Últimas

MILHARES DE CÃES SÃO MORTOS PARA SEGUIR LEI MUÇULMANA

Resultado de imagem para cães mortos paquistão

O Paquistão é um país de maioria muçulmana e vem testemunhando a radicalização das autoridades nos últimos anos. Por causa da proximidade com o Afeganistão, grupos como Talibã e Al Qaeda possuem bases fortes no país.

O crescimento da perseguição aos cristãos e a imposição das chamadas leis “antiblasfêmia” mostram que a sharia – lei religiosa islâmica – é levada a sério.

Recentemente foi divulgado um relatório da ONG Movimento de Solidariedade e Paz no Paquistão. O documento mostra que, em média, 700 jovens cristãs são sequestradas, estupradas e forçadas a casar com islâmicos a cada ano.

Wilson Chowdhry, presidente da Associação de Cristãos Paquistanês no Reino Unido reclama que a maioria dos cristãos do mundo não parece se importar com a perseguição dos seus irmãos naquela parte do mundo. “Estes déspotas muçulmanos podem sequestrar meninas cristãs, sabendo dessa impunidade, e não há nenhum tipo de pressão internacional sobre Paquistão por causa disso”, desabafou.

Ao mesmo tempo, um movimento internacional demonstra sua indignação com a maneira como o Paquistão trata os cachorros. Um vídeo divulgado no final de agosto denunciou a matança de milhares de cães na cidade de Karachi. O envenenamento dos animais foi patrocinado pela prefeitura.


Oficialmente, a justificativa é que o governo local desejava reduzia a superpopulação de cães de rua, numa região onde existem muitos ataques caninos a humanos. Essa não é a primeira vez que a medida extrema é tomada, mas a polêmica cresceu em 2016 por conta das ações de grupos que defendem os direitos dos animais.

Segundo o entendimento de alguns segmentos que defendem a sharia, cães são “nocivos” e não podem conviver com os seres humanos. Por isso, em diversos países fazem campanhas para que os animais sejam proibidos de circular em espaços públicos, por serem considerados “impuros”.

Na Inglaterra, por exemplo, há uma tentativa de proibir a circulação dos pets em locais onde a maioria da população é islâmica. A alegação deles é: “Manter a pureza dos espaços públicos permite que os muçulmanos continuem puros e sem nódoas”.

Lei religiosa

Embora o Alcorão mencione os cachorros duas vezes, seu conteúdo não pede o extermínio. O que faz muitos muçulmanos se oporem a criá-los como animais de estimação são antigas “hadits”, relatos da tradição que possuem grande importância.

Uma delas fala sobre um suposto evento onde o anjo Gabriel não se encontrou com o profeta Maomé porque havia um filhotinho na casa. O anjo teria dito: “Não entramos em uma casa onde há um cachorro ou uma imagem”.

Em uma passagem atribuída a Maomé, ele teria ordenado que os cães fossem mortos. Contudo, seus seguidores que usavam animais para caçar ou cuidar dos rebanhos protestaram. Então foi permitido que se possuísse cachorros apenas para caça e proteção.


Por Jarbas Aragão - Gospel Prime

Nenhum comentário