Últimas

INGLATERRA INVESTE 26 MILHÕES DE DÓLARES EM MATERIAL EDUCACIONAL GLORIFICANDO TERRORISTAS SUICIDAS


Um artigo original do The Times britânico revela uma imagem terrível da propaganda anti-israelense e anti-semita dentro dos territórios palestinos.

Mais de 20 milhões de libras(26 milhões de dólares) esterlinas do dinheiro da ajuda britânica foram gastos em escolas palestinas no ano passado, apesar de os ministros saberem que o currículo oficial pode incitar os alunos a se tornarem suicidas e jihadistas.

Em uma série de respostas parlamentares, o ministro da Assistência Alistair Burt admitiu que os contribuintes britânicos estão financiando os salários de 33.000 professores que implementam um currículo escolar que tem sido criticado por promover a violência contra Israel. Isto é verdadeiramente uma vergonha.

Um relatório do Instituto de Monitoramento da Paz e Tolerância Cultural na Educação Escolar (Impact-SE) disse que "exerce pressão sobre jovens palestinos para atos de violência". As lições ensinadas pelos professores financiados pelo Reino Unido incluem:
Em um livro de ciências para crianças de 12 anos que ensina a segunda lei de física de Newton usa uma imagem de um menino atirando com um estilingue contra soldados
Em um manual de matemática para crianças de nove anos, um exercício pede aos alunos que calculem o número de "mártires" nas revoltas palestinas
Um livro de ciências sociais para crianças de nove anos mostra crianças em uma sala de aula olhando para uma mesa vazia com o sinal “o mártir”
Um manual para crianças de 10 anos que chama o martírio e a jihad “dos significados mais importantes da vida”, aconselhando que “beber a taça de amargura com glória é muito mais doce do que uma vida longa e agradável acompanhada de humilhação”.

O dinheiro da ajuda britânica vai para a Autoridade Palestina na Cisjordânia, ao invés do Hamas, que administra Gaza.

O currículo ensina as crianças sobre o apoio da Autoridade Palestina para as famílias daqueles que realizam ataques terroristas e como eles serão recompensados ​​no paraíso.

O relatório do Impact-SE conclui que “a radicalização é mais difundida neste novo currículo” do que aquele que substituiu, e que “exerce pressão sobre os jovens palestinos para atos de violência de maneira mais ampla e sofisticada”.

Também afirma que "o foco do currículo parece ter se expandido para a demonização de Israel para fornecer uma justificativa para a guerra". Um poema ensinado a crianças de nove anos pede “sacrifício de sangue”, “eliminação do usurpador” e “aniquilação dos remanescentes dos estrangeiros”.

Até mesmo os livros didáticos de ciências promovem violência. Uma pergunta diz: “Os jovens palestinos usaram estilingues para enfrentar os soldados da ocupação sionista e defender-se de suas balas traiçoeiras. Qual é a relação entre o alongamento da borracha do estilingue e a resistência à tração? ”

Em contraste, as referências a acordos de paz entre os palestinos e Israel foram removidas. Em 2016, o governo disse que iria apertar o controle dos gastos nos territórios palestinos. Mas Burt admitiu que “todas as suas escolas na Cisjordânia estão usando o currículo revisado do AP 2017. Funcionários públicos e professores são financiados pelo Reino Unido. e portanto, estão envolvidos.

Mesmo que a liderança do governo britânico tenha se mostrado contra a "incitação contra Israel e ao terrorismo", praticamente nada foi feito para mudar esta situação. Quando uma criança é ensinada desde pequeno que ela deve fazer de tudo para exterminar crianças que não são de seu povo, então, quando se tornar adulto, nada mais natural que se torne um terrorista suicida. Infelizmente é com este ódio implantado desde a infância que o povo de Israel terá que lidar nas próxima gerações.

Fonte: The Times e Impact-SE







Via https://www.cafetorah.com/inglaterra-investe-26-milhoes-de-dolares-em-material-educacional-glorificando-terroristas-suicidas/
Postar um comentário