupação o ressurgimento, em quase toda parte do mundo, de correntes agressivas em direção a estrangeiros, especialmente imigrantes, bem como ao crescente nacionalismo que negligencia o bem comum. Existe o risco de comprometer formas já estabelecidas de cooperação internacional,


É uma doutrina comum que o Estado está a serviço da pessoa e dos grupos naturais de pessoas como a família, o grupo cultural, a nação como expressão da vontade e os costumes profundos de um povo, o bem comum e Paz. No entanto, com demasiada frequência, os Estados são subservientes aos interesses de um grupo dominante, principalmente por razões de lucro econômico, o que oprime, entre outros, as minorias étnicas, lingüísticas ou religiosas que estão em seu território.


Nessa perspectiva, por exemplo, a maneira pela qual uma nação acolhe os migrantes revela sua visão da dignidade humana e sua relação com a humanidade. Toda pessoa humana é membro da humanidade e tem a mesma dignidade. Quando uma pessoa ou uma família é forçada a deixar sua própria terra, ela deve ser acolhida com humanidade. Já disse muitas vezes que nossas obrigações para com os migrantes são articuladas em quatro verbos: acolher, proteger, promover e integrar. O migrante não é uma ameaça à cultura, costumes e valores da nação anfitriã. Ele também tem o dever de integrar-se à nação que o recebe. Integrar não significa assimilar, mas compartilhar o tipo de vida de sua nova pátria, ainda que ele mesmo como pessoa portadora de sua própria história biográfica. Deste modo, o migrante pode se apresentar e ser reconhecido como uma oportunidade para enriquecer as pessoas que o integram. É tarefa da autoridade pública proteger os migrantes e regular os fluxos migratórios com a virtude da prudência, bem como promover a recepção para que as populações locais sejam formadas e incentivadas a participar conscientemente do processo de integração dos migrantes que estão sendo recebidos.


A questão da migração, que é uma característica permanente da história humana, também estimula a reflexão sobre a natureza do Estado-nação. Todas as nações são o resultado da integração de sucessivas ondas de pessoas ou grupos de migrantes e tendem a ser imagens da diversidade da humanidade, ao mesmo tempo que se unem por valores comuns, recursos culturais e costumes saudáveis. Um estado que desperta os sentimentos nacionalistas de seu próprio povo contra outras nações ou grupos de pessoas falharia em sua missão. Nós sabemos da história onde tais desvios levam.


O Estado-nação não pode ser considerado como um absoluto, como uma ilha em relação ao seu entorno. Na situação atual da globalização, não só da economia, mas também das trocas tecnológicas e culturais, o Estado-nação não consegue mais obter por si só o bem comum para sua população. O bem comum tornou-se global e os países devem associar-se em benefício próprio. Quando um bem comum supranacional é claramente identificado, há necessidade de uma autoridade legalmente constituída, capaz de facilitar sua implementação. Pense nos grandes desafios contemporâneos da mudança climática, da nova escravidão e da paz.


Embora, de acordo com o princípio da subsidiariedade, as nações individuais devam ter o poder de operar até onde possam chegar, por outro lado, grupos de nações vizinhas - como já é o caso - podem fortalecer sua cooperação atribuindo o exercício de certas funções e serviços a instituições intergovernamentais que administram seus interesses comuns. Espera-se, por exemplo, que não percamos na Europa a consciência dos benefícios trazidos por esse caminho de aproximação e harmonia entre os povos empreendidos após a Segunda Guerra Mundial. . Na América Latina, por outro lado, Simón Bolívar exortou os líderes do seu tempo a forjar o sonho de uma Grande Pátria que saiba acolher, respeitar, abraçar e desenvolver as riquezas de todos os povos.


Essa visão cooperativa entre as nações pode mover a história pelo relançamento do multilateralismo, que se opõe tanto às novas pressões nacionalistas quanto à política hegemônica.


A humanidade evitaria, assim, a ameaça de recorrer a conflitos armados sempre que surgisse uma disputa entre Estados-nação, além de fugir do perigo da colonização econômica e ideológica das superpotências, evitando a tirania dos mais fortes sobre os mais fracos, prestando atenção ao global. dimensão sem perder de vista as dimensões locais, nacionais e regionais. Diante do plano de globalização imaginado como "esférico", que nivela as diferenças e sufoca a localização, é fácil que tanto o nacionalismo quanto o imperialismo hegemônico ressurgam. Para que a globalização seja benéfica para todos, é preciso pensar em implementar uma forma “multifacetada” de globalização, apoiando uma luta saudável pelo reconhecimento mútuo entre a identidade coletiva de cada povo e nação e a própria globalização,


Organismos multilaterais foram criados na esperança de poder substituir a lógica da vingança, dominação, opressão e conflito com a do diálogo, mediação, compromisso, harmonia e consciência de pertencer à mesma humanidade no lar comum. Naturalmente, esses órgãos devem garantir que os Estados sejam efetivamente representados, com direitos e deveres iguais, a fim de evitar a crescente hegemonia de poderes e grupos de interesse que impõem suas próprias visões e idéias, bem como novas formas de colonização ideológica, muitas vezes desconsiderando identidade, costumes e tradições, dignidade e sensibilidade dos povos interessados. O surgimento de tais tendências está enfraquecendo o sistema multilateral, com o resultado de uma falta de credibilidade na política internacional e uma progressiva marginalização dos membros mais vulneráveis ​​da família das nações.


Encorajo-vos a perseverar em sua busca de processos para superar o que divide as nações e propor novos caminhos de cooperação, especialmente no que diz respeito aos novos desafios da mudança climática e da nova escravidão, bem como ao excelente bem social que é a paz. Infelizmente, hoje a época do desarmamento nuclear multilateral parece ultrapassada e não desperta mais a consciência política das nações que possuem armas atômicas. Ao contrário, uma nova temporada de confrontos nucleares perturbadores parece estar se abrindo, porque cancela o progresso do passado recente e multiplica o risco de guerra, também devido ao possível mau funcionamento de tecnologias muito avançadas que estão sempre sujeitas a recursos naturais e humanos. imponderáveis. Se, agora, armas nucleares ofensivas e defensivas são colocadas não apenas na Terra, mas também no espaço,


O Estado é, portanto, chamado a assumir maior responsabilidade. Mantendo as características de independência e soberania e continuando a buscar o bem de seu povo, sua tarefa hoje é participar da construção do bem comum da humanidade, elemento necessário e essencial para o equilíbrio mundial. Este bem comum universal, por sua vez, deve adquirir maior valor legal a nível internacional. Certamente não estou pensando em um universalismo ou num internacionalismo genérico que desconsidere a identidade dos povos individuais: isso, de fato, deve sempre ser valorizado como uma contribuição única e indispensável ao projeto mais harmonioso.


Caros amigos, como habitantes do nosso tempo, cristãos e académicos da Pontifícia Academia das Ciências Sociais, peço-lhes que colaborem comigo para difundir esta consciência de renovada solidariedade internacional no respeito pela dignidade humana, o bem comum, o respeito pelo planeta. e o supremo bem da paz.


Eu abençoo todos vocês, abençoo seu trabalho e suas iniciativas. Acompanho-te com a minha oração e tu também, por favor, não te esqueças de rezar por mim. Obrigado!




Via:
https://www.lifesitenews.com/news/pope-francis-calls-for-new-supranational-authorities-to-enforce-UN-goals

Um comentário:

IUPAN disse...

Pode encontrar aqui sobre autoridade a política mundial... https://iupan.blogspot.com/2019/04/um-executivo-mundial.html

Popular