Últimas

ONU QUER UM GOVERNO MUNDIAL EM MENOS DE DOZE ANOS


5 de novembro de 2018 ( American Thinker )- Na década de 1960, apesar de ser bem informado mas um universitário inexperiente, eu estava atravessando o campus da Universidade da Pensilvânia com o Presidente do Departamento de Química, Prof. Charles C. Price. Ele me disse que era presidente dos Federalistas do Mundo Unido e perguntou se eu sabia o que era essa organização. Quando eu disse que não, ele respondeu que eles acreditavam em um governo mundial que cresceria fora das Nações Unidas. Fiquei perplexo porque nunca tinha ouvido alguém sugerir essa ideia antes. Para mim, a Organização das Nações Unidas era uma organização benevolente dedicada a pressionar a comunidade mundial na direção da paz e a operar programas de caridade para ajudar os povos empobrecidos e em dificuldades do mundo. Eu imaginei a ONU como uma espécie de United Way em escala mundial.

Como surgirá a visão do Prof. Price de um novo governo mundial? Embora houvesse uma linha socialista em seu documento fundador, a Organização das Nações Unidas foi formada com base em uma visão de direitos humanos apresentada na “Declaração Universal dos Direitos Humanos” (DUDH), que colocou o conceito de direitos na vanguarda do progresso dos direitos do corpo mundial. E os direitos são o pilar da elevação da liberdade humana e da dignidade do indivíduo. O documento da DUDH seguiu muitos documentos surpreendentes que apresentavam os direitos como o conceito central do mundo pós-feudal: a Declaração (ou Bill) dos Direitos de 1689, a Declaração de Independência dos EUA com sua importante e vigorosa afirmação de direitos naturais inalienáveis, a poderosa Declaração de Direitos dos EUA promulgada em 1791, e a Declaração Francesa dos Direitos do Homem e do Cidadão (1789).

A palavra “direitos” aparece em quase todas as frases do documento de 1869 palavras da ONU. O documento é literalmente obcecado por direitos, e é preciso supor que eles também estão obcecados com os sucessos dos direitos, conforme manifestados no Reino Unido, nos EUA e na França. No entanto, existem alguns desvios do uso de direitos com os quais todos estamos familiarizados. No Artigo 3, Em vez dos direitos inalienáveis ​​de “vida, liberdade e busca da felicidade” encontrados em nossa Declaração de Independência, a ONU declara o direito de todos à “vida, liberdade e segurança pessoal”. Eles estão implicando que a segurança trará felicidade? Ou estão insinuando que a felicidade é um valor muito efêmero e também ocidental? Talvez metas de sobrevivência mais mundanas sejam necessárias na maior parte do mundo.

Nós vemos uma reprise de itens da nossa Carta de Direitos como condenação de punição cruel e incomum (Artigo 5), processo justo (Artigos 6,7,8,9, 10, 11, 14, 17), busca ilegal e apreensão ( Artigo 12), e liberdade de expressão e de reunião (artigos 19,20). Mas há novos direitos introduzidos que, já em 1945, apontavam o caminho para a intervenção da ONU no cotidiano das pessoas em todo o mundo. Ao longo do documento, eles afirmam o direito à alimentação, vestuário, cuidados médicos, serviços sociais, benefícios de desemprego e incapacidade, cuidados infantis e educação gratuita, além do direito ao “pleno desenvolvimento da personalidade” (imagine, a ONU diz que tenho o direito de ser eu) e o “direito de participar livremente da vida cultural da comunidade … e de desfrutar das artes” (cada um de nós tem o direito de apreciar uma pintura ou um filme). No entanto, eles não afirmam o direito de aparecer no “Tonight Show” ou “Saturday Night Live”, por isso havia limites para a sua generosidade.

Em 2015, setenta anos depois de seu documento original baseado em direitos, a ONU deu um passo gigantesco em direção ao governo global que foi sugerido apenas em seu primeiro documento de organização. Eles publicaram um documento intitulado “Transformando o Nosso Mundo: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”. Este documento tem 91 seções numeradas do programa da ONU para o governo mundial. A Declaração Universal dos Direitos Humanos é referenciada apenas uma vez em todo o documento no Artigo 19. Ao contrário do original “documento-mãe” com menos de 1900 palavras, este documento é de 14883 palavras. Os 91 itens estão abordando questões sob os cinco títulos de Pessoas, Planeta, Prosperidade, Paz e Parceria. Além disso, o documento fornece 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) para melhorar a vida no planeta.

O que significa o termo “sustentável”? A definição mais citada vem da Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento da ONU: “o desenvolvimento sustentável é um desenvolvimento que atende às necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazer suas próprias necessidades”. As idéias e ideais anteriores de direitos, liberdade, igualdade e justiça são subsumidas sob o encontro de necessidades e um ambientalismo explícito que enfatiza a prevenção do esgotamento de recursos planetários escassos. É claro que a partida é o axioma marxista de que a sociedade deve ser organizada em torno da idéia de “a cada um de acordo com sua capacidade para cada um de acordo com suas necessidades”. Assim, o marxismo está implícito na sustentabilidade, mas é nuançado por sua aliança com ajustes e objetivos aparentemente científicos relacionados ao ambientalismo.

Todo o documento “Transformando Nosso Mundo” é lançado em um fluxo de consciência de chavões piedosos para um futuro utópico. É um sonho utópico desproporcional. Cinco dos 17 itens pertencem ao ambiente. Há metas para as cidades, para as mulheres, para os pobres e até mesmo para a vida sob a água. Absolutamente nenhuma esfera da atividade humana está isenta de controle pela ONU. A palavra-chave é claro que não é mais “direitos”, exceto a referência oblíqua no artigo 19. Na verdade, este escritor não viu a palavra direitos nem mesmo uma vez neste documento, embora essa palavra aparecesse em praticamente todas as frases do documento original da ONU.

Os monopistas da década de 1950 e início da década de 1960 estão agora no banco do motorista da ONU, e eles fizeram o movimento. A sobreposição do discurso marxista sobre “atender às necessidades” passou para o centro do palco. A ONU atribuiu-se um prazo para avançar em seu plano de hegemonia planetária.

Essa transformação projetada detalhando (mas sem detalhes) uma nova ordem mundial de responsabilidade ambiental e uma redução significativa da pobreza e da fome nunca fala da dimensão prática de grandes manipulações de pessoas por líderes cínicos e burocratas ignorantes que mantêm suas posições por meio de terrorismo e suborno. Eles nunca discutem incompetência e corrupção, irmãos gêmeos da família da venalidade. O documento retrata um mundo sincero onde todos os que estão no poder querem ajudar a humanidade, apesar da evidência diária do egoísmo, corrupção, intenções assassinas, manipulações demoníacas, roubos, imoralidades pessoais, ódios e depravação absoluta de muitos líderes governamentais em todos os países do mundo e entre os líderes de negócios também.

O ideal de sustentabilidade não está ligado a uma cosmovisão cristã; em vez disso, a liberdade individual é submersa em uma mentalidade coletivista cientificamente determinada, com decisões finais nas mãos dos diabólicos e onipotentes Big Brothers. A relevância do indivíduo é subestimada. Ele está sendo apresentado por uma ONU que não é mais pró-ocidental, um corpo muito maior do que existia em 1945. Você aceitará isso, ou é tempo, mais do que nunca, para começar a repensar nossa participação nesse corpo insustentável?




Publicado com a permissão do American Thinker .
Tradução: Emerson de Oliveira



Via https://logosapologetica.com/as-nacoes-unidas-querem-um-governo-mundial-em-menos-de-doze-anos
Postar um comentário