Últimas

RECORDE: 80 CRISTÃOS NIGERIANOS MORTOS ESTE MÊS, A MAIORIA A GOLPES DE FACÃO


Mais de 80 cristãos nigerianos foram massacrados nas mãos de pastores islâmicos radicais este mês, com grandes grupos cristãos que criticam a violência "desumana", pois os sobreviventes descrevem o que sentiu ser cortado por machetes.

O grupo de vigilância da perseguição International Christian Concern disse na segunda-feira que mais de 80 cristãos morreram no estado de Benue desde 1 de janeiro, com 50 mortes em logotipo e outras 30 no município de Guma.

Os atentados de tiroteio e machete foram realizados por pastores Fulani, muçulmanos nômades que pastoreiam seus gados em todo o país e, durante os últimos dois anos , foram direcionados a agricultores cristãos que estão a caminho.

Sobreviventes descreveram alguns dos ataques, com um homem identificado apenas como Vershima explicando como ele e outros haviam sido emboscados em 3 de janeiro por Fulani armado.

Os pastores "abriram fogo contra nós, matando três das pessoas que eu estava transmitindo e me ferindo", disse o homem, que foi baleado no baú e morto.

Outro sobrevivente, chamado Peter, um guarda de gado local, disse que os atacantes que o seguiram "eram pessoas com quem eu tinha interagado naquela comunidade".

"Levantei-me e liguei-os por seus nomes e tentei lutar contra o machete que eles tinham de suas mãos, mas sem sucesso. Eu estava dominado e eles começaram a me cortar", disse Peter, que agora está em um hospital que se recupera de suas feridas.


Funcionários de Benue aprovaram uma lei de pastoreio anti-aberto no ano passado, que foi vista como uma tentativa de pôr fim ao roaming e à violência dos Fulani, mas como o ICC apontou, o esforço "falhou até o momento".

O Rev. Musa Asake, Secretário Geral da Associação Cristã da Nigéria, saiu com um endereço principal na semana passada, falando sobre sua "grave preocupação" pelos ataques contínuos que os fiéis do país enfrentam, ambos nas mãos dos Fulani , e outros terroristas, como Boko Haram.

Asake disse que Benue, em particular, viu "ataques horríveis e desumanos" até 2013 e acusou as forças governamentais de não apenas não fazer o suficiente para proteger os cidadãos, mas em alguns casos de colaborar com os pastores.

Ao detalhar um ataque no dia de Ano Novo em Ilorin, o Secretário Geral disse que os agentes de segurança se recusaram a intervir até que três igrejas fossem queimadas.

"Este padrão sugere colusão das unidades de segurança com a milícia islâmica operando sob nomes como os pastores Fulani, Boko Haram," homens armados desconhecidos "e" grupo de vândalos ", afirmou Asake.

Ele também apontou que a Força Aérea da Nigéria bombardeava um Povo IDP cristão em janeiro de 2017, deixando mais de 200 refugiados cristãos mortos, que foi apresentado à nação como um acidente.

"Em dezembro de 2017, um porta-voz da Força Aérea confirmou que a Força Aérea da Nigéria enviou um Alpha Jet e um helicóptero de ataque da CE 135 para disparar tiros de" alerta "em milícias islâmicas atacando cristãos em Numan, estado de Adamawa, mas não para matá-los," Asake contínuo.

"Os aldeões mais tarde informaram que o avião realmente bombardeou as aldeias cristãs resultando na morte de mais de 50 pessoas, enquanto a Força Aérea da Nigéria disse que apenas disparou tiros de alerta contra a milícia islâmica atacando os aldeões. Esta é a jihad, como não podemos entender disparou avisos de advertência na narrativa desse ataque ".

PODE acusar ainda o presidente Muhammadu Buhari de não ter administrado a Nigéria com valores democráticos e argumentou que ele "não tem respeito pelos direitos humanos".

"Sob o presidente Buhari, os pastores assolados de Fulani gozavam de proteção e favoritismo sem precedentes na medida em que os pastores tratam a Nigéria como um território conquistado", diz o comunicado.

"Ao invés de prender e processar os pastores Fulani, as forças de segurança habitualmente tripuladas por muçulmanos do Norte oferecem-lhes proteção, enquanto desencadeiam o terror, impunemente, contra o povo nigeriano".

Buhari insistiu em várias ocasiões em que ele está levando muito a sério os ataques de Fulani e que o governo dele está fazendo tudo o que pode para controlá-los.

"O presidente assegurou aos nigerianos que os ataques crescentes às comunidades pelos pastores serão rapidamente controlados pelas forças de segurança implantadas nas áreas vulneráveis ​​de todo o país", observou uma declaração desta semana sobre uma reunião entre Buhari e o Conselho de Diretores da Nigéria Economic Summit Group em Abuja.

"Ele disse que o infeliz incidente de ataques, que resultou na perda de vidas e propriedades, já trouxe tristezas e dificuldades em muitos nigerianos, com o governo afetado profundamente", acrescentou.




Via https://www.christianpost.com/news/80-nigerian-christians-slaughtered-inhuman-violence-victims-describe-being-hacked-by-machetes-214824/
Postar um comentário