Últimas

CIENTISTAS AMERICANOS ESTÃO TENTANDO CRIAR EMBRIÕES COM PARTE HUMANA E PARTE ANIMAL, TAMBÉM CONHECIDOS COMO QUIMERAS


Que coisa horrenda! É o fim dos tempos mesmo!


Um pequeno grupo de cientistas nos Estados Unidos estão tentando criar embriões que possuem parte humana e parte animal, também conhecido como quimeras.

Quimera é um termo para uma criatura mítica grega que consiste em parte leão, parte cabra e parte cobra. Nos tempos modernos, o termo tem sido utilizado para descrever um único organismo composto de células de diferentes zigotos.

O Instituto Nacional de Saúde (NIH) cortou o financiamento para este tipo de pesquisa, pelo menos temporariamente, em setembro passado. Funcionários da NIH disseram que precisam para analisar a ciência e as implicações éticas por trás desta tecnologia antes de avançar.

Misturando espécies

As experiências envolvem a inserção de células-tronco humanas em florescentes embriões de outras espécies, gerando, assim, quimeras. Na realidade, os investigadores têm criado quimeras humanas, pelo menos em parte, por anos. Por exemplo, os cientistas já estudam ratos com tumores humanos para compreender melhor o câncer.

O que faz a pesquisa recente único é que isso implicaria na inserção de células-tronco humanas em embriões de animais não-humanos durante os primeiros estágios do desenvolvimento embrionário.
"A edição especial aqui com células-tronco é que esses tipos de células humanas são tão poderoso e tão elástica que há uma grande preocupação sobre o grau em que os animais podem se tornar humanizado", explicou Insoo Hyun, especialista em bioética da Case Western Reserve University, em um artigo para NPR.

A motivação por trás da pesquisa é produzir quimeras que poderiam abrir caminho para novos tratamentos para doenças humanas. Por exemplo, os cientistas poderiam usar a tecnologia para desenvolver modelos animais mais eficientes, durante o estudo de doenças em laboratório.

Considerações éticas

No entanto, quimeras embrionárias são uma questão controversa, o que provoca uma série de preocupações biológicos e morais. De acordo com Françoise Baylis, especialista em bioética da Universidade de Dalhousie em Nova Scotia, Canadá, criando criaturas que possuem parte humana e parte animal é errado porque, "iria introduzir confusão moral inexorável em nossos relacionamentos existentes com animais não-humanos, e em nossas futuras relações com parte-humanos híbridos e quimeras. "

A razão que as quimeras são um tema tão controverso é porque nós tratamos os seres humanos de forma diferente do que nós tratamos os animais. Embora nós também somos parte da teia da natureza e devemos agir em conformidade, o que torna os seres humanos únicos é que somos agentes morais.Sempre que um leão captura e come uma gazela, ele não assassina a gazela, ele mata a gazela.

Com a criação de criaturas que tem parte humana e parte não-humana, no entanto, a linha moral que divide as duas espécies é borrada.

Outro problema com quimeras é que as células humanas podem acabar nos cérebros de animais. As quimeras podem se tornar muito semelhantes aos humanos, eventualmente com capacidades mentais humanas. Embora a probabilidade de um animal adquirir a consciência a par com as pessoas é baixa, é uma possibilidade que não pode ser varrida para debaixo do tapete.

"Nós não estamos perto da ilha do Dr. Moreau, mas a ciência se move rápido", disse NIH eticista David Resnik em uma reunião em Maryland. "O espectro de um rato inteligente preso em um laboratório em algum lugar gritando: 'Eu quero sair" seria muito preocupante para as pessoas ", acrescentou.

Nenhum comentário