Últimas

ESTADO ISLÂMICO: "ESCRAVA DESFLORADA, VENDE-SE, IDADE 13. CORPO: MAGRO, ALTO. PREÇO: 9.000 DÓLARES"



A captura de meninas infiéis e o seu uso como escravas sexuais é um mandamento do Alcorão. De acordo com a lei islâmica, os homens muçulmanos podem tomar "cativas da mão direita" (Alcorão 4: 3, 4:24, 33:50).

O Alcorão diz:

"Ó Profeta! Olha! Nós te oferecemos as tuas mulheres a quem pagastes os seus dotes, e as que a tua mão direita possui, daquelas a quem Alá te deu como despojos de guerra" (33:50). 4: 3 e 4:24 estende este privilégio aos homens muçulmanos em geral.

O Alcorão diz que um homem pode fazer sexo com as suas esposas e com essas escravas:

"Os crentes devem vencer. Aqueles que se humilham em suas orações, que evitam conversas vãs, que são activos em actos de caridade, que se abstêm do sexo, excepto com aquelas que se juntam a eles no vínculo matrimonial, ou (as cativas) que possui a sua mão direita, pois (no caso dessas) são livres da culpa."(Alcorão 23: 1-6)

A violação das mulheres cativas também é sancionada na tradição islâmica:


Abu Sirma disse a Abu Sa'id al Khadri (Alá, ele agradou-lhe): Ó Abu Said, ouviste o Mensageiro de Alá (que a paz esteja com ele) mencionando al-alaz? Ele disse: Sim, e acrescentou: Nós saímos com o Mensageiro de Alá (que a paz esteja com ele) na expedição ao Bi'l-Mustaliq e levámos cativas algumas excelentes mulheres árabes. E nós as desejámos, pois sofremos a ausência das nossas esposas (mas, ao mesmo tempo), nós também desejámos resgate por elas. Então, decidimos ter relações sexuais com elas, mas observando o 'azl (retirar o órgão sexual masculino antes da emissão de sémen, para evitar a concepção).Mas nós dissemos: estamos a fazer um acto enquanto o Mensageiro de Alá está entre nós. Porque não perguntar-lhe?Então pedimos ao Mensageiro de Alá (que a paz esteja com ele) e ele disse: Não importa se vocês não o fizerem, pois toda a alma que tiver de nascer até ao dia da ressurreição, nascerá.(Sahih Muslim 3371)

É também na lei islâmica:

"Quando uma criança ou uma mulher é levada em cativeiro, elas tornam-se escravas pelo facto da captura, e o casamento anterior da mulher é imediatamente anulado." (Umdat al-Salik O9.13)

O xeque egípcio Abu-Ishaq al-Huwayni declarou em Maio de 2011 que "estamos na era da jihad", e isso significava que os muçulmanos devem ter escravos. Numa entrevista subsequente, ele elaborou:

"A jihad é apenas entre muçulmanos e infiéis. Destruições, escravos e prisioneiros só devem ser levados a cabo na guerra entre muçulmanos e infiéis. Os muçulmanos no passado conquistaram, invadiram e assumiram os países. Isto é aceite por todos os estudiosos - não há desacordo sobre isso com nenhum deles, desde o menor até ao maior, sobre a questão de tirar despojos e prisioneiros. Os prisioneiros e os despojos são distribuídos entre os combatentes, e incluem homens, mulheres, crianças, riqueza e assim por diante".
"Quando um mercado de escravos é erguido, é um mercado em que são vendidos escravas e escravos sexuais, que são chamados no Alcorão pelo nome milk al-yamin, "o que a tua mão direita possui" [Alcorão 4:24 ]. Este é um verso do Alcorão que ainda está em vigor e não foi abolido. Os milk al-yamin são os escravos sexuais. Você vai ao mercado, vê a escrava sexual e compra-a. Ela torna-se como sua esposa, (mas) ela não precisa de um contrato (de casamento) ou de um divórcio como uma mulher livre, nem precisa de um wali. Todos os estudiosos concordam com este ponto - não há desacordo de nenhum deles. [...]"

"Quando eu quero uma escrava sexual, eu vou simplesmente ao mercado, escolho a mulher de que eu gosto e a compro-a".



Um dos nossos posts mais lidos de sempre, ilustrado com os vídeos dos autores destas sábias considerações a citarem o Alcorão e a lei islâmica em defesa da escravidão sexual, bem como dos muçulmanos aqui na Europa a exigirem nas ruas as nossas mulheres, filhos e filhas como escravos sexuais (vídeo regularmente CENSURADOS pelos islamofascistas do YouTube/Google):




"Quando eu quero uma escrava sexual, compro-a!"



Na mesma época, em 25 de Maio de 2011, um político do sexo feminino, Salwa al-Mutairi, também se pronunciou a favor da prática islâmica da escravidão sexual de mulheres não muçulmanas, enfatizando que a prática concorda com a lei islâmica e os parâmetros da moral islâmica:

"Um comerciante disse-me que gostaria de ter uma escrava sexual. Ele disse que não seria negligente com ela, e que o Islão o permite. Ele estava a falar a verdade. Eu levei a situação [do homem] aos muftis em Meca. Eu disse-lhes que eu tinha uma pergunta, já que eles são homens que se especializaram no que é halal (permitido pelo Islão) e disse que o homem era bom e que amava as mulheres. Eu disse: "Qual é a lei dos escravos sexuais?"

O mufti disse: "Com a lei dos escravos sexuais, deve haver uma nação muçulmana em guerra com uma nação cristã, ou uma nação que não é da nossa religião, da religião do Islão.Deve haver prisioneiros de guerra".

"Isso é proibido pelo Islão?", perguntei.
"Absolutamente não. Os escravos sexuais não são proibidos pelo islamismo. Pelo contrário, os escravos sexuais estão sob uma lei diferente da mulher livre. A mulher livre deve estar completamente coberta, excepto o rosto e as mãos. Mas a escrava sexual pode ficar nua da cintura para cima. Ela difere muito da mulher livre. Enquanto a mulher livre exige um contrato de casamento, a escrava sexual não - ela só precisa ser comprada pelo seu marido, e é tudo. Portanto, a escrava sexual é diferente da mulher livre".


Um imã do Quebeque declarou recentemente que a decisão que permite as escravas ainda está em vigor.


Robert Spencer/JihadWatch





Via: http://amigodeisrael.blogspot.com.br/

Nenhum comentário