Últimas

PORQUE NÃO EXISTE UM ESTADO "PALESTINO"?

Imagem relacionada

O planeta está suspenso na transferência da Embaixada dos Estados Unidos de Tel-Aviv para Jerusalém, e no consequente reconhecimento norte-americano de que essa é a capital de Israel (a Rússia já o fez, mas ninguém ligou nenhuma). Aliás, é o reconhecimento do óbvio! Abra-se a Bíblia, estude-se a História, e lá está a confirmação de que Jerusalém é a capital eterna de Israel!

Está em curso um novo Holocausto (o dos cristãos e outros "infiéis" em terras de Islão e não só). A Coreia do Norte e o Irão subsidiam o terrorismo global e espalham provocações e ameaças apocalípticas. Mas os noticiários abrem com a provável mudança de uma embaixada. Que obsessão doentia com Israel! E (ai de nós todos...) que sinal profético!

As calinadas da Imprensa mundial sobre Israel e Jerusalém revelam um desconhecimento atroz de um assunto sobre o qual todos se acham com autoridade para ditar leis, mas que tão poucos estudam. Os jornalistas cortam e colam notícias - e mal! - e saem-se com absurdidades tais como "Israel anexou partes de Jerusalém à 'Palestina'".

Nunca existiu uma nação chamada Palestina (1) . Ninguém falou de tal coisa até aos anos 60.

A porção de Israel dada aos Árabes no plano de partição da região (também) conhecida como Palestina, é o país a que se chamou Jordânia. Foram 88% da área de Israel dados de mão beijada aos colonos Árabes, apenas como medida de boa vontade. Não chegou, pois eles querem todo o pequenito Israel. 

Como reagiriam os que verberam Israel por não dar ainda mais do seu minúsculo torrão aos árabes, se Portugal desse 88% do seu território aos marroquinos e fosse diariamente pressionado a dar ainda mais? Pimenta na língua dos outros é refresco...

A ideia de uma Palestina árabe é um mero pretexto para a destruição de Israel. É esse como poderia ser outro. Se amanhã os colonos árabes aceitassem mais um Estado, para além da Jordânia, se de repente ficassem contentes com Gaza e com a Península do Sinai, que também lhes foram dados, logo Amaleque e Edomencontrariam um novo pretexto para perseguir Israel.

Temos duas secções que as pessoas de boa vontade podem consultar e depois confrontar com outras fontes:


História de Israel 

Mitos sobre Israel


Prefere os MITOS ou os FACTOS sobre Israel? A escolha é sua...




------------------------------------------

(1) Um questionário breve sobre a tal "Palestina" Árabe


1. Quando é que o país foi fundado e por quem?
2. Quais eram as suas fronteiras?
3. Qual era a sua capital?
4. Quais eram as suas cidades mais importantes?
5. Quais eram as bases da sua economia?
6. Qual era a sua forma de governo?
7. Pode citar pelo menos um líder palestino antes de Arafat?
8. A Palestina alguma vez foi reconhecida como um país cuja existência, então ou agora, não deixasse margem a interpretação?
9. Qual era a língua da Palestina?

10. Qual era a religião predominante da Palestina?

11. Qual era o nome da sua moeda? Escolha uma data qualquer na História e diga qual era a taxa de câmbio da moeda palestiniana em relação ao dólar dos EUA, ao marco alemão, à libra esterlina, ao iene japonês ou ao yuan chinês na referida data.

12. E, finalmente, dado que este país não existe actualmente, que é que causou o seu desaparecimento e quando é que ocorreu? Você que lamenta o "afundamento" de uma orgulhosa e nobre nação", diga s.f.f., quando exactamente é que essa "nação" era orgulhosa e nobre?


Jerusalém é referida 660 vezes no Tanach/Antigo Testamento e 146 vezes nos Evangelhos/Novo Testamento. Jerusalém é referida 0 (zero) vezes no Corão.Jerusalém é a capital eterna de Israel.


1 Chegando, pois, o sétimo mês, e estando os filhos de Israel já nas cidades, ajuntou-se o povo, como um só homem, em Jerusalém. - Esdras 3





Via http://amigodeisrael.blogspot.com.br/

Nenhum comentário