Últimas

OPOSITORES: PAPA FRANCISCO RECEBE MACRI COM GESTOS FRIOS NUM ENCONTRO DE SÓ 22 MINUTOS


Quando se trata de comunistas, como os petistas do Brasil, ou os chavistas da Venezuela, ou os irmãos Castro de Cuba, Bergoglio é só alegria e descontração... mas quando é para se encontrar com alguém de direita ou liberal, sua personalidade muda da "água para o vinho"...
---

Os dois argentinos mais importantes e poderosos, o papa Francisco e o presidente Mauricio Macri, enfim celebraram seu primeiro encontro no Vaticano. Macri viajou a Roma para aplainar uma relação com o Papa que parecia complexa já antes de sua chegada ao Governo. Mas os gestos indicam que as coisas saíram pior que o esperado. O encontro durou apenas 22 minutos, o rosto de Francisco era muito sério, frio. Segundo o presidente, o Papa confirmou que também não viajará à Argentina em 2016, mas garante que o fará “o mais breve possível”. Francisco está percorrendo o continente desde que é Papa – Brasil, Paraguai, Bolívia, México –, mas até agora evitou seu país.


Existem dois fatores que medem o índice de cordialidade dos encontros do papa Francisco com os mandatários estrangeiros. Um é seu rosto durante o tradicional intercâmbio de presentes. O outro, a duração do encontro privado. E, nesta ocasião, os dois fatores falam de um encontro frio, especialmente em se tratando de um Papa argentino e o presidente de seu país. Comparem-se o rosto e as brincadeiras de Jorge Mario Bergoglio com Barack Obama, Raúl Castro ou mesmo na última audiência com o rei Juan Carlos, e sua atitude diante de Mauricio Macri. Um rosto sério, comedido, sem nenhum indício de cumplicidade ou as brincadeiras que já fazem parte da estratégia do primeiro Papa latino-americano para propiciar o diálogo até com quem – do ponto de vista religioso, cultural ou político – está mais distante de suas convicções.

Os argentinos veem, há três anos, uma cara de Jorge Bergoglio que não conheciam. Um Francisco risonho, entusiasta, sempre sorridente, feliz. Quando era arcebispo de Buenos Aires, o Papa aparecia em público quase sempre mal-humorado, duro, em combate permanente para defender suas ideias. O comentário mais recorrente na Argentina assim que começaram a ser divulgadas imagens do encontro do Papa com Macri é que havia voltado aquela expressão dura, séria, distante. O presidente argentino insistiu que a reunião tinha sido “muito boa”, mas ele e seu principal assessor, o equatoriano Jaime Durán Barba, sabem melhor que ninguém que a política moderna é feita com imagens e a que ficará é esse gesto de Francisco.

“Bom dia, senhor presidente”, foi o cumprimento do Papa, ao que Macri respondeu: “Como vai, Francisco? É um prazer”. A seguir se dirigiram à biblioteca do Palácio Apostólico, onde permaneceram 22 minutos. O verdadeiro conteúdo da conversa não costuma ser revelado, mas alguns mandatários – como no caso de Macri – costumam comentar alguns detalhes com a imprensa. O presidente argentino disse que Bergoglio pediu que tivesse “paciência” à frente do Governo da nação, e que não hesitasse na hora de enfrentar os dois principais problemas da Argentina: “O narcotráfico e a corrupção”.

Segundo a sala de imprensa do Vaticano, que em geral não dá muitos detalhes sobre esse tipo de encontro, durante o transcurso da conversa, qualificada como “cordial”, foram abordados temas “de mútuo interesse”, entre eles “a ajuda ao desenvolvimento integral, o respeito aos direitos humanos, o combate à pobreza e ao narcotráfico, a justiça, a paz e a reconciliação social”. Temas talvez muito numerosos e graves para serem tratados em 22 minutos.

Entre as pessoas próximas ao Papa se insiste muito nas últimas semanas que Bergoglio está farto de ser utilizado politicamente na Argentina, como fez Cristina Kirchner, que o visitava com qualquer desculpa porque as fotos com ele caíam bem, e quer ter com Macri uma relação mais profissional, de chefe de Estado a chefe de Estado, sem mais. Portanto já se sabia que seria um encontro mais protocolar. Mas ninguém esperava uma frieza tão evidente.

Os kirchneristas não tardaram em usar as imagens para apontar que o Papa mandou uma mensagem crítica ou de desconfiança em relação a Macri, que vem adotando medidas duras como um forte aumento da energia elétrica e, ao mesmo tempo, tenta limitar os aumentos salariais para controlar a inflação, o que tem gerado uma enorme inquietação entre as classes popular e média pela perda de poder aquisitivo ante uma inflação disparada.

Macri descartou implicitamente este tipo de interpretação e insistiu que o Papa e ele concordam em alguns pontos da agenda básica. “Francisco insistiu na unidade”, afirmou. O macrismo tenta convencer o Papa a apoiá-lo porque os três eixos que definiu como objetivos estratégicos são os mesmos que Bergoglio sempre defendeu: pobreza zero, combate ao narcotráfico e unidade. Macri queria que a viagem a Roma servisse para desfazer o mito de sua má relação com o Papa, que ele desmente toda vez que lhe perguntam. Mas as imagens que chegaram a todos os argentinos servirão, sobretudo, para consolidar essa ideia.

Via: El País

Nenhum comentário