Últimas

BILDERBERG: MISTERIOSA CONFERÊNCIA REÚNE ELITE MUNDIAL NA ALEMANHA


Encontros secretos da Conferência de Bilderberg alimentam teorias da conspiração: tudo o que é dito nos debates entre monarcas, políticos, diplomatas e economistas é segredo, e presença da imprensa é proibida.

Dresden será, nesta semana, palco de um encontro controverso: a Conferência de Bilderberg, onde cerca de 130 tomadores de decisão da política, economia, ciência, defesa e mídia discutem a portas fechadas sobre os acontecimentos mundiais, numa reunião que, devido ao secretismo com que é tratada, alimenta teorias conspiratórias.

A misteriosa cúpula de Bilderberg acontece a cada ano num local e num país diferente. Em 2016, será no Hotel Taschenberg, no centro da cidade alemã de Dresden, entre esta quinta-feira (09/06) e o domingo. Entre os convidados, nomes de peso, como o ex-secretário de Estado americano Henry Kissinger, a chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI) Christine Lagarde e o rei Willem-Alexander da Holanda.

Apesar de convidados, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, e seu vice, Sigmar Gabriel, se recusaram a participar da rodada. Mas ministros como Ursula von der Leyer (Defesa) e Wolfgang Schäuble (Finanças) estarão representando o país anfitrião.

Apesar de os convidados e os temas terem sido divulgados - eles vão de Rússia a segurança na internet - os participantes da Conferência de Bilderberg estão sujeitos a regras especiais. A principal delas se chama "regra de Chatham House", de 1927, que demanda sigilo absoluto por parte de cada membro da conferência sobre conteúdo de conversas e declarações de palestrantes.

Por esse motivo, a reunião fechada de poderosos é motivo de críticas contínuas por sua falta de transparência. Os organizadores e os participantes, no entanto, afirmam que a reunião é um das raras ocasiões para se falar abertamente entre tomadores de decisões globais. Pois a cobertura pela mídia é proibida, embora jornalistas sejam convidados regularmente.

O pouco que sabe sobre o encontro de Bilderberg não suscita muito interesse. Ali há explicações e debates em blocos de 90 minutos. Segundo informações de um participante, há três anos, no The Grove, um luxuoso hotel londrino, não havia "nada de especial" nos intervalos: típica comida de bufê, e o vinho saía por conta do próprio convidado.

Berço do euro?

Entre vinho branco e rosbife, o que está em jogo, normalmente, é nada menos que a salvação do mundo, ou ao menos soluções para problemas globais. Segundo o livro de memórias do ex-embaixador americano na Alemanha George McGhee, a Conferência de Bilderberg foi fundamental para a elaboração do Tratado de Roma, um pré-estágio da atual União Europeia.

Étienne Davignon, empresário belga e presidente honorário do seleto encontro, afirmou ter vivenciado até mesmo a criação do euro nesta rodada sobre a qual se levantam sempre novos questionamentos. Quem estava por trás da crise do petróleo em 1973? Como foi possível a Reunificação alemã? Bilderberg é um prato cheio para os teóricos da conspiração.

Desde o inicio, a conferência está na mira de críticos, que tentam interpretar o que estaria no cerne da exclusiva reunião. O sociólogo da mídia Rudolf Stumberger afirma que o nobre círculo faria parte de uma tendência rumo a uma tentativa de refeudalização. E o cientista político holandês Kees van der Pijl avalia que os interesses ali representados pouco tem a ver com democracia. Segundo ele, já se escuta há anos que o encontro de Bilderberg é um "evento absolutamente pré-democrático".

Durante as mais de seis décadas de existência, no entanto, o círculo secreto parece não ter perdido a atratividade. "Fraternizar com algumas das pessoas mais importantes do mundo", escreveu o ator britânico Ian Richardson em 2011, "funciona como um afrodisíaco psicológico."

Parece ter sido o caso da primeira reunião, em 1954. O lugar da première e que deu nome ao encontro foi do Hotel de Bilderberg, em Oosterbeek, na Holanda. Durante os primeiros 20 anos, a nobre conferência foi dirigida pelo príncipe Bernhard, marido da então rainha Juliana. Ele teve que renunciar ao cargo devido a um escândalo de corrupção em torno da empresa Lockheed, com a qual ele também estava envolvido.

Esse é um argumento clássico e uma evidência para os críticos, que colocam os participantes da conferência sempre sob suspeita geral: a de que a reunião não passa de uma oportunidade para estreitar os laços entre política e interesses econômicos.

Via: DW e Últimos Acontecimentos

Nenhum comentário