Últimas

TRUMP RETIRA EUA DE ACORDO CLIMÁTICO; UM GRANDE EMBUSTE ECOFASCISTA PARA FINANCIAR O GLOBALISMO

Resultado de imagem para trump acordo climático

Desta vez Donald Trump peitou o sistema globalista e acabou com a brincadeira de ver dinheiro americano financiando esta farsa usada para sustentar a elite globalista e sua agenda nefasta em prol de um Governo Único Mundial. Só de vermos a mídia esquerdista murmurando e chamando a decisão de "retrocesso", sabemos que desta vez Trump acertou em cheio no ego dos ecofascistas da ONU.

'Alterações climáticas' ou 'aquecimento global' é uma das maiores mentiras deste último século!

“É impossível deter as alterações climáticas... O IPCC tem publicado conclusões cada vez mais alarmistas sobre a influência climática do CO2 de origem humana, um gás não poluente que é essencial à fotossíntese (...) as conclusões do IPCC são absolutamente injustificadas... Tentar impedir o clima de se alterar é fútil”. (Carta aberta de 100 cientistas ao secretário-geral da ONU, 14/12/2007)

“Eu já lhe disse cem vezes: o aquecimento global é uma farsa! Esse pânico vai fazer seu percurso. Dentro de 15-20 anos, nós vamos olhar para trás e ver que era uma farsa.” (William Gray, meteorologista pioneiro em furacões: Ken Kayes Storm Center, 02/04/09) 

“Não há evidencia cientifica conclusiva para relacionar o aquecimento global com o que está acontecendo nos glaciares do Himalaia”. O ministro acrescentou que alguns glaciares estão diminuindo num nível “historicamente não alarmante” e contradisse o relatório do IPCC de 2007 segundo o qual eles “poderiam desaparecer completamente pelo ano 2035 se não antes”.  (Jairam Ramesh, ministro do Meio Ambiente da Índia:“The Guardian”, 9.11.09)
----

Donald Trump anunciou que os Estados Unidos da América vão sair do Acordo de Paris, um compromisso assumido em 2015, tendo em vista a redução das emissões de gases com efeito de estufa para conseguir baixar o aquecimento do planeta.


De forma a concretizar o meu solene dever de proteger os americanos, os Estados Unidos vão abandonar o acordo climático de Paris", anunciou Donald Trump.

Mas, na comunicação feita na Casa Branca, esta quinta-feira, revelou também que pretende negociar para "reentrar no acordo em termos que sejam justos para os Estados Unidos". Algo que as maiores economias do continente europeu, em comunicado conjunto, não se mostram dispostas a aceitar.


Os Estados Unidos tentarão fazer uma negociação climática justa", disse Donald Trump.

Apesar da intenção de negociar, Trump assumiu que "a partir de hoje, cessará toda a implementação de elementos não vinculativos do Acordo de Paris", o que inclui "a contribuição para um fundo que está a custar uma vasta fortuna aos Estados Unidos".

Qualquer novo acordo novo precisará de uma repartição equitativa de encargos e responsabilidades pelas nações do mundo", sublinhou Trump, acrescentando que deseja negociar com os democratas para tentar encontrar do que o Acordo de Paris.
Reações

Contra Trump, Alemanha, França e Itália divulgaram um comunicado conjunto, assumindo que o Acordo de Paris não é negociável.


Consideramos o impulso gerado em Paris, em dezembro de 2015, como irreversível e acreditamos firmemente que o Acordo de Paris não pode ser renegociado, pois é um instrumento vital para o nosso planeta, sociedades e economias", refere o comunicado assinando pelo primeiro-ministro Paolo Gentiloni, pelo presidente francês Emmanuel Macron e pela chanceler Angela Merkel.

Também a Comissão Europeia considerou o abandono do Acordo de Paris pelos Estados Unidos como “um dia triste para a comunidade global” e uma “decisão unilateral que se lamenta". Sem, contudo, os responsáveis europeus darem mostras de considerar que o pacto climático tenha ficado ferido de morte com a decisão.


Antes nos galvanizou do que enfraqueceu”, é uma citação de fonte da Comissão Europeia veiculada pela agência Reuters, onde se refere também que, para Bruxelas, o Acordo de Paris continuará e o mundo pode continuar a contar com a Europa para uma liderança global na condução contra as alterações climáticas.

Nos Estados Unidos, Barack Obama, anterior presidente norte-americano, que subscreveu o Acordo de Paris, nem deixou arrefecer a decisão de Trump. Ainda enquanto o seu sucessor falava, fez saber "estar confiante que os nossos estados, cidades e empresas se irão erguer para fazer ainda mais para proteger o único planeta que temos".


A administração Trump está a rejeitar o futuro ao sair do acordo climático de Paris”, diz ainda a declaração escrita de Obama, divulgada pela agência Reuters.



Via http://www.tvi24.iol.pt

Nenhum comentário