Últimas

ESTUDO: O CRISTIANISMO ESTÁ MORRENDO NA GRÃ-BRETANHA, APENAS O ISLÃ CRESCE


Muito conhecido por sua indiferença à religião, a Grã-Bretanha continua a se tornar cada vez menos religiosa, com um recorde de 46 por cento da população adulta do Reino Unido agora defendendo religião alguma.

Um novo estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Lancaster revela que apenas 42 por cento dos britânicos se identificam como cristãos, apesar do fato de que a Inglaterra continua a ser uma das últimas nações cristãs confessionais no mundo, com a Comunhão Anglicana que goza do estatuto oficial como a religião do Estado.

A Grã-Bretanha, na verdade, é uma de apenas um punhado de países no mundo que está rapidamente se deslocando de ter uma maioria cristã para uma maioria ‘sem religião’, apenas com a fé muçulmana contrariando essa tendência para a implosão.

Enquanto a Igreja da Inglaterra está apenas “uma geração longe da extinção”, como Lord Carey, o ex-arcebispo de Canterbury, advertiu no início deste ano, o Islã está rapidamente chegando a frente para tomar o seu lugar.

Durante os últimos dois anos, a Igreja da Inglaterra perdeu dois milhões de seguidores, enquanto que o número de muçulmanos na Grã-Bretanha cresceu um milhão, de acordo com a Pesquisa de Atitudes Sociais Britânica da NatCen.

Em 2012, Maomé tornou-se o nome mais comum dado a bebês nascidos em Londres e o segundo mais comum entre os bebês do sexo masculino nascidos em todo o Reino Unido e País de Gales.

A tendência para a irreligiosidade e a islamização tem despertado a atenção e o medo de muitos britânicos, mesmo entre o grupo menos provável: os “ímpios”. Mesmo o notável proselitista ateu Richard Dawkins expressou a sua preocupação de que a perda Britânica de sua fé cristã pode não ser uma coisa tão boa.

Em um texto compartilhado em mídias sociais, Dawkins admitiu que o cristianismo pode ser a melhor defesa do Ocidente contra as formas aberrantes de religião que ameaçam o mundo.

“Não há cristãos, tanto quanto eu sei, explodindo edifícios”, disse ele. “Não tenho conhecimento de quaisquer ataques suicidas cristãos. Não tenho conhecimento de qualquer grande denominação cristã que acredita que a pena para a apostasia é a morte”.

“Eu tenho sentimentos mistos sobre o declínio do Cristianismo”, Dawkins acrescentou, “na medida em que o cristianismo pode ser um baluarte contra algo pior”.

O novo estudo, que entrevistou 1.500 pessoas, revela uma queda vertiginosa na filiação religiosa em um tempo muito curto. Apenas três anos atrás, uma pesquisa similar constatou que 37 por cento da população britânica não tinha religião, ao passo que o estudo de 2016 indica um valor de 46 por cento, um aumento notável de quase 25 por cento.

“Nenhuma religião é a nova norma, e não há qualquer indicação de que a sua participação maioritária vai continuar a crescer”, disse Linda Woodhead, professora de sociologia da religião na Universidade de Lancaster. “Em termos de educação, nenhuma religião é particularmente a regra. Podemos ver que 95 por cento das pessoas com uma educação ‘sem religião’ retém essa identidade, enquanto 40 por cento das pessoas com uma educação cristã perdem uma identidade cristã”.

“Costumava ser muito comum que as pessoas se identificassem com a Igreja da Inglaterra, simplesmente porque eles eram Inglêses”, disse Woodhead, “mas agora eles estão mais para pensar em si mesmos como não tendo religião”.

Os resultados da pesquisa também indicam uma correlação significativa entre a idade e a religiosidade, com a maioria dos mais de 60 anos dizendo que eles eram cristãos, enquanto 56 por cento das pessoas com idade inferior a 40 disseram não ter religião.

Um em cada três muçulmanos na Grã-Bretanha tem menos de 15, no entanto, e há menos muçulmanos idosos, com apenas 4 por cento com idade superior a 65 anos, em comparação com 16 por cento da população total.

Como a religião que mais cresce no mundo, se espera que o Islã passe o cristianismo até o fim do século e o número de muçulmanos vai crescer duas vezes mais rápido que a população do mundo a partir de agora até 2050, de acordo com o Pew Research Center.

Via: http://dcvcorp.com.br/

Nenhum comentário