Últimas

PROFESSORA PRESBITERIANA AFIRMA QUE SE OPOR AO ABORTO “VAI CONTRA O ENSINAMENTO DE JESUS”

Resultado de imagem para Rebecca Todd Peters abortion

Uma professora de estudos religiosos da Carolina do Norte, EUA, argumentou na segunda-feira que os cristãos deveriam apoiar o aborto por basicamente qualquer motivo que a mãe quisesse.

Na coluna da segunda-feira no site da Universidade Elon, a professora Rebecca Todd Peters, que é também pastora presbiteriana, afirmou que a oposição ao aborto “está em contradição com os ensinamentos de Jesus,” informa a Campus Reform.
,
“Não há nada de cristão em exigir que as mulheres ‘justifiquem’ suas razões para fazer aborto,” escreveu Rebecca. “E certamente não há nada cristão na atitude de forçar as mulheres a continuar a gravidez contra a sua vontade.”

Ela baseou seu argumento na afirmação de que muitas denominações cristãs permitem abortos em pelo menos circunstâncias limitadas. Rebecca argumentou que os cristãos estão errados em apoiar alguns abortos, mas se opor a outros.

“Ao focar na aceitação de abortos SEIM (saúde pré-natal, estupro, incesto e saúde da mãe), os cristãos moldaram o discurso público dominante sobre o aborto em um debate sobre justificação,” escreveu ela. “Essa metodologia divide as mulheres que abortam em duas categorias — as trágicas e as condenadas.”

De acordo com a reportagem:

Escolher ter um filho, porém, é “um ato moralmente profundo” que significa “um compromisso moral importante de criar a criança ou colocá-la para adoção,” aponta ela, observando que “apenas 1% das mulheres colocam seus filhos para adoção.”

Ela chega ao ponto de dizer que apenas a aprovação de abortos sob circunstâncias de SEIM “vai contra o ensinamento de Jesus de que ele veio trazer vida abundante.”

“Uma visão cristã de vida abundante exige que reconheçamos e apoiemos o desenvolvimento de famílias saudáveis e robustas,” ela afirma. “É preciso que respeitemos as mulheres e as decisões morais que elas tomam sobre suas famílias. Uma abordagem cristã para apoiar famílias saudáveis reconhece que apenas mulheres e seus parceiros são capazes de decidir sua capacidade de criar uma criança.”

Mas até mesmo o argumento de SEIM de Rebecca é enganoso. Ela citou várias denominações cristãs conservadoras que acreditam que os abortos são aceitáveis em algumas circunstâncias, escrevendo:

Das 11 declarações cristãs incluídas em um estudo do Centro de Pesquisa Pew de 2013, apenas os católicos romanos afirmam que se opõem ao aborto em todas as circunstâncias. Todas as outras denominações, inclusive a Associação Nacional de Evangélicos (ANE), a Convenção Batista do Sul, a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (IJCSUD) e a Igreja Luterana do Sínodo de Missouri admitem que o aborto é justificável quando a vida da mulher está em perigo. A IJCSUD, a ANE e os episcopais também mencionam especificamente que o estupro e o incesto são considerados razões justificáveis para interromper uma gravidez.

Particularmente ausente no que ela mesma escreve é qualquer menção de uma denominação que inclui exceções “S” [saúde pré-natal].

A exceção “M” de Rebecca para a “saúde” da mãe também é muito mais ampla do que a exceção “vida da mãe” das denominações. Quase todos os líderes pró-vida reconhecem que existem algumas circunstâncias raras e ameaçadoras à vida, quando os médicos não podem salvar a vida da mãe e do bebê em gestação, daí a exceção das denominações. No entanto, isso não é o mesmo que intencionalmente acabar com uma vida humana preciosa. Em tais circunstâncias raras, o objetivo é salvar tantas vidas quanto for possível, não matar.

Em contraste, a “exceção de saúde” de Rebecca inclui basicamente qualquer coisa relacionada à saúde da mulher, inclusive finanças e problemas de relacionamento, de acordo com a Suprema Corte dos EUA.

Muitos cristãos também se opõem ao aborto em casos de estupro ou incesto, reconhecendo que o criminoso deve ser punido, não o bebê em gestação; e mãe e filho devem ser apoiados. Ativistas pró-vida ainda têm trabalho a fazer para educar as pessoas sobre o valor dos bebês em gestação, apesar das circunstâncias abusivas de sua concepção, mas a compaixão fora de lugar das denominações não deve ser usada para justificar a morte de bebês em gestação até o nascimento.

O argumento de Rebecca falhou também em outros níveis. Sua ideia geral de que os cristãos devem “confiar nas mulheres” para tomar decisões morais sobre suas vidas e sobre os filhos também é ridícula.

“Se realmente valorizamos as mulheres e as famílias saudáveis, precisamos aceitar que a desculpa ‘eu não quero ter um bebê’ é uma razão iminentemente apropriada para encerrar uma gravidez,” argumentou Rebecca. “E devemos confiar que as mulheres grávidas são as únicas capazes de tomar essas decisões.”

Embora os cristãos acreditem que Deus deu aos seres humanos o livre arbítrio para decidir se fazem o bem ou o mal, eles também acreditam que certas ações são moralmente más — como matar seres humanos inocentes. Rebecca quase certamente não argumentaria que os cristãos deveriam permitir que os homens batessem em suas esposas, ou que as mulheres negligenciassem seus filhos por causa do livre-arbítrio. Contudo, ela alegou que os cristãos deveriam “confiar nas mulheres” com a liberdade de matar seus próprios bebês antes do nascimento.

Os cristãos acreditam que os bebês no útero são valiosos, seres humanos vivos desde o momento da concepção, e matar seres humanos inocentes é o mal.

Rebecca deve dar uma segunda olhada nas Escrituras para ver que, mesmo nos tempos antigos, os bebês no útero eram vistos como valiosos (Lucas 1:41), que Jesus dava grande valor às crianças quando outras na sociedade não davam (Mateus 19:14). ), e que uma das coisas que Deus mais odeia é o derramamento de sangue inocente (Provérbios 6:16-17).

Traduzido por Julio Severo do original em inglês do site LifeNews: “Christian” Professor Claims Opposing Abortion “Flies in the Face of Jesus’ Teaching”

Postar um comentário