FRANÇA: 2 ANOS DE CADEIA PARA QUEM CRITICAR O ISLÃ! É O FIM DO OCIDENTE! - Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar

Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar

Últimas

FRANÇA: 2 ANOS DE CADEIA PARA QUEM CRITICAR O ISLÃ! É O FIM DO OCIDENTE!

Resultado de imagem para muslims france aggression

Quando ainda se podia FALAR:
04:09 O que acontece quando os migrantes invadem a casa da minha mãe?
04:13 Chamo a polícia?
04:17 Eles não vêm. Então eu faço o trabalho da Polícia.
04:21 Eu viro-me para os migrantes. Digo-lhes que eu vou buscar a minha arma, para tentar assustá-los,
04:25 mas também para expressar minha raiva. E então sou chamada perante a Lei.
04:29 Eles tiram o meu DNA, as minhas impressões digitais;
4:33 eles tiram-me uma foto. Eu sou classificada como uma criminosa.

4:38 Cá fora, os migrantes apedrejam-me e fazem sinal de que me vão decapitar
04:42 Era assim. Agora, a senhora vai presa.

Por toda a Europa Ocidental, é notória a ânsia dos políticos de esquerda em acolherem muçulmanos. Com o voto dos europeus não conseguem o Poder, que é a única coisa que lhes interessa. Quando confrontados com os malefícios da islamização e com o protesto popular, recorrem à repressão.

Justiça a duas velocidades: Prisão para quem resiste à islamização, simples multas para os anti-semitas...


Em França, já há algum tempo que é assim - quem se opõe ao terrorismo islâmico, vai preso. Veja por exemplo este post:


França - Governo já aplica a Sharia

A justiça francesa acaba de estabelecer a pena de 2 anos de prisão para quem apele à resistência à islamização da França.
No entanto, quando se trata de julgar Soral e Dieudonné, ou outros conhecidos anti-semitas, a "justiça" francesa fica-se pelas multas (que, aliás, nunca são pagas).



Os anti-semitas, islamistas e neo-nazis Alain Soral (ex-comunista) e Dieudonné, têm afrontado a democracia francesa impunemente. Veja o nosso post: Soral e Dieudonné financiados pelo Irão

Boris Le Lay é um anti-semita comprovado desde há muitos anos, e não tenho nenhuma simpatia por ele, embora ele tenha começado recentemente a entender que o islamismo que atinge a França é o mesmo que atinge Israel há tantos anos.

Boris Le Lay foi condenado a 2 anos de prisão por se atrever a apelar à resistência à islamização... Esta condenação mostra que a "justiça" francesa é controlada pelo Governo e funciona a duas velocidades.
A crítica ao Islão político, cujas intenções de domínio global são conhecidas e assumidas, não pode constituir uma ofensa.
E apelar aos franceses para que resistam à islamização não é um crime, mas uma opinião. Ora condenar essa opinião é amordaçar a liberdade de expressão, especialmente quando esta é crítica do Islão.


O laxismo da "justiça" francesa para com o racismo anti-Brancos, para com as forças anti-França, e também para com os pregadores islâmicos que publicam apelos à jihad na Internet, indica que a Justiça obedece a ordens específicas no sentido de impedir a condenação da "diversidade".
Se compararmos as condenações aos anti-semitas reincidentes Soral e Dieudonné, que acabaram condenados a multas que nunca pagaram, torna-se claro que há uma "justiça" de geometria variável, e que em França é melhor para ser anti-semita do que anti-islamista.

No entanto, o anti-semitismo é um crime previsto no Direito francês, ao passo que a crítica do Islão não é, e não deve ser, porque nunca houve lei da blasfémia no Direito francês.
Criticar uma ideologia não deve ser jamais um delito, senão morre toda a liberdade de expressão.
Em contrapartida, difamar os judeus e diabolizá-los apenas porque são judeus, é estigmatizar um povo pelo que ele é, e não por uma ideologia.
Isto não exclui a crítica ao Judaísmo, como sabem bem fazer alguns políticos que questionam o abate ritual dos animais para alimentação.
A França tornou-se o país ocidental mais liberticida sob o governo socialista: são incontáveis os processos movidos contra aqueles que se atrevem a criticar a religião da "paz e amor".



Taubira, Cazeneuve, Valls e Hollande, os Quatro Cavaleiros do Apocalipse Gaulês, ou, na expressão de uma cidadã francesa aterrorizada e ameaçada de morte pelos muçulmanos:

Os Cagalhões Desprezíveis

A Europe Israël não foi excepção, com mais de 15 processos por difamação, não por ter criticado o Islão, mas por ter denunciado o anti-semitismo e anti-Sionismo de eleitos da extrema-esquerda que pertencem ao Partido Comunista, à Frente de Esquerda, ao EELV ... E muitos mais processos são esperados.

Os promotores públicos atiram para o lixo as queixas de anti-semitismo ou ameaças de morte (como as que são feitas ao presidente da Associação Europe Israël e que não merecem nenhuma atenção das autoridades).

No entanto, esses mesmos promotores decidem processar todos aqueles que criticam a ideologia do islamismo político e investigar as reclamações de todos os conhecidos anti-Sionistas, especialmente quando são extrema esquerda eleita: Partido Comunista Francês, EELV, etc ...



Os poucos judeus de França estão a migrar para Israel. Em França, ficam milhões de muçulmanos. Porque cada um deles é um voto à esquerda...

Judeus franceses rumam a Israel

Esta repressão da liberdade da expressão explica porque é que a França caiu para o 41º lugar na liberdade de Imprensa. A França tornou-se o país mais liberticida da Europa.

Esta sentença é um aviso sobre o estado da "justiça" francesa, manipulada por um poder que utiliza a repressão para fins eleitorais: não vejo repressão dos protestatários esquerdistas ou do Nuit Debout, mas sim a proibição sistemática de todas as manifestações anti-Islão ou anti-migrantes ...

© Christian De Lablatinière para Europe Israël







França parece ter escolhido o caminho da submissão ao Islão. Esperemos que Portugal não lhe siga o exemplo.


P.S. - Boris Le Lay, (POST RETURADO PELO LÓBI ISLAMO-ESQUERDISTA, SUBSTITUÍMOS POR OUTRO MAIS ABAIXO) actualmente exilado, fala da sua sentença de prisão de 2 anos, por causa de um post num blog, acerca do Islão:

Marine Le Pen enfrenta a possibilidade de prisão por se ter oposto às preces públicas dos muçulmanos (proibidas pela lei francesa):



Via http://amigodeisrael.blogspot.com.br e Europe Israël

Nenhum comentário