Últimas

ESTADO ISLÂMICO CRUCIFICA CRISTÃO: “SE VOCÊ AMA JESUS, VAI MORRER COMO ELE”

Resultado de imagem para islamic state crucifixion christian

Um cristão que fugiu de Qaraqosh quando a cidade foi tomada pelo Estado Islâmico (EI) compartilhou como os militantes violentamente crucificaram seu cunhado e forçaram sua esposa e filhos a assistir.

Esam, casado e pai de três filhos, é um dos muitos cristãos que pensam em voltar para casa depois que os jihadistas estejam totalmente eliminados do Iraque. Isso parece mais forte que nunca, após forças internacionais obterem vitórias importantes e já terem livrado muitas cidades do domínio terrorista.

Ele contou à ONG World Watch Monitor que monitora a perseguição religiosa, como a vida de sua família se tornou difícil após os extremistas terem anunciado o início do califado. Aqueles cristãos que não quiseram fugir receberam um ultimato: Abandonar a cidade, converter-se ao Islã, pagar o imposto de proteção (jiyza) ou ser morto.

Todos os que se recusaram a cumprir as exigências do EI tiveram um fim trágico. “O irmão da minha esposa foi crucificado pelo Daesh”, disse Esam, usando o nome árabe do Estado Islâmico. “Ele foi crucificado e torturado na frente de sua esposa e filhos, que foram obrigados a assistir. Disseram que se ele amava tanto Jesus, deveria morrer como Jesus”.

Esam disse que os soldados torturaram seu cunhado das 18h às 23h. Cortaram seu estômago e deixaram as entranhas sair. Depois, atiraram nele e o deixaram pendurado numa cruz, onde morreu.

O sobrevivente afirma que só conseguiram sair muito tempo depois e com a ajuda de uma organização cristã sueca foram para a Europa. Como milhares de outros cristãos iraquianos forçados a fugir de seu país, Esam está atualmente buscando refúgio na vizinha Jordânia.

Um casal de parentes de sua esposa foi sequestrado pelo grupo terrorista, revelou Esam. Até hoje, não se sabe o que aconteceu com o marido, mas ele ouviu dizer que a mulher “agora vive com um dos soldados do EI”, provavelmente como escrava sexual.

Essa é a condição de várias meninas de sua cidade natal. Lembrando que a imprensa só fala sobre as mulheres da minoria yazidi, ele ressalta que conhece muitas meninas cristãs que vivem “como escravas do Daesh”.

Desde 2014, a mídia foi saturada de relatos de militantes do Estado Islâmico torturando e matando cristãos e outras minorias em nome do Islã. Hoje há um silêncio de cumplicidade sobre o assunto. Alguns órgãos de imprensa alegam que não fariam mais “propaganda” do terrorismo. Isso não ajudou em nada a diminuir a intolerância religiosa, mas muitos acreditam que a guerra acabou.

Não é o caso. Há uma década, 35.000 cristãos viviam na cidade Mosul. Agora talvez 20 ou 30 permaneçam. À luz das atrocidades cometidas contra cristãos no Iraque e na Síria, Mark Arabo, líder da Fundação Humanitária de Minorias, está exortando os líderes mundiais para que se unam e garantam que ainda haverá lugar para os cristãos no Oriente Médio, depois do fim do EI.

“O cristianismo precisa voltar a florescer no local onde se originou”, afirmou ele ao The Gospel Herald. Lembrou que o governo dos Estados Unidos e o Parlamento Europeu reconheceram que há um genocídio cristão, mas isso não os fez tomar medidas concretas.

Seu desejo é que tudo mude com administração do presidente Donald Trump. “Precisamos fazer todo o possível para acabar com esse genocídio. Há passos específicos que podemos tomar, pedimos uma mente aberta e coração aberto para ouvirem a nossa demanda”, desabafa.




Por Jarbas Aragão - Gospel Prime

Nenhum comentário