Últimas

"PREPAREM-SE PARA A GUERRA", AVISA RELATÓRIO MILITAR RUSSO


Um sinistro relatório oficial do Ministério de Defesa Russo que circula no Kremlin hoje, incluiu em sua ordem um novo exercício maciço de defesa aérea na base aérea militar de Erebuni, na Armênia, com um aviso aos principais comandantes dizendo-lhes "preparem-se para a guerra" e observando o que o Presidente Obama deixou a cargo de qualquer das tropas ou da própria Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), que atualmente continuam a concentração em massa com dezenas de milhares de tropas na Frente Ocidental.

De acordo com este relatório, graves questões surgiram quando o Presidente Obama rejeitou na terça-feira (28/06) o acordo proposto pela Rússia para uma Aliança contra os terroristas do Estado Islâmico na Síria, onde o principal general do Exército Britânico anunciou em uma conferência anual que a prioridade máxima era impedir e, se necessário, derrotar a Rússia em uma guerra.


Na busca de esclarecimentos ao governo Obama, a OTAN e ao Pentágono sobre o que exatamente essas políticas contraditórias dizem, este relatório continua dizendo que nenhuma resposta foi ainda recebida a respeito de que se o Ocidente quer lutar e destruir os terroristas islâmicos, ou continuar o planejamento uma guerra contra a Rússia.

Quanto ao por que do Ocidente querer uma guerra com a Rússia, os especialistas dizem que é devido à ousadia do presidente Putin de enfrentar os EUA e a UE que derrubaram o presidente eleito da Ucrânia e os líderes do golpe que imediatamente lançaram uma guerra cruel contra seus próprios cidadãos ucranianos russos étnicos no leste, matando milhares de pessoas e desencadeando regimentos neo-nazistas, como o Batalhão Azov sobre aqueles que ousaram resistir. Em janeiro passado, o governo Obama ainda levantou a proibição de financiamento a estes loucos neo-nazista.


E a maior afronta do presidente Putin ao Ocidente, este relatório continua, era seu permitindo que os cidadãos da Criméia para escolher por si próprios quem queria ser parte de e que esmagadoramente optar por se reunir com a Federação.

Nos últimos dois anos, desde que os moradores da Crimeia foram autorizados a escolher seu próprio destino, os líderes de elite dos EUA e da UE têm introduzido terror aos seus cidadãos que, da mesma forma, anseiam por sua liberdade. Nesta última semana William Galston disse no Conselho Europeu de Relações Exteriores: "percebi que as apostas na eleição presidencial dos EUA são ainda mais elevadas do que eu pensava. O destino de toda a ordem do pós-guerra está na balança, e com ela as perspectivas para toda a democracia no mundo. Sem a liderança americana, as perspectivas não são boas." - E, pior ainda, no Conselho de Relações Exteriores, James Traub fez um chamado as elites a se levantar contra massas ignorantes".


Especialistas do MoD notaram que a "democracia a nível mundial" a ser defendida por estas elites ocidentais contra as "massas ignorantes" não tem nada a ver com deixar as pessoas escolherem ou votarem sobre o seu próprio destino nacional, mas é sim uma "globalização" a visão que está sendo imposta sobre eles e é evidenciada pela Alemanha, França e outros países europeus prometendo nunca deixar seus cidadãos votarem se eles devem sair da UE ou não.

O relatório continua falando sobre os demasiados movimentos de tropas incluindo os jogos massivos de guerra atualmente sendo conduzidos pelos EUA e pela OTAN na Ucrânia, a sua continuação para enviar tropas ocidentais no Báltico, e o crescente níveis de tropas na Europa Oriental 13 vezes maiores nos últimos dois anos.

Dmitry Peskov, porta-voz do Kremlin, advertiu mais que "a contínua expansão da OTAN mina as bases de segurança da Europa, sacode a estabilidade no continente europeu e causa danos aos interesses nacionais dos Estados membros da OTAN", e o próprio Presidente Putin afirmou: "Estamos sendo acusados de realizar alguma atividade militar. Onde? Em nosso próprio território? "- Especialistas do MoD disseram que o Estado Islâmco já matou mais de 1.200 pessoas em seus ataques globais só nos últimos dois anos, os EUA e a OTAN têm investido bilhões de dólares para preparar-se para um ataque fantasma da Rússia em vez de lutar contra aqueles que estão realmente matando seus cidadãos.


As elites ocidentais estão enfurecidas contra o Presidente Putin por se atrever a deixar os povos da Crimeia escolher a sua própria liberdade. O novo líder militar da Otan, o general do exército americano, Curtis Scaparrotti, afirmou que a aliança tinha que estar pronto para "lutar hoje à noite" contra a Rússia e, ao mesmo tempo, o presidente Obama quadruplicou os gastos militares na Europa na sua proposta de orçamento no início deste ano, para US $ 3,4 bilhões, e um de seus principais generais, Philip Breedlove, até recentemente o comandante supremo das forças da OTAN na Europa, plotados em privado com o Departamento de Estado de Hillary Clinton para vencer a relutância do presidente Obama para escalar as tensões militares com a Rússia.

Nas próximas semanas acontecerá na Polônia a cúpula da OTAN, sendo a maior da história da OTAN com a participação de 2.500 funcionários de 58 países membros e não membros da OTAN, Banco Mundial, ONU e União Europeia.

Este relatório adverte severamente que os planos finais das elites ocidentais para desencadear uma invasão contra a Rússia irá, sem dúvida ser finalizados. Muitos especialistas tem advertido que culminará em uma guerra Nuclear.

Este relatório conclui curiosamente, observando que os cidadãos comuns do Ocidente têm sido tão deseducados que não estão a prestando atenção aos muitos avisos históricos dados a eles sobre seus governantes elitistas e os verdadeiros objetivos e visões. Antes da II Guerra Mundial, o famoso autor americano Garet Garrett avisou dizendo: "entre o governo, no sentido republicano, isto é, Constitucional, representante, o governo limitado, por um lado, e do Império, por outro lado, não existe inimizade mortal. Ou deve-se proibir o outro ou um vai destruir o outro. Que sabemos. No entanto, nunca foi a escolha foi submetida a voto do povo. "

Nota do editor: Alguém se lembra a última vez que os alemães e os americanos tentaram impor "união" sobre os europeus? A Rússia certeza que sim! Mais de 20 milhões de seus cidadãos mortos não vão deixá-los esquecer disso.

Via Últimos Acontecimentos e UND

Nenhum comentário