Últimas

CRIANÇA DE 4 ANOS MUDARÁ DE SEXO NA AUSTRÁLIA, COM APOIO DO GOVERNO

A four-year-old child who identifies as transgender has begun to transition before their first day of kindergarten (stock image)
Uma criança de quatro anos de idade começou o processo de “transição” para mudar de sexo na Austrália. Ela se tonou o símbolo de uma ampla discussão no país sobre até que ponto os pais devem interferir nas escolhas de crianças que ainda estão no jardim de infância.

Existe um crescimento assustador no número de menores de idade que buscam apoio para lidar com questões de sexualidade nas escolas de ensino primário australianas. No hospital onde esse caso é tratado, há 250 crianças sendo assistidas pela “unidade de disforia de gênero”. A mais nova tem apenas três anos.

Nos últimos anos os encaminhamentos para serviços que cuidam de questões de gênero triplicaram, e estão “aumentando rapidamente”, segundo o jornal Daily Telegraph.

O diagnóstico preliminar da maioria é “disforia de gênero”, um desconforto com o sexo do nascimento e um sentimento de inadequação no papel social deste gênero. Para que a criança seja atendida, é necessária uma decisão dos pais, já que a legislação do país só autoriza a mudança de sexo a partir dos 18 anos.

No início de 2015, uma menina de 9 anos obteve autorização legal, quando até então apenas adolescentes tinham obtido permissão. O caso da criança de 4, que não teve nem o nome nem o sexo revelado, já está gerando uma onda de pedidos para que a legislação seja revista.

Muitos psicólogos questionam se não é muito cedo para alguém iniciar a “transição”, que inclui acompanhamento psicológico e tratamento hormonal. Essa é a primeira polêmica do programa de governo “Escolas Seguras”, que serviria, entre outras coisas, para combater o preconceito e promover a inclusão.

Gregory Prior, vice-secretário de operações escolares do Departamento de Educação, explica que a escola usou recursos do programa público para ajudar os professores a acompanhar a criança. Ele confirmou que a decisão foi tomada por que a criança “se identificou como transgênero”. Ou seja, todo o processo está sendo supervisionado e, de certa forma, promovida pelo governo.
A coisa certa?

Catherine McGregor, conhecida advogada de causas LGBT no país, afirmou que as crianças “tendem a fazer a coisa certa quando sentem que estão no corpo errado”. Ao mesmo tempo, diz que é preciso haver controles adequados para assegurar que não ocorram erros prematuros. “Penso que 4 [anos] é muito cedo para qualquer apoio oficial”, resumiu.

O renomado psicólogo infantil Michael Carr-Gregg confirmou que existe 250 crianças sendo assistidas na unidade que trata da disforia de gênero no Hospital Infantil Royal, em Melbourne. Uma década atrás, havia apenas uma criança pedindo ajuda, compara.


The Royal Children’s Hospital.

Segundo ele, “pesquisas indicam que 2,7% das crianças se enquadram nesta categoria”. Assegura que a tendência é elas sofrerem bullying constante na infância, sendo que muitas cometem suicídio durante a adolescência pois foram “forçadas a viver desse jeito, em negação”.

Curiosamente, a única igreja a se pronunciar sobre o caso até agora foi a Comunidade de Cristo Porta Aberta, em Cranebrook. A pastora Susan Palmer, que é lésbica e lidera a congregação voltada para a comunidade LGBT, declarou não ver problema que a criança receba acompanhamento logo que a questão seja detectada.

“A maioria dos meus conhecidos que fizeram a transição sabiam desde muito cedo que algo não estava bem, como se a mente e o corpo não estivessem em sintonia”, sublinhou.

“Uma criança é fortemente influenciada por seus cuidadores e sei que os pais podem ficar excessivamente preocupados. Eles realmente podem coagir ou influenciar as crianças quando tudo que elas estão fazendo é apenas explorar algo que não está indo na direção que eles realmente gostariam.”Com informações Daily Mail

Assista reportagem (em inglês):


Por Jarbas Aragão - Gospel Prime

Nenhum comentário