Últimas

EX-FUNCIONÁRIOS DO FACEBOOK E GOOGLE SE VOLTAM CONTRA OS GIGANTES DA MÍDIA SOCIAL

Ex-Facebook, Google Employees Turn Against Social Media Giants

"Os maiores supercomputadores do mundo estão dentro de duas empresas... estamos apontando-os para o cérebro das pessoas, das crianças"

Ex-funcionários do Facebook e do Google estão se pronunciando contra os perigos sociais colocados pelas mídias sociais e smartphones.

O grupo, que recentemente se uniu para formar o Center for Humane Technology, juntou-se à guardiã dos meios de comunicação Common Sense Media para destacar os efeitos negativos associados às próprias redes sociais que eles ajudaram a criar.

Como parte de sua primeira campanha, intitulada The Truth About Tech, o grupo terá como alvo 55 mil escolas públicas dos EUA em um esforço para alertar estudantes, professores e pais sobre, entre outras coisas, o vício tecnológico.

Tristan Harris, ex-ético do Google e chefe do novo grupo, disse ao New York Times que tanto o Google quanto o Facebook estão essencialmente apontando seu poder computacional para crianças vulneráveis.

"Nós estávamos no interior. Sabemos o que as empresas agem. Sabemos como eles falam e sabemos como funciona a engenharia", disse Harris. "Os maiores supercomputadores do mundo estão dentro de duas empresas - o Google e o Facebook - e para onde estamos apontando-os? Estamos apontando-os para o cérebro das pessoas, das crianças."

Além de sua campanha inicial, o novo Center for Humane Technology também espera desenvolver o Ledger of Harms - um site para informar os engenheiros de tecnologia que podem estar preocupados com o que estão construindo - e para começar a pressionar por leis que irão controlar os gigantes da tecnologia.

Roger McNamee, um investidor no início do Facebook, diz que ele se juntou ao grupo na tentativa de desfazer qualquer dano que ele tenha causado.

"O Facebook atrai seus instintos básicos - principalmente medo e raiva. E com os smartphones, eles sabem sobre você a cada instante", disse McNamee. "Esta é uma oportunidade para eu corrigir um erro".

As notícias sobre as intenções do Center for Humane Technology ocorrem apenas alguns dias depois que os peritos em saúde infantil pediram ao CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, que elimine um novo aplicativo do messenger destinado a crianças de até seis anos.

"As crianças mais novas simplesmente não estão prontas para ter contas em redes sociais. Elas não têm idade suficiente para navegar nas complexidades dos relacionamentos on-line, que muitas vezes levam a mal-entendidos e conflitos, até mesmo entre usuários mais maduros", disse uma carta a Zuckerberg. "Elas também não têm uma compreensão totalmente desenvolvida da privacidade, incluindo o que é apropriado compartilhar com os outros e quem tem acesso a suas conversas, fotos e vídeos".

Numerosos estudos ligaram o uso excessivo de tecnologia entre crianças à depressão e problemas de desenvolvimento.

Mesmo que o público pareça estar cada vez mais consumido pela tecnologia, as principais figuras da tecnologia parecem estar se movendo na direção oposta.

O co-fundador da Apple, Steve Jobs, disse antes de sua morte que limitou estritamente o tempo de tela de seus filhos quando perguntado sobre o que seus filhos pensavam do primeiro iPad.

"Eles não o usam", disse Jobs na época. "Nós limitamos a quantidade de tecnologia que nossos filhos usam em casa".

Chris Anderson, co-fundador do fabricante de drones 3D Robotics e ex-editor da Wired Magazine, também fez declarações semelhantes em relação a seus filhos.

"Isso é porque já vimos os perigos da tecnologia em primeira mão", disse Anderson. "Eu vi isso em mim mesmo, não quero ver isso acontecer com meus filhos".

Embora atualmente sem filhos, o CEO da Apple, Tim Cook, declarou seu desejo de salvaguardar o futuro de qualquer criança dos próprios perigos dos meios de comunicação social.

"Eu não tenho filho, mas eu tenho um sobrinho no qual coloco alguns limites", disse Cook recentemente. "Há algumas coisas que não permitirei; eu não quero eles em uma rede social".

O primeiro presidente do Facebook, Sean Parker, argumentou no ano passado que os produtos da sua ex-empresa se aproveitam dos mentalmente vulneráveis.

"Só Deus sabe o que isso está fazendo no cérebro dos nossos filhos", disse Parker.

Ao mesmo tempo, o ex-funcionário do Facebook, Chamath Palihapitiya, também acusou o gigante das redes sociais de "separar o tecido social de como a sociedade funciona".




Via: http://www.anovaordemmundial.com/ e https://www.infowars.com/ex-facebook-google-employees-turn-against-social-media-giants/
Postar um comentário