Últimas

ANTES DE CONFERÊNCIA, MINISTRO ISRAELITA APELA AOS JUDEUS DE FRANÇA PARA DEIXAREM O PAÍS


A França organiza a conferência marcada para 15 de janeiro sem israelitas e palestinianos, para reiterar o apoio da comunidade internacional à solução de dois Estados.

"Não se trata de uma conferência de paz mas de um tribunal contra o Estado de Israel", afirmou Lieberman no decurso de uma reunião de deputados do seu partido ultranacionalista de direita. "É uma versão moderna do processo Dreyfus com o Estado de Israel e o povo judeu no banco dos acusados ".

Durante anos, o "caso Dreyfus" - o nome de um capitão do exército francês condenado a pena de prisão por espionagem em 1894 e reabilitado em 1906 - dividiu profundamente a sociedade da época e permanece hoje como um símbolo do antissemitismo.

Paris pretende convidar, no âmbito da conferência, o primeiro-ministro israelita e o presidente palestiniano, mas Benjamin Netanyahu, que recusa qualquer abordagem internacional ao conflito israelo-palestiniano, já rejeitou a ideia francesa de um encontro com Mahmoud Abbas em Paris.

Na sexta-feira a França votou a favor de uma resolução da ONU que condena a construção de colonatos israelitas nos territórios palestinianos ocupados, incluindo em Jerusalém leste. A embaixadora de França em Israel foi convocada ao ministério israelita dos Negócios Estrangeiros na sequência deste voto.

Em simultâneo, Lieberman, que nasceu em 1958 em Chisinau, capital da então república soviética da Moldávia, apelou aos judeus de França para se instalarem em Israel, a "única resposta a esta conspiração", numa alusão à conferência.

Ao evocar os atentados contra alvos judeus em França nos últimos anos e o aumento dos atos antissemitas, o ministro dirigiu-se aos judeus de França: "Se pretenderem permanecer judeus e que os vossos filhos e netos permaneçam judeus, devem deixar a França e instalar-vos em Israel".

"Não é o vosso país, não é a vossa terra, deixem a França e venham para Israel", assinalou.

Cerca de 5.000 judeus franceses imigraram para Israel em 2016, uma redução de 30% face ao ano anterior.

Em 2014 e 2015 os judeus de França forneceram o maior contingente da imigração judaica para Israel, com respetivamente 7.200 e 7.800 imigrantes.






Via http://www.tsf.pt/internacional/interior/ministro-israelita-apela-aos-judeus-de-franca-para-deixarem-o-pais-5572543.html




Nenhum comentário