Últimas

PELA PRIMEIRA VEZ NA HISTÓRIA DE ISRAEL, UM PARTIDO JUDAICO-CRISTÃO VAI CONCORRER ÀS ELEIÇÕES

Resultado de imagem para Knesset

Pela primeira vez em 70 anos na História de Israel, um partido formado por judeus e cristãos irá concorrer nas próximas eleições para o Knesset (parlamento israelita).

O novo partido chama-se "Gush Hatanachi" (Bloco Bíblico), e foi publicamente anunciado na passada Quarta-Feira pelo seu fundador Avi Lipkin.

Na acta de fundação do partido declara-se o seguinte: "O Bloco Bíblico protege qualquer pessoa que creia na Bíblia e que se oponha à limpeza étnica de judeus e de cristãos da Terra de Israel. O Bloco Bíblico representa partidos políticos do mundo inteiro que abracem a cultura democrática ocidental judaico-cristã."

"O partido trabalhará também para fortalecer Israel, formulando um programa para a melhoria das relações públicas em todo o mundo, recrutando prelectores judeus e cristãos e treinando-os para melhorarem a imagem de Israel no mundo e protegerem a democracia ocidental."

Nas próprias palavras do fundador, a essência do partido é bastante simples:

"O cristianismo tem a sua quota-parte de culpa no ódio aos judeus, mas nós temos também a nossa quota-parte de ódio aos cristãos. Temos de parar de odiar os cristãos. Temos de tornar-nos como Rute e Noémia. Nas palestras que faço nas minhas viagens tenho visto que muitos cristãos estão preparados para isso."

Segundo Lipkin, hoje em dia faz todo o sentido renovarem-se as relações entre judeus e cristãos nas políticas de Israel. Ele vê a demografia cristã estar rapidamente a tornar-se um factor importante que, para surpresa, não tem representatividade do Knesset.

"Durante centenas de anos, os únicos cristãos em Israel eram árabes. Isso mudou há vinte anos atrás quando um milhão de pessoas fizeram aliyah para Israel, a maioria da ex-União Soviética. Um terço dessas pessoas não eram integralmente judias."

"Actualmente, oito por cento da população de Israel é cristã, mas não tem representação no Knesset. Até recentemente, os cristãos árabes que costumavam ser anti-semitas alinhavam com os muçulmanos. Face ao crescente extremismo islâmico, esses cristãos árabes estão lentamente reconhecendo que precisam de mudar, e, pouco a pouco, estão-se voltando para Israel e para os judeus."

Para Lipkin, Israel deve servir de abrigo para cristãos árabes e ocidentais vítimas de perseguição: "Os judeus são soberanos em Israel. Temos de abraçar e proteger os nossos cristãos de qualquer ameaça oriunda do lado islâmico. Temos de oferecer representação no Knesset aos cristãos crentes na Bíblia."


METADE JUDEUS, METADE CRISTÃOS

O novo partido será composto de 50% por cento de judeus e 50% de cristãos, todos originários de um largo espectro da sociedade israelita.


Shalom, Israel!



Via http://shalom-israel-shalom.blogspot.com.br/
Postar um comentário