Últimas

AUSTRÁLIA ISLAMIZADA PROÍBE CONSTRUÇÃO DE SINAGOGA JUDAICA ALEGANDO "RISCO TERRORISTA PARA O PÚBLICO EM GERAL"

Resultado de imagem para Bondi SYNAGOGUE jewish

Os terroristas já venceram, disse a comunidade judaica em resposta

A Austrália parou a construção de uma sinagoga perto de Sydney, alegando que ela encorajará um ataque terrorista.

Em resposta, a comunidade judaica disse que a decisão "antissemita" significava que o terrorista "já venceu".

"É um dia muito triste para a Austrália, de uma comunidade estabelecida, que precisa de um lugar de adoração, ser recusada a permissão para construí-la por medo de que outros possam representar uma ameaça", disse o representante da comunidade, Vic Alhadeff.

O Tribunal da Terra e Meio Ambiente do Novo País de Gales do Sul rejeitou o recurso dos Amigos dos Refugiados da Europa Oriental para construir a sinagoga em Bondi, nos arredores de Sydney, que fica perto da popular praia de Bondi.

"As observações gerais são feitas sobre as ameaças terroristas e uma referência específica de ameaça às sinagogas", afirmou o tribunal. "...A Austrália enfrenta uma ameaça contínua de terrorismo "em casa", realizada por apoiantes do ISIS".

O chefe da comunidade judaica local, o rabino Yehoram Ulman, disse que o tribunal estava "premiando o terrorismo".

"Suas implicações são enormes; basicamente, implica que nenhuma organização judaica deve ser autorizada a existir em áreas residenciais", afirmou. "Isso aflige a existência e a atividade judaica em Sydney e, de fato, cria um precedente, em toda a Austrália e, por extensão, recompensando o terrorismo".

Em todo o mundo, a resposta do governo ao terrorismo é quase sempre a mesma: restringir os direitos dos cidadãos privados, ao mesmo tempo que incentiva o fluxo de possíveis terroristas nas fronteiras internacionais.

O governo de Obama já havia levado ainda mais longe financiando e armando "rebeldes moderados" liderados pelo ISIS na Síria, muitos dos quais finalmente chegaram à Europa graças aos defensores da "fronteira aberta", como a chanceler alemã Angela Merkel.

Em um ponto, a Casa Branca de Obama estava tão desesperada para encobrir esse fato que até tentou caracterizar os combatentes da al-Qaeda na Síria como "moderados".

O presidente Trump desde então impediu a ajuda secreta dos militares norte-americanos aos jihadistas.




Via http://www.anovaordemmundial.com e Infowars

Nenhum comentário