Últimas

DILMA DESABAFA: 'DENTRO DE 90 DIAS TALVEZ EU NÃO ESTEJA MAIS AQUI'

Lucas Jackson

De acordo com informações do jornalista Lauro Jardim, do jornal O Globo, em nota publicada neste domingo, 27, a presidente da república Dilma Rousseff teve uma reunião recente com o presidente de um partido de sua base aliada. A conversa, é claro, também tratou do atual clima de crise econômica e política que passa o país. A líder política do Brasil teria dito então a seguinte frase: "dentro de 90 dias talvez eu não esteja mais aqui". Esse é justamente o período máximo que analistas acreditam que a companheira de Luiz Inácio Lula da Silva aguente no poder. A maioria, no entanto, dá um tempo menor, acreditando que antes de maio Dilma caia, especialmente se no processo de impedimento não tiver nenhuma intervenção judicial, que possa atrapalhar o andamento deste.

As aspas publicadas pelo colunista de 'O Globo', é claro, não foram confirmadas pelo Palácio do Planalto, nem devem ser, afinal, foi uma fonte do jornalista quem passou que ela teria dito a declaração surpreendente. O governo federal teme que com a saída do PMDB, outros partidos da base aliada possam fazer um efeito dominó, anunciando consequentemente que também não irão mais apoiar a presidente da república no processo de impeachment. A tendência é que o movimento pró-impeachment fique cada vez mais quente, até porque a votação da Câmara dos Deputados pretende ser aberta, ou seja, deputados, um por um, irão anunciar voto a voto.

Com a pressão popular, muitos não querem ficar mal com os eleitores. Por isso, o temor do governo. Com o feriadão de Páscoa, Dilma teve mais tempo para pensar em suas explicações para os deputados. Ela ainda tem mais seis sessões da Câmara para fazer sua primeira defesa contra o impedimento. Se todas as sessões ocorrerem normalmente nos próximos dias, a defesa pode ser feita até, no máximo, o dia quatro de abril. Há quem estimule que Rousseff faça isso até antes, porque quanto mais tempo ela demore, mais o caos fica claramente estabelecido. A presidente, no entanto, acha que ainda tem condições de reverter esse movimento.

Via: http://br.blastingnews.com/ e O Globo

Nenhum comentário