Últimas

AUTORIDADES DE SAÚDE ALERTAM QUE A PRÓXIMA PANDEMIA DE SUPERBACTÉRIAS VAI MATAR "MILHÕES"

Image: Health authorities warn next superbug pandemic will kill “millions” … and nations aren’t doing anything to stop it

…e as nações não estão fazendo nada para impedir isso.

Quando você pensa de uma pandemia, surtos de doenças globais como a gripe espanhola, que matou 50 milhões no início de 1900 ou a pandemia mais recente HIV / AIDS são o que normalmente vêm à mente. No entanto, alguns especialistas estão alertando que a próxima pandemia virá de uma fonte inesperada - e é algo que poderia ser evitado se os países tomarem as devidas precauções agora.

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que é consultora da Organização Mundial da Saúde em iniciativas para a saúde pública, alertou que os cuidados de saúde e gastos públicos enfrentarão “consequências desastrosas” se a higiene básica hospitalar não melhorar e o uso de antibióticos não for melhor reprimido.

O grupo disse que as superbactérias podem matar 2,4 milhões de pessoas até 2050; as bactérias resistentes a antibióticos já são responsáveis ​​por milhares de mortes, matando mais de 33.000 europeus apenas em 2015. A OCDE afirmou que o custo do tratamento dessas infecções pode subir para cerca de 3,5 bilhões de dólares, em média, por ano em cada um dos países analisados. O grupo disse que os países já estão gastando cerca de dez por cento de seu orçamento de saúde em tratamento de bactérias resistentes a antibióticos.

A líder de saúde pública da OCDE, Michele Cecchini, disse: “As bactérias resistentes a antibióticos custam mais do que a gripe, mais do que o HIV, mais do que a tuberculose. E vão custar ainda mais se os países não implementarem ações para resolver esse problema".

No coração deste problema está o uso excessivo de antibióticos, e estamos sendo atingidos de todos os ângulos. Os médicos prescrevem antibióticos para vírus, que não respondem a tais medicamentos, e também estão entrando em nossos corpos por meio da agricultura e de produtos animais que recebem esses medicamentos. Como resultado, muitas cepas de bactérias estão se desenvolvendo capazes de resistir aos efeitos dos antibióticos.

A resistência já é incrivelmente alta em países de baixa e média renda, com 60% das infecções bacterianas vistas em lugares como o Brasil, a Rússia e a Indonésia, já resistentes a um ou mais antibióticos. O crescimento dessas infecções deverá ser 47 vezes mais rápido em 2030.

Especialistas alertam que mesmo pequenos cortes de cozinha, pequenas cirurgias e infecções como pneumonia podem se tornar mortais. O grupo também expressou preocupação com a resistência aos antibióticos de segunda linha e de terceira linha, que eles dizem que vão aumentar em 70% até o ano 2030. Esses tipos de antibióticos devem ser reservados para os piores cenários, mas os médicos já estão usando mais deles quando deveriam estar usando menos, e isso é ver algumas das melhores opções de emergência disponíveis agora, tendo um grande sucesso.

Como esta pandemia da superbactéria pode ser evitada?

A OCDE afirma que a única maneira de evitar esse desastre de superbactérias é implementando mudanças generalizadas na área da saúde imediatamente. Por exemplo, eles enfatizam que os profissionais de saúde precisam fazer um esforço melhor quando se trata de higiene nos hospitais, lavando as mãos regularmente e instituindo regras de segurança mais rígidas.

Testes mais rápidos para determinar se as infecções são virais ou bacterianas também podem fazer uma grande diferença, já que os antibióticos são completamente inúteis no primeiro caso. Outra abordagem que pode ser útil é a prescrição tardia, o que implica exigir que os pacientes esperem três dias antes de tomar as prescrições de antibióticos. Isso é aproximadamente a quantidade de tempo que uma infecção viral levaria para seguir seu curso. Nos estudos desta abordagem, dois terços dos pacientes que receberam prescrições de antibióticos atrasados ​​nunca acabaram por recolher o seu medicamento, o que significa que não tomaram quaisquer antibióticos desnecessários e exacerbaram o problema.

Segundo Cecchini, essas mudanças poderiam custar apenas dois dólares por pessoa a cada ano, pagando-se dentro de alguns meses, além de economizar bilhões de dólares e milhões de vidas até meados do século.








Via: https://www.naturalnews.com/2018-11-14-health-authorities-warn-next-superbug-pandemic-will-kill-millions.html
Postar um comentário