Últimas

ÁUDIO DE JOESLEY E TRANSMISSÃO ORIGINAL DA CBN TÊM SEIS MINUTOS E 21 SEGUNDOS DE DIFERENÇA; MANIPULAÇÃO É CONFIRMADA

Resultado de imagem para temer joesley áudio

A gravação da conversa entre o empresário Joesley Batista, dono da JBS, e do presidente Michel Temer é alvo de perícia por parte da Polícia Federal. Nas perguntas enviadas pela defesa do presidente ao Supremo Tribunal Federal, os advogados alegam que no início e no final do grampo é possível ouvir uma transmissão de rádio e perguntam se dá para identificar os horários e o tempo que durou esta transmissão. Já a Procuradoria Geral da República quer saber se há elementos que possam aferir ou estimar a data e a hora do diálogo entre o empresário e o presidente e, caso existam estes elementos, se eles são compatíveis com a linha do tempo do diálogo gravado. A rádio que era ouvida por Joesley Batista é a CBN. Na reportagem que apresentamos agora, fazemos a comparação da gravação do empresário com a programação original da CBN.

DURAÇÃO: 00:06:08



Transmissão da CBN de 22:31:04 a 23:16:03 de 7 de março de 2017

DURAÇÃO: 00:44:59



A íntegra do áudio de Michel Temer gravado por Joesley Batista

DURAÇÃO: 00:38:48





O áudio azul, de cima, é o de Joesley. O marrom, abaixo, é a transmissão da CBN. O trecho marcado no final é a diferença de 6'21' entre os doisCrédito: CBN

André Coelho e Júlio Lubianco

Existe uma diferença de seis minutos e 21 segundos entre o áudio da conversa do empresário Joesley Batista e o presidente Michel Temer, divulgado na quinta-feira, e a programação original da Rádio CBN da noite de 7 de março. É possível identificar no início e no final da gravação de Joesley o som da rádio CBN antes e depois do encontro dele com Temer no Palácio do Jaburu. O total da gravação tornada pública pelo Ministério Público Federal tem 38 minutos e 48 segundos. Após dez segundos de ruído, começa-se a ouvir um trecho da edição do Repórter CBN de dez e meia da noite, apresentado por Tânia Morales. Neste ponto, eram exatamente dez horas, 31 minutos e quatro segundos. Na gravação, é possível constatar que a apresentadora fala "a comercialização de termômetros e aparelhos de pressão que tenham mercúrio. A resolução foi aprovada por unanimidade pela Diretoria Colegiada da Anvisa". 

No final da gravação, depois da conversa com Temer, ouve-se novamente a CBN. Desta vez, ele acompanha o quadro Nos Acréscimos, com Marcelo Gomes, que está falando sobre o número de jogadores que já venceram a Libertadores que os times brasileiros têm em seus elencos. Neste trecho, é possível ouvi-lo falando "O Flamengo tem 5, o Grêmio tem 3, o Santos tem 2, o Botafogo 1" ... e logo após ao ruído, ele conclui, "Galo e Palmeiras além de terem um elenco muito bom, têm um elenco". No momento final, eram exatamente onze horas, 15 minutos e 06 segundos da noite.


A partir da constatação que nas duas pontas da gravação da conversa entre Joesley e Temer há a programação da CBN, nós comparamos a duração do áudio do empresário com o original veiculado pela rádio. Nós usamos um programa profissional de edição da marca Sony, denominado Vegas Pro, em que é possível alinhar diferentes pistas de áudio. E foi o que fizemos. Alinhamos a gravação do áudio do delator com a programação da CBN, de modo que elas coincidissem no início. E o que a gente percebeu é que o tempo decorrido entre os trechos identificados do repórter CBN e do quadro Nos Acréscimos é menor na gravação de Joesley. A gravação do empresário tem 38 minutos e 48 segundos. Descontando os dez segundos iniciais de ruído, são 38 minutos e 38 segundos. Já o trecho da programação da CBN que coincide tanto com o início quanto o final da gravação do empresário tem 44 minutos e 59 segundos. Ou seja, há, uma diferença de seis minutos e 21 segundos a mais no original da transmissão da CBN. Na sexta-feira, uma análise preliminar que usou como base apenas o relatório dos programas, que é um registro manual dos horários dos quadros, tinha indicado que poderia haver coincidência dos áudios. Mas a avaliação do registro técnico mostrou a diferença. No entanto, esta constatação não é suficiente para concluir que o áudio do delator tenha sido editado. Pode haver diferenças relacionadas ao formato de gravação e o equipamento utilizado, que só a perícia da Polícia Federal poderá esclarecer.

Saiba mais: interrupções no áudio podem ser causadas por sensor de ruído, que pausa a gravação quando não detecta som

Nenhum comentário