Últimas

ALUNOS CRISTÃOS SÃO ATACADOS COM FACÕES POR RECUSAREM CONVERSÃO AO ISLAMISMO


Vários estudantes cristãos foram espancados e espancados em uma escola secundária em Nairobi, no Quênia, depois que eles se recusaram a se converter ao Islamismo, disseram os relatos, com confrontos deixando 35 alunos feridos.

Morning Star News informa que a briga aconteceu na semana passada no Jamhuri High School. Vários estudantes muçulmanos aparentemente se queixaram de discriminação, já que o internato havia designado banheiros separados e seções de bibliotecas para cristãos e muçulmanos, devido ao aumento das hostilidades entre os dois grupos.

Uma fonte que não foi nomeada explicou que vários desses estudantes muçulmanos tentaram forçar estudantes cristãos a recitar o credo islâmico para conversão e passar por rituais de limpeza muçulmana em 23 de janeiro, o que provocou a luta.

"Alguns estudantes muçulmanos tentaram forçadamente a induzir estudantes cristãos a sua fé islâmica, e aqueles que recusaram foram espancados, enquanto outros foram fisicamente atingidos", disse a fonte. "As facas e machetes usados ​​alegadamente vieram de fora da escola".

A briga resultante entre os dois grupos deixou 35 alunos feridos, muçulmanos e cristãos, que tiveram que ser tratados no hospital por feridas e ossos dislocados.

O diretor da Escola Secundária de Jamhuri, Fred Awuor, também teve que receber tratamento hospitalar depois de ser ferido.


The Daily Nation informou que a polícia está investigando o incidente, incluindo como é que os alunos conseguiram colocar as facas e as facas na escola.

A Kenya Broadcasting Corporation informou na terça-feira que o ensino médio continua fechado, com guardas de segurança que negam a entrada de pessoas no complexo.

Houve uma série de incidentes violentos em escolas do Quênia no ano passado, embora em uma instância, em maio, fosse um professor muçulmano que ajudasse a salvar a vida dos cristãos durante um ataque do grupo terrorista al-Shabaab.

Um professor cristão na Fafi Primary School em Fafi foi morto a tiros quando os radicais islâmicos atacaram, mas um professor muçulmano salvou outro professor cristão dizendo aos extremistas que ele estava pronto para morrer com seu colega.

"O al-Shabaab ficou com raiva e disse à professora:" Nós vamos te ensinar uma lição para proteger os infiantes ", e imediatamente os dois foram levados para um destino desconhecido", disse uma fonte à Morning Star News na época .

Vários muçulmanos na escola também foram espancados depois que os radicais os acusaram de abrigar cristãos.

Os cristãos quenianos foram especificamente perseguidos e mortos pelos jihadistas com base em Somali, que em abril de 2015 mataram cerca de 150 alunos, a maioria seguidores de Cristo, no Garissa University College.


O grupo radical, que no ano passado foi nomeado o grupo terrorista mais mortal do continente pelo Centro Africano de Estudos Estratégicos, matou apenas 4.000 pessoas em 2016.












Via https://www.christianpost.com/news/christian-students-knifed-machetes-kenya-high-school-refusing-convert-islam-215637/
Postar um comentário