Últimas

“VENDAM TUDO”, DIZ ROYAL BANK OF SCOTLAND ALERTANDO PARA UM “APOCALIPSE” NO MERCADO


“Acreditamos que os investidores devem ter medo”; apenas uma das diversas frases atemorizantes que o banco inclui no seu research.

SÃO PAULO – “Acreditamos que os investidores devem ter medo”. Investidor nenhum quer ler esta frase em um relatório de investimentos, mas foi justamente o que escreveu o Royal Bank of Scotland. A instituição avisou em relatório aos seus clientes que 2016 vai ser um ano “cataclísmico” para os mercados e para a economia mundial. Segundo os analistas do banco, os investidores deveriam “vender tudo”, exceto títulos muito seguros, como de dívida pública alemã e norte-americana.

A tempestade perfeita, de acordo com o research, está se aproximando e as condições para o mercado hoje são semelhantes às que antecederam a quebra do Lehman Brothers em 2008. O Royal Bank tem um call de severo dowside para o mundo, que, de acordo com o analista Andrew Roberts, autor do relatório, está indo muito bem, e isso é péssimo. “O fato de que estamos indo bem é muito perigoso para todos os investidores do mundo”, afirma, explicando que colocaram um resultado negativo no ano por vir por conta dos riscos muito altos e massivamente não precificados. A maior parte destes riscos, segundo ele, está efetivamente se tornando realidade.

Para a instituição, as ações e a maior parte dos títulos de dívida dos EUA já não são ativos seguros e objetivo agora não é obter lucro do capital investido, mas recuperar esse capital. “Numa sala cheia de gente, as portas de saída nunca são suficientemente grandes”, disse o analista. Para ele, deve haver um movimento de saída em massa dos mercados este ano.

Entre as previsões do relatório, diz-se que por causa da correção na China, o petróleo irá para US$ 16 o barril e que os mercados acionários mundiais cairão 80%. Só as ações europeias e norte-americanas, diz o Royal Bank of Scotland, podem cair 10 a 20%, com o inglês FTSE a derrapar talvez ainda mais, por estar mais exposto ao desempenho das empresas petrolíferas.

O Royal Bank of Scotland dispara ainda contra o Federal Reserve, acusando a autoridade monetária dos EUA de “brincar com o fogo” ao elevar as taxas de juros, as Fed Fund Rates, justo no momento de aproximação da suposta “tempestade” apontada pelo banco.

Por fim, sobre a China, o RBS diz ter bastante medo do que ocorre no país, com a equipe de análise do banco profundamente cética a respeito do consenso que tomou conta do mercado de que as autoridades chinesas podem “ganhar tempo” com intervenções econômicas de larga escala.

Via: InfoMoney

Nenhum comentário