Últimas

CHINÊS COMUNISTA ASSUME A INTERPOL E O POLICIAMENTO MUNDIAL


Se ter passado pelo controle do regime assassino nacional-socialista (Nazista) de Adolf Hitler não foi ruim o suficiente, apretensa agência “policial” mundial Interpol já selecionou oficialmente como seu novo líder um funcionário da alta “segurança” da brutal ditadura comunista que escravizou a China. Críticos indignados expressaram preocupações de que a nomeação ajudaria o regime chinês a caçar e aterrorizar os dissidentes em todo o mundo.

De acordo com um comunicado da imprensa oficial, delegados de governos e ditaduras na 85ª Assembléia Geral da Interpolselecionaram o agente chinês comunista Meng Hongwei (apresentado) como o mais novo presidente da agência. Antes de assumir seu novo posto na Interpol esta semana, Meng serviu como “Vice-Ministro da Segurança Pública” na China Comunista.

Como “policial veterano” do regime responsável pelo assassinato de mais pessoas inocentes do que qualquer outro na história da humanidade, o brutal braço armado da autocracia chinesa comunista disse que estava pronto para fazer “tudo o que podia” pela causa do policiamento mundial. “Atualmente enfrentamos alguns dos desafios mais sérios de segurança pública global desde a Segunda Guerra Mundial”, disse Meng em um comunicado.

Ele também elogiou a autodeclarada agência policial mundial. “A Interpol, guiada pelo melhor conjunto de princípios e mecanismos da atualidade, contribuiu significativamente para promover a cooperação policial internacional”, acrescentou. “AInterpol deve continuar a aderir a esses princípios e estratégias, além de inovar ainda mais nossos mecanismos de trabalho, a fim de nos adaptarmos à mudança da situação de segurança que vemos hoje.”

Meng tem uma história de lealdade inquestionável aos carniceiros do Partido Comunista Chinês, famoso por tortura, assassinato em massa, extração de órgãos de prisioneiros políticos e religiosos, planejamento central mal-sucedido, abortos forçados, censura total e outras barbaridades. “A política, o partido e a ideologia em primeiro lugar é um princípio fundamental para as forças de paz”, Meng foi citado em um programa de treinamento para as “forças de paz” da ONU em 2014. “Devemos implementar consistentemente os três “primeiros” princípios no nosso trabalho (…) para construir uma equipe forte, com uma postura política sólida.”

Os críticos, no entanto, deram o alerta sobre a decisão na Interpol. A nomeação de Meng “é extraordinariamente preocupante, dada a longa prática da China de tentar usar a Interpol para prender dissidentes e refugiados no exterior”, escreveu no Twitter Nicholas Bequelin, diretor regional para a Ásia Oriental da Anistia Internacional.

Além do agente comunista chinês, o general do Kremlin, Alexander Prokopchuk, foi escolhido para atuar como vice-presidente do organismo mundial. “Em um mundo em transformação, que enfrenta novas ameaças mundiais, estou plenamente ciente de como é importante para a Interpol continuar a ficar vários passos à frente dos [criminosos], e pretendo fazer tudo para ajudar a Interpol a exercer todo o seu potencial, Prokopchuk foi citado pela RIA Novosti.

Outras boas notícias para o regime brutal de Pequim também surgiram da Assembléia Geral, que reuniu mais de 800 chefes de polícia e policiais experientes de 164 governos e ditaduras. As autoridades e ditadores concordaram que no ano que vem, o 86º Congresso da Interpol será realizado em Pequim. Sem dúvida, o regime está satisfeito.

Os 190 estados-membros da Interpol também concordaram que, sob o pretexto de combater a guerra do terror, deveria haver mais “coleta e registro sistemático de informações biométricas” para a agência globalista. As autoridades e tiranos pediram o fortalecimento dos “mecanismos de processamento de informações” da Interpol também. Finalmente, eles pediram a expansão dos programas da Interpol que lidam com “segurança nas fronteiras”.

O novo chefe da Interpol, Meng, se junta a uma crescente lista de agentes chineses comunistas que lideram burocracias globalistas. Nas Nações Unidas, por exemplo, como The New American documentou extensivamente, a ditadura brutal tem seus subordinados liderando meia dúzia de agências ou mais, incluindo uma que os globalistas e os comunistas esperam usar para a censura e regulamentação global da Internet.

É claro que o regime comunista na China é famoso por perseguir dissidentes — mesmo no exterior. Como este repórter destacou em uma investigação profunda do aparato de “inteligência” da ditadura, Pequim tem espiões no mundo inteiro, incluindo muitos encarregados de espionar e intimidar dissidentes no exterior, mesmo no Ocidente. Vários desses agentes foram condenados em tribunais ocidentais nos últimos anos. E, de fato, em uma conferência da ONU no ano passado, este escritor sofreu o que a polícia disse ser uma tentativa de intimidação por parte de um agente comunista chinês que foi observado semi-secretamente tirando fotos após uma conversa.

Não seria a primeira vez que a Interpol foi desrespeitada por uma ditadura para essa perseguir dissidentes. Mesmo nos últimos anos, de fato, a organização mundial dominada pelo ditador sofreu forte revés depois de supostamente usar seus sistemas para ajudar regimes islâmicos brutais a perseguir jornalistas e supostos “apóstatas” acusados de crimes “religiosos”.

Em 2012, por exemplo, a Interpol provocou indignação a nível mundial depois de supostamente ajudar o regime da Arábia Saudita a procurar uma mulher de 28 anos que alegadamente cometeu o “crime” de se converter ao cristianismo. Antes disso, a Interpol também teria ajudado a monarquia saudita a prender um jornalista que fugiu do reino depois de ser acusado de insultar o profeta do Islã — punível com a morte na maioria das nações islâmicas. A Interpol negou que tenha desempenhado um papel na prisão, apesar de uma declaração oficial das autoridades malaias dizendo que a Interpol exigiu a prisão.

De 1938 até o final da Segunda Guerra Mundial, por sua vez, a Comissão Internacional de Polícia Criminal, como era conhecida na época, ficou sob o controle completo do regime nacional-socialista (nazista) na Alemanha. De fato, a equipe foi liderada pelo chefe da SS, Reinhard Heydrich, o vice do infame criminoso de guerra nazista Heinrich Himmler, antes do oficial nazista Ernst Kaltenbrunner tomar posse. A sede da equipe foi transferida para uma casa judaica confiscada em Berlim. E a Interpol tornou-se uma ferramenta usada pela máquina de matar nazista para perseguir dissidentes e até para prender aqueles que ajudavam refugiados judeus. Após a guerra, o presidente da Interpol, Kaltenbrunne, foi executado por crimes contra a humanidade após os julgamentos de Nuremberg.

Hoje, cerca de 190 governos são membros da Interpol, incluindo uma esmagadora maioria das autocracias mais implacáveis do planeta. Entre seus membros: os brutais regimes comunistas que governam o povo de Cuba, China, Vietnã, Zimbábue, Laos e muitos mais. Praticamente todas as ditaduras islâmicas na Terra, incluindo algumas identificadas pelo Departamento de Estado dos EUA como patrocinadoras do terrorismo, também são membros. A carta da Interpol supostamente impede que ela realize atividades ou intervenções de natureza política, militar, religiosa ou racial, mas os críticos continuam profundamente preocupados — especialmente depois que algumas de suas maquinações mais controversas foram relatadas na imprensa ocidental.

Apesar de tudo isso, sob Obama, a Interpol recebeu vários incentivos relevantes. No final de 2009, Obama até assinou uma “ordem executiva”, que pretendia fornecer imunidade de impostos, buscas, inspeções alfandegárias e muito mais para os agentes da organização global nos Estados Unidos — incluindo agentes de ditaduras brutais trabalhando na equipe. Naquele mesmo ano, o então secretário-geral da Interpol, Ronald Noble, conhecido como “Enforcer” por seu papel no infame abate de civis de Waco, gabou-se de que quando a polícia parasse alguém, “eles consultariam bancos de dados globais para determinar quem parariam. “

Mais recentemente, sob o disfarce de combater a guerra ao terror em meio ao caos no Iraque e na Síria, o governo Obama expandiu a colaboração com a Interpol. O braço armado, Washington, D.C., profundamente controverso, formalmente apelidado atualmente de Organização Internacional de Polícia Criminal, anunciou em 2014 que estaria “encabeçando” uma conspiração apoiada por Obama conhecida como o “Programa de Combate ao Terrorista Estrangeiro”.

O desdobramento do esquema seguiu-se à aprovação do Conselho de Segurança da ONU de uma resolução “vinculante” patrocinada por Obama para criar um novo regime mundial terrorista, completo com o que equivale a uma lista de “zona de exclusão aérea” mundial.

Segundo a Interpol Washington, o novo programa de combate ao terrorismo “aproveita os recursos exclusivos que a Interpolutiliza para combater o crime transnacional”. Esses recursos incluem o sistema de comunicações da Interpol, bancos de dados criminais e analíticos, informações biométricas sobre alvos e um sistema de avisos para rastreamento. e apreensão de indivíduos sob a mira de governos. O objetivo do mais recente esquema, explicou o Departamento de Justiça, é monitorar, deter e interditar qualquer pessoa designada como “combatente terrorista estrangeiro”.

Não ficou imediatamente claro como alguém seria declarado um “combatente terrorista estrangeiro”, ou como tal designação poderia ser contestada em um tribunal — se é mesmo possível. No entanto, o Departamento de Justiça admitiu na declaração que sua intriga também visava “aqueles que não foram acusados de uma ofensa específica”.

Agora, com o regime comunista chinês tendo seu agente no topo da Interpol, há ainda mais motivos para preocupação. “Parece que a China poderia obter alguma informação sobre os métodos de inteligência da polícia ocidental”, explicou Nevin Gussack, um pesquisador anticomunista que é autor de inúmeros livros e estudos sobre a estratégia comunista internacional. “Tal informação poderia promover a penetração de Pequim nos sindicatos do crime organizado em todo o mundo”.

O regime, é claro, é bem conhecido por utilizar redes criminosas para avançar sua agenda no exterior. “A competição anti-Pequim no mundo do crime pode ser eliminada, enquanto outros que são mais amigáveis ​​com a China podem ser deixados em paz para prosperar”, continuou Gussack. “O mesmo cenário se aplicaria às forças políticas pró-Pequim, em oposição às forças anti-comunistas. Esse poderia ser o resultado final lógico de uma negociação da imposição lei com a China comunista ”.

Pode também ajudar a reabilitar a reputação internacional do regime brutal. “Segundo, tal envolvimento com a Interpoltambém contribuiria para a erosão da imagem de Pequim como um poder comunista agressivo e ávido, inclinado à dominação econômica e política global”, disse Gussack. “Afinal, a China comunista parece ser outro poder ‘normal’ envolvido na cooperação global.”

“A ingenuidade da distensão e interdependência global não conhece limites”, acrescentou.

De fato, como Gussack mostrou em sua pesquisa, não é a primeira vez que os governos ocidentais deram à ditadura de Pequim oportunidades de aprender informações potencialmente perigosas e prejudiciais. Como o falecido congressista e presidente constitucionalista da John Birch Society, Larry McDonald, destacou no Congresso antes de seu avião ser abatido por um combatente soviético, o então presidente Carter permitiu que o oficial soviético Anatoly Gusakov assistisse a 10 meses de treinamento em vários departamentos de polícia do sul da Califórnia. como parte de um suposto “programa de intercâmbio estudantil”. Entre outras coisas, Gusakov teria se interessado por “técnicas investigativas” e “atividades de vários grupos políticos”.

No ano seguinte, de acordo com o livro O Serviço Secreto Chinês [The Chinese Secret Service], uma delegação do Ministério da Segurança Pública (Gonganbu) do regime comunista chinês — o mesmo órgão brutal de opressão que o novo chefe daInterpol trabalha — visitou a sede da Polícia Federal Criminal da Alemanha Ocidental (BKA). A delegação, liderada por Zhou Canbi, conseguiu até testar os sistemas de computadores do BKA.

“O vice-ministro de Segurança Pública Li Guangxiang aprendeu as técnicas de vigilância mais atualizadas do BKA”, explica o livro. “Essas técnicas foram usadas pela Seção 2 do Departamento de Segurança Pública de Pequim para espionar os diplomatas e jornalistas ocidentais. Especialistas franceses treinariam instrutores policiais chineses em técnicas modernas na manutenção de arquivos automatizados de impressões digitais.”

Mais recentemente, Obama até convidou tropas chinesas comunistas para treinamento conjunto com as forças dos EUA em solo americano.

Além da opressão selvagem do regime contra o povo chinês, a ditadura chinesa comunista desenvolveu planos de longo prazo para minar e controlar o Ocidente, mesmo fingindo ser amistoso. De acordo com um discurso no início de 2008 ao Politburo do PCCh e à Comissão Militar Central, o então ditador chinês Hu Jintao expôs sua visão. “Usaremos nossa política de abertura, aproveitaremos a crise econômica no Ocidente como um momento histórico e usaremos medidas efetivas para transformá-las em colônias econômicas e culturais da China socialista”, afirmou Jintao. “Nossa colonização desses países é o processo histórico do triunfo do comunismo sobre o capitalismo podre. Nós, os comunistas chineses, devemos arcar com a grande missão histórica e usar o socialismo para derrotar o capitalismo, acabando por libertar a humanidade inteira com o comunismo”.

Como The New American documentou extensivamente, a ascensão da ditadura brutal a um papel de liderança na Nova Ordem Mundial — como os globalistas se referem a ela — tem sido auxiliada a cada passo do caminho por forças poderosas no Ocidente. Do conselho globalista de Relações Exteriores passando pelo magnata bancário David Rockefeller e chagando ao protegido da dinastia Rothschild, George Soros, forças de mentalidade totalitária ajudaram o regime chinês a construir seu poder, infiltrando-se em organizações globais e muito mais. Nos últimos anos, Soros chegou a pedir que os totalitários de Pequim “possuam” o que ele chamou de “Nova Ordem Mundial”, da mesma forma que os Estados Unidos possuíam a antiga ordem.

Considerando-se a história e os recentes desfechos na Interpol — e especialmente a aquisição do órgão pela China comunista, agora oficialmente — o Congresso e a próxima administração Trump deveriam se retirar imediatamente da agência e suspender o seu financiamento. Não há necessidade de existir um órgão tão perigoso, muito menos que o governo dos EUA participe dele. Em vez disso, os tratados bilaterais de extradição são mais do que suficientes para lidar com quaisquer problemas que possam surgir.

[*] Alex Newman. “Communist Chinese Agent Takes Over Interpol, Global Policing”. The New American, 11 de Novembro de 2016.

Tradução: Cássia H.





Via http://tradutoresdedireita.org/agente-chines-comunista-assume-a-interpol-e-o-policiamento-mundial/
Postar um comentário