Últimas

PACTO DE MIGRAÇÃO PERIGOSO DA ONU QUER FAZER DA MIGRAÇÃO UM DIREITO HUMANO


O Pacto Global pela Migração não é sobre refugiados que fogem da perseguição, ou seus direitos à proteção sob a lei internacional.

Em vez disso, o acordo propaga a idéia radical de que a migração é algo que precisa ser promovido, ativado e protegido.

O acordo da ONU, observa:

“Refugiados e migrantes têm direito aos mesmos direitos humanos universais e liberdades fundamentais, que devem ser respeitados, protegidos e cumpridos em todos os momentos”.

Os migrantes são, evidentemente, cidadãos de um novo mundo, no qual todos os países devem surgir para ajudar qualquer pessoa que tenha escolhido viajar e residir por qualquer motivo.

Fronteiras podem existir em teoria, mas a ONU está trabalhando duro para fazê-las desaparecer na prática.

Os migrantes, digamos, na Europa, deveriam ter os mesmos direitos à educação, ao emprego e à saúde, como os europeus, que trabalharam duro e pagaram impostos por meio século para ter acesso a essas mesmas coisas. Os europeus, claro, terão que pagar por tudo isso.

Os estados signatários comprometem-se a:

“... eliminar todas as formas de discriminação, condenar e combater expressões, atos e manifestações de racismo, discriminação racial, violência, xenofobia e intolerância correlata contra todos os migrantes em conformidade com o direito internacional dos direitos humanos.”

O acordo, convenientemente, não oferece definições do que constitui “racismo” ou “xenofobia”. O que, por exemplo, é “intolerância relacionada”? As críticas às políticas de migração da ONU são “intolerantes”?

Originalmente, todos os estados membros da ONU, menos os EUA, haviam aprovado o texto finalizado do acordo e pareciam prontos para assiná-lo em dezembro.

Em julho, a Hungria retirou-se do acordo. O ministro das Relações Exteriores da Hungria, Peter Szijjarto, descreveu-o como "totalmente contra os interesses de segurança da Hungria", e acrescentou:

“Este pacto representa uma ameaça ao mundo a partir do aspecto que poderia inspirar milhões [de imigrantes]. Sua principal premissa é que a migração é um fenômeno bom e inevitável. Consideramos a migração um processo ruim, que tem implicações de segurança extremamente sérias ”.

Desde então, a Áustria, a Austrália, a Hungria e possivelmente também a República Checa e a Polónia anunciaram a sua retirada do acordo.

A ONU não tem interesse em admitir que seu acordo promove a migração como um direito humano. Eles não querem debater como isso poderia colocar em risco todo o projeto.

A UE supostamente vai "reprimir" a migração. A questão é, se isso é verdade, por que eles estão pedindo aos países-membros que assinem acordos que facilitem e exponenciam a migração como um direito humano?






Via https://voiceofeurope.com/2018/11/dangerous-un-migration-pact-wants-to-make-migration-a-human-right/
Postar um comentário