Últimas

A LINGUAGEM ORWELLIANA DOS PROPAGANDISTAS DA IDEOLOGIA DE GÊNERO

Resultado de imagem para homem de sapato salto alto

As políticas de identidade de gênero são o novo preto, pelo menos para a esquerda cada vez mais radical. Ousar “enganar” alguém é praticamente uma ofensa, e estudos mostram que o número de jovens que se identificam como “trans” está aumentando. Mas o que a grande mídia não lhe diz é que o número de pessoas que se arrependem de passar por uma cirurgia de “confirmação de gênero” também está aumentando. A esquerda tampouco admitirá que o seu evasivo diálogo orwelliano sobre o tema do gênero faz parte do problema. A linguagem distorcida usada pelos propagandistas de identidade de gênero é uma ferramenta destinada a subverter inteiramente a noção de gênero.

A linguagem é uma ferramenta poderosa, ainda que pouco reconhecida, no jogo da política e do governo. É simples: ao controlar as palavras que as pessoas usam para falar sobre identidade de gênero, os propagandistas acabam ganhando o controle da narrativa - e, além disso, são capazes de influenciar o modo como as pessoas pensam e sentem sobre a identidade de gênero. George Orwell ilustrou o poder da linguagem em 1984, um romance de ficção distópico sobre um regime autoritário que usa manipulação linguística para promover sua agenda.

Do livro 1984:

“O Ministério da Paz se preocupa com a guerra, o Ministério da Verdade com mentiras, o Ministério do Amor com tortura e o Ministério da Abundância com fome. Estas contradições não são acidentais, nem resultam da hipocrisia comum: são exercícios deliberados no pensamento duplo”.

Orwell, notoriamente, era um esquerdista - e é realmente irônico que a esquerda moderna esteja usando o conceito do pensamento duplo como inspiração para seu jogo de xadrez político. Orwell estava ciente do fato de que a linguagem desempenha um papel substancial em nossos pensamentos e opiniões.

Desvendando as ferramentas linguísticas da “identidade de gênero”

Em última análise, a “identidade de gênero” assume que o gênero nada mais é do que uma construção social e que uma pessoa, independentemente de seu sexo biológico, pode “escolher” ser um gênero diferente ou não ter gênero algum.

O uso do termo “identidade de gênero” implica que a “identidade” de alguém pode diferir de seu sexo biológico. Frases como “gênero atribuído ao nascimento” e “cirurgia de confirmação de gênero” promovem essa crença. Quer percebamos ou não, esses termos estão sendo cada vez mais usados ​​para condicionar a sociedade à aceitação. Especificamente, aceitar a ideia de que gênero é negociável, ou até mesmo “falso”.

O site Gender Spectrum afirma que a maioria das crianças tem uma sólida compreensão de sua “identidade de gênero” aos quatro anos de idade. Seria impressionante se uma criança de quatro anos pudesse soletrar a identidade de gênero, quanto mais entender o conceito.

Para o registro, os estudos mostram que entre 80 e 95 por cento das crianças "trans" continuarão aceitando seu gênero biológico à medida que envelhecem.

Como o The Cute relata:

Os pesquisadores não sabem por que isso acontece, mas parece que, em algumas crianças, a homossexualidade ou bissexualidade nascente se manifesta como disforia de gênero. Em outros, a disforia de gênero pode surgir como resultado de algum tipo de trauma ou outro problema psicológico não resolvido, e desaparece com o tempo ou com o aconselhamento.

Normalizando o extremo

“Cirurgia de confirmação de gênero” é particularmente preocupante, pois agora é uma forma comum e aceita de “tratamento” para pessoas que se identificam como transgênero. Isso é assustador porque nenhum médico jamais toleraria a remoção de partes do corpo como um tratamento para praticamente qualquer outra condição psiquiátrica.

Até 2018, a Organização Mundial da Saúde (OMS) considerava ser transgênero um problema de saúde mental. Agora é chamado de problema de "saúde sexual". A própria OMS observa que eles mudaram sua linguagem nas identidades transgêneras para ajudar a reforçar a aceitação da sociedade.

Embora a liberdade pessoal e direitos sejam de extrema importância, há um corpo crescente de evidências de que abordar fisicamente identidades “trans” não é o melhor curso de ação (embora possa ser o mais lucrativo).

Estimativas sugerem que pelo menos um quinto dos pacientes que se submetem à cirurgia acabam sentindo arrependimento. Isto é especialmente verdadeiro para as crianças, que muitas vezes são prescritas com hormônios ou bloqueadores da puberdade em idades jovens, apesar da evidência esmagadora de que é desnecessário e potencialmente prejudicial a longo prazo.

Muitos argumentariam que a “cirurgia de confirmação de gênero” não está tão distante da mutilação genital - que, ironicamente, os esquerdistas também estão tentando normalizar. Mas sob o esquema de propaganda, a mutilação é agora "confirmação".

Apagar o gênero leva a apagar o "eu"

Em geral, a narrativa sobre identidade de gênero é projetada para ser o mais confusa possível. O site Gender Spectrum alega que o sexo biológico representa uma parcela desprezível do gênero geral, afirmando que o gênero de uma pessoa é baseado em três dimensões: corpo, identidade e expressão.

O site argumenta:

“A maioria das sociedades vê o sexo como um conceito binário, com duas opções rigidamente fixas: masculina ou feminina, ambas baseadas nas funções reprodutivas de uma pessoa (genitais, cromossomos sexuais, gônadas, hormônios, estruturas reprodutivas). Mas um binário sexual não consegue captar nem mesmo o aspecto biológico do gênero. Enquanto a maioria dos corpos tem uma das duas formas de genitália, que são classificadas como “femininas” ou “masculinas”, existem condições intersexuais que demonstram que o sexo existe em um continuum de possibilidades. Este espectro biológico por si só deveria ser suficiente para dissipar a noção simplista do “binário de gênero” - não há apenas dois sexos."

Embora não seja culpa de alguém que nasce com uma condição genética ou desordem cromossômica que o leve a exibir traços intersexuais, dificilmente é “prova” de qualquer coisa - exceto o fato de que a reprodução humana não é uma ciência exata. Os distúrbios genéticos e cromossômicos são o resultado de mutações ou outras anormalidades. Anormalidades existem em toda a natureza, mas nós não vamos mudar todo o nosso entendimento da anatomia só porque um par de gêmeos siameses nasceu.

Os propagandistas de identidade de gênero estão sugerindo que a biologia como a conhecemos seja alterada para acomodar um grupo que representa 0,6% de toda a população dos EUA. A invenção de uma terminologia mais “neutra” e vaga é projetada para aumentar a confusão entre os jovens, bem como obscurecer a verdade biológica. O avanço da propaganda da “identidade de gênero” servirá à esquerda de diversas maneiras: é uma ferramenta política divisora, por exemplo - e subverte a humanidade como a conhecemos.

Se os papéis de gênero forem eliminados com sucesso, o apagamento do ego e do individualismo logo os seguirá.








Via: https://www.naturalnews.com/2018-11-09-twisted-orwellian-language-of-gender-identity-propagandists.html e http://www.anovaordemmundial.com/
Postar um comentário