Últimas

A SUÁSTICA VERDE: O AMBIENTALISMO ERA UM PILAR DO TERCEIRO REICH

Image: The Green Swastika: Environmentalism was a pillar of the Third Reich

Cuidar do meio ambiente e ser bons mordomos de nossas muitas bênçãos naturais é muito diferente do que adorar o meio ambiente e exigir, sob ameaça de força, que todos adotem doutrinas ambientalistas estritas e muitas vezes totalitárias. A primeira é como conservamos e preservamos nosso mundo para nós mesmos e para as futuras gerações, enquanto a segunda incorpora algo que Adolph Hitler realmente perpetuou como parte de sua agenda nazista para o mundo.

Em seu livro, “A suástica verde: O ambientalismo no Terceiro Reich”, o autor William Kay oferece um relato histórico detalhado do movimento ambientalista alemão sob Hitler, comparando-o aos movimentos ambientalistas de extrema-esquerda de hoje. Acredite ou não, muitos dos atuais “antifascistas” estão adotando o mesmo dogma do fascista mais conhecido do mundo - e eles nem percebem isso.

Hitler odiava o capitalismo de livre mercado e outras ideias conservadoras

Em cinco capítulos curtos, Kay esboça como o ativismo fanático do movimento “verde” de hoje espelha aquele perpetuado por Hitler na Alemanha nazista. Não apenas isso, mas muitas pessoas não entendem o que Hitler estava tentando fazer com o nazismo como um todo, alegando erroneamente que ele estava simplesmente atrás de judeus e de restaurar o nacionalismo, o que não poderia estar mais longe da verdade, segundo Kay.

"O antissemitismo não foi a base de Hitler nem a intenção principal", escreve ele. “Suas paixões motrizes eram antimarxistas; Darwinismo social; e mais fundamentalmente, o anti-liberalismo. Os judeus eram bodes expiatórios. O verdadeiro inimigo era o capitalismo de livre mercado”.

Hitler se opunha ao liberalismo verdadeiro ou clássico, que na terminologia de hoje estaria mais alinhado com o conservadorismo. Em outras palavras, Hitler era um liberal moderno que procurava silenciar aqueles que promoviam ideias como capitalismo de livre mercado e liberdade de expressão - o que significa que ele teria sido recebido de braços abertos pelo movimento Antifa e outros grupos esquerdistas radicalizados no mundo de hoje.

“Havia muitos capitalistas alemães e liberais alemães, mas ao invés de confrontar essas pessoas de frente, Hitler socializava seu anti-liberalismo. O epicentro de sua animosidade era a civilização moderna”, acrescenta Kay. “Ele atacou a modernidade através dos judeus. O mito judaico-bolchevique de Hitler é bem reconhecido, mas seu mito judaico-liberal é evitado”.

Hitler privou em particular o cristianismo, e elogiou o darwinismo

As tendências ecologistas de Hitler foram em grande parte inspiradas por um pseudocientista conhecido como Ernst Haeckel, considerado o fundador da ecologia. Embora ele tenha citado publicamente princípios bíblicos que parecem contradizer aqueles propagados por Haeckel, um darwinista, Hitler os abraçou tranquilamente, o que foi o ímpeto por trás do que se tornaria suas inclinações ambientais radicais.

“Tanto Haeckel quanto Hitler definiram a ciência como o desdobramento das leis da natureza. Ambos sacralizaram a natureza”, explica Kay em seu livro. “Nenhum reconheceu uma lacuna entre reinos orgânicos e inorgânicos. Ambas evoluções elevadas para uma religião. Ambos lamentaram a violação do Homem à Lei Natural e consideraram o Cristianismo o principal culpado.”

Falando do cristianismo, este é outro equívoco comum em como as pessoas vêem Hitler. Embora pareça que suas doutrinas incluíam aquelas também incorporadas pelos cristãos, Kay diz que Hitler era um ateu particular que, quando não falava publicamente, criticava o verdadeiro cristianismo e as pessoas que afirmavam que isso tipificava sua fé.

Como Haeckel, Hitler acreditava que Jesus era o filho ilegítimo de um soldado romano. Ele também acredita que a pregação da Igreja contra as doutrinas do Direito Natural de Haeckel foi responsável pela destruição tanto da Roma Imperial, quanto pela queda da Alemanha que levou à ascensão de Hitler ao poder.

Hitler realmente se referiu ao cristianismo como "a invenção de cérebros doentes" e ridicularizou a ideia de que qualquer um acreditaria em uma trindade, ou "Divindade", incorporando o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Sendo um “vegetariano militante”, Hitler também desprezava o cristianismo por não compartilhar suas mesmas convicções sobre “direitos dos animais” - soa familiar?





Via: https://www.naturalnews.com/2018-11-20-the-green-swastika-environmentalism-was-a-pillar-of-the-third-reich.html e http://www.anovaordemmundial.com/

Postado por Ricardo Silva

Postar um comentário