Últimas

FACEBOOK ESTÁ CONSTRUINDO “CENTRO DE COMANDO DE GUERRA CONTRA NOTÍCIAS FALSAS” DENTRO DE SUA SEDE PARA COMBATER INFORMAÇÕES CONSERVADORAS

Em uma reportagem intitulada “Facebook está construindo um ‘centro de comando de guerra contra notícias falsas’ dentro de sua sede na Califórnia para coordenar sua batalha contra a disseminação de desinformação durante as próximas eleições americanas e brasileiras,” o jornal britânico DailyMail disse, “Funcionários do Facebook estão aumentando seus esforços para impedir a disseminação de ‘notícias falsas.’”

É muito fácil identificar o que o Facebook considera notícias falsas e desinformação: opiniões conservadoras.

Os conservadores são as vítimas favoritas do Facebook para a censura.

Quando não há quase nenhuma queixa dos usuários esquerdistas de Facebook sobre censura de seus pontos de vista, queixas do movimento conservador são generalizadas.

“O Google, o Twitter e o Facebook estão realmente pisando em território muito problemático e precisam tomar cuidado. Não é justo para grandes parcelas da população,” o Presidente Donald Trump disse no mês passado, de acordo com a Fox News, observando que seu governo tem “literalmente milhares e milhares de reclamações chegando” sobre as práticas das empresas de tecnologia.

Há tendenciosidade pró-esquerda e tendenciosidade anticonservadora no Facebook. No ano passado, por exemplo, o Facebook contratou Joel Benenson, principal assessor de Barack Obama e estrategista principal de Hillary Clinton.

O que o Facebook está prometendo agora é mais censura aos conservadores, especialmente em sua livre escolha para usar o Facebook para divulgar suas ideias conservadoras. Tal pressão está provocando um resultado: 1 em 3 conservadores deixou ou está considerando deixar o Facebook.

Posso falar pela minha própria experiência. Nos últimos 14 meses, o Facebook impôs várias vezes ao meu perfil bloqueios de 30 dias. Numa reportagem sobre censura, o WND, um dos maiores sites conservadores dos EUA, incluiu meu caso em sua manchete “Liberdade de expressão é a grande questão de nossa época: Gigantescas empresas tecnológicas provocam revolta conservadora.”
A reportagem do DailyMail disse:

A empresa revelou que terá um “centro de comando de guerra” em pleno funcionamento em seu campus de Menlo Park a tempo das eleições dos EUA e do Brasil.

Os executivos do Facebook afirmam que a empresa tem várias equipes atualmente trabalhando para melhorar sua resposta a qualquer tentativa de manipular o conteúdo do Facebook para favorecer qualquer candidato ou partido específico.

As eleições gerais brasileiras estão marcadas para 7 de outubro para eleger o presidente e vice-presidente, o Congresso Nacional, os governadores e vice-governadores dos Estado e do Distrito Federal, as Assembleias Legislativas estaduais e a Câmara Legislativa do Distrito Federal.

As eleições estaduais dos Estados Unidos serão realizadas em 6 de novembro de 2018. Essas eleições considerarão todas as 435 vagas na Câmara dos Deputados e 35 das 100 vagas no Senado dos Estados Unidos contestados.

A alegada preocupação do Facebook é que sua plataforma foi usada para eleger Trump. Eu me pergunto se o Facebook estaria preocupado se sua plataforma tivesse sido bem-sucedida, como tentou fazer, em eleger a esquerdista Hillary Clinton.

O Facebook quer que o público acredite, como disse William Murray, que “um punhado de ‘trolls russos’ que deixaram comentários nas páginas do Facebook alteraram os resultados das eleições americanas de 2016.”

O Facebook está usando a desculpa de trolls russos — russos e seu atual conservadorismo — como bodes expiatórios para aumentar sua censura aos conservadores.

Assim, o Facebook mata dois coelhos com uma cajadada só: culpa a Rússia por interferir nas eleições dos EUA e desvia a atenção de seus próprios esforços para ajudar a eleger candidatos de esquerda.
Independentemente do conservadorismo russo, a maioria dos usuários do Facebook é conservadora. 

Essa é a única explicação para o fato de que, apesar da tendenciosidade pró-esquerda em massa do Facebook, a vontade da maioria prevaleceu. Um número incontável de usuários foi colocado na prisão do Facebook por apenas dizer que a homossexualidade é perversão. O Facebook chegou a remover minha citação de Levítico 18:22, onde Deus disse: “Não minta com um homem como se deita com uma mulher; isso é detestável .”

A maioria dos eleitores de Trump era evangélica, e essa é a razão pela qual o Facebook impôs tanta censura aos evangélicos conservadores. Da mesma forma, a principal base de votação de um promissor candidato de direita no Brasil são os evangélicos.

O centro de comando de guerra do Facebook não é contra notícias falsas. É contra notícias conservadoras. É contra os evangélicos nos EUA e no Brasil.

A batalha do Facebook não é contra desinformação. É contra informação conservadora e evangélica.
Sei por experiência, porque sou evangélico e tenho estado sob censura e bloqueios de 30 dias do Facebook.

Se pudesse, o Facebook mandaria todos os evangélicos americanos e brasileiros para Gulags virtuais. O primeiro passo já foi dado: censura implacável de opiniões evangélicas acerca da agenda homossexual.

A esquerda está repleta de notícias falsas e desinformação. Se tivesse seriedade em combater tais ameaças, o Facebook imporia aos extremistas de esquerda a mesma censura que vem impondo aos conservadores há anos.



Via http://juliosevero.blogspot.com/2018/09/facebook-esta-construindo-centro-de.html
Postar um comentário