DONALD TRUMP: APÓS 52 ANOS CHEGOU O TEMPO DE RECONHECER A SOBERANIA DE ISRAEL NO GOLAN - LIBERTAR.in - Ministério CASA DE YISRAEL

News

22 de mar de 2019

DONALD TRUMP: APÓS 52 ANOS CHEGOU O TEMPO DE RECONHECER A SOBERANIA DE ISRAEL NO GOLAN


Esta é a primeira vez que um Presidente dos Estados Unidos se declarou de forma tão direta reconhecendo a Soberania do Estado de Israel nas colinas de Golan, em Israel, a resposta de Benjamin Netanyahu foi de gratidão imediata.

Após anos de guerra civil na Síria, onde o governo de Assad já perdeu o controle total da região, e levou a morte de cerca de um quarto de milhão de pessoas e ao exílio de milhões, nada mais natural do que esta afirmação de Trump, pois o Irã está fazendo de tudo para se instalar na região e ameaçar o Estado de Israel.

Trump: Está na hora dos Estados Unidos reconhecer a soberania de Israel nas colinas de Golan!

Netanyahu para Trump: Obrigado pela decisão corajosa!

Pode até ser que as declarações de Donald Trump não passam de mais uma ajuda sua para as eleições de Benjamin Netanyahu que deverão ocorrer dentro de 2 semanas, mas elas, apesar dos meios de comunicação dizerem o contrário, significam muito, exatamente como a transferência da Embaixada dos Estados Unidos para Jerusalém.
O Direito Israelense as Colinas de Golan

De fato, os israelenses tem mais que direito as colinas de Golan, o número de vilarejos judaicos na região do Golan era bem maior do que o número de vilarejos sírios, além disso, o Golan não passava de uma região praticamente abandonada onde no máximo haviam postos de fronteira e postos militares.
Os vilarejos foram atacados durante a Guerra dos Seis Dias

Em 6 de junho, uma pequena força síria tentou capturar as usinas de água em Tel Dan, Dan e She'ar Yashuv. Estes ataques foram repelidos com a perda de vinte soldados e sete tanques. Um oficial israelense também foi morto. Mais uma ofensiva síria mais ampla rapidamente falhou, unidades de reserva sírias foram desmanteladas por ataques aéreos israelenses, e vários tanques teriam afundado no rio Jordão.

Os sírios bombardearam assentamentos civis israelenses na Galiléia, utilizando dois batalhões de canhões M-46 de 130 mm, quatro equipes de morteiros pesados ​​e tanques Panzer IV. Estavam ameaçando bombardear Tiberíades e exterminar os vilarejos judaicos nas colinas de Golan.

O bombardeio sírio matou dois civis, atingiu 205 casas e também instalações agrícolas. Após o exército israelense conseguir se livrar dos ataques do Egito na frente que havia na península do Sinai, na manhã de 9 de junho, os jatos israelenses começaram a realizar dezenas de ataque contra posições sírias do Monte Hermom a Tawfiq, usando mísseis que havia sido capturados de estoques dos egípcios.

Os ataques aéreos derrubaram baterias de artilharia e armazéns da Síria e forçaram as colunas de transporte a sair das estradas. Os sírios sofreram pesadas baixas e uma queda na moral, com vários oficiais superiores e tropas desertando. Os ataques também proporcionaram tempo à medida que as forças israelenses abriram caminho através dos campos minados da Síria. No entanto, os ataques aéreos não danificaram seriamente os bunkers e sistemas de trincheiras dos sírios, e a maior parte das forças sírias no Golan permaneceram em suas posições.

No dia seguinte, os sírios conseguiram voltar a atacar, bombardeando posições dos israelense. No dia 10, os tanques da 8ª Brigada se deslocaram para o sul de Qala, avançando seis milhas até Wasit, sob pesada artilharia e bombardeio de tanques. No Banias, no norte, as baterias de morteiros sírios abriram fogo contra o avanço das forças israelenses somente depois que sapadores da Brigada Golani abriram caminho através de um campo minado, os sírios mataram dezesseis soldados israelenses e feriram quatro.

Em 11 de junho, os grupos do centro e do norte juntaram-se em um movimento de pinça no planalto enquanto as forças sírias recuavam. Às 8h30, os sírios começaram a explodir seus próprios bunkers, queimando documentos e recuando. Várias unidades das tropas de Elad Peled subiram para o Golan pelo sul, encontrando apenas posições quase vazias. Quando a 8ª Brigada chegou a Mansura, a 8 km de Wasit, os israelenses não encontraram oposição e encontraram equipamentos abandonados, incluindo tanques, em perfeito estado de funcionamento. Na aldeia fortificada de Banias, as tropas da Brigada Golani encontraram apenas vários soldados sírios acorrentados às suas posições.

Durante o dia, as unidades israelenses pararam depois de obter espaço de manobra entre suas posições e após a linha de colinas vulcânicas a oeste. Em alguns locais, as tropas israelenses avançaram após um acordo de cessar-fogo para ocupar posições estrategicamente fortes. No leste, o terreno do solo é uma planície aberta e levemente inclinada. Posteriormente, essa posição se tornou a linha de cessar-fogo conhecida como "Linha Roxa".

A revista Time relatou: "Em um esforço para pressionar as Nações Unidas a impor um cessar-fogo, a Rádio Damasco reduziu seu próprio exército ao transmitir a queda da cidade de Quneitra três horas antes. Esse relato prematuro da rendição destruiu a moral das tropas sírias na área de Golan."

O território ocidental das Colinas de Golan não foram tomados de graça, eles foram comprados com o sangue dos combatentes israelenses que caíram em batalha, portanto, o Golan é por direito do Estado de Israel e do Povo de Israel. Se Bashar Al-Assad acha que poderá reaver as colinas de Golan, ele está completamente enganado, o Povo de Israel jamais deixará os sírios se aproximarem novamente dos vilarejos judaicos no Golan e muito menos de Tiberíades.

Foto: Donald Trump, White House



Nenhum comentário:

Últimos mais vistos

Mais vistos em 10 anos de site