Últimas

ENCOBERTA MACIÇA RADIAÇÃO DE FUKUSHIMA ENQUANTO CIENTISTAS DIZEM QUE “ESTÁ TUDO BEM”


As descobertas alarmantes dos níveis de radiação de Fukushima ao largo da costa da América do Norte estão mais altos agora do que nunca, isso está sendo tratado pela imprensa como um problema que não requer nenhuma preocupação.

Em março de 2011, a usina nuclear Fukushima Daiichi do Japão sofreu vários colapsos na sequência de um forte terremoto e tsunami. Os reatores explodiram pulverizado enormes quantidades de material radioativo no ar, a maioria das quais acabaram no Oceano Pacífico. Desde então, o material mais radioativo continuou a derramar das instalações do litoral no oceano.

Em um estudo apresentado na conferência da União Geofísica Americana em San Francisco, em 14 de dezembro, os pesquisadores descobriram que os níveis de radiação do Alasca até a Califórnia têm aumentado desde que as últimas amostras foram tomadas. Os mais altos níveis de radiação ainda do desastre foram encontrados em uma amostra retirada a 2.500 km (aprox. 1.550 milhas) a oeste de São Francisco.

“Seguro”, de acordo com quem?

O pesquisador líder, Ken Buesseler, da Woods Hole Oceanographic Institution foi uma das primeiras pessoas a começar a monitorar a radiação de Fukushima, no Oceano Pacífico, com suas primeiras amostras retiradas em três meses após o desastre ter ocorrido. Em 2014, ele lançou um esforço de monitoramento cidadão – Nosso Oceano Radioativo – para ajudar a recolher mais dados sobre radioatividade transmitida pelo mar.

Os pesquisadores monitoraram a radiação de Fukushima, incidindo sobre o isótopo Césio-134, que tem uma meia-vida de apenas dois anos. Todos Césio-134 no oceano provavelmente vem do desastre de Fukushima. Em contraste, o Césio-137 – também lançado em grandes quantidades a partir de Fukushima – tem uma meia-vida de 30 anos, e persiste no oceano, não só a partir de Fukushima, mas também a partir de testes nucleares realizados, desde a década de 1950.

O estudo mais recente acrescentou 110 novas amostras de césio-134 para os estudos em curso. Estas amostras eram de uma média de 11 becquerel por metro cúbico de água do mar, um nível de 50 por cento maior do que as outras amostras colhidas até agora.

Em vez de apresentar os resultados como um sinal alarmante do crescimento da radiação, no entanto, Buesseler enfatiza que os níveis de césio-134 detectados ainda são 500 vezes mais baixas do que os limites da água potável estabelecidos pelo governo dos EUA. O site de notícias “The Big Wobble” questiona se a dependência financeira pesada de Buesseler e Woods Hole do governo dos EUA – Woods Hole recebeu cerca de US$ 8 milhões em financiamento de pesquisa de várias agências governamentais – desempenha qualquer papel nesta ênfase.

A situação ainda está piorando.

A realidade, porém, é que a radiação ao longo da costa oeste é esperada que venha a piorar. De acordo com um estudo de 2013 pela Nansen Environmental and Remote Sensing Center, na Noruega, a pluma de radiação oceânica lançada por Fukushima é provável que atingirá a costa oeste da América do Norte com força em 2017, com níveis de pico em 2018. A maior parte do material radioativo do desastre é provável que fique concentrado na costa ocidental até, pelo menos, 2026.

Segundo o professor Michio Aoyama, do Instituto da Universidade de Fukushima de Radioatividade Ambiental do Japão, a quantidade de radiação que chegou agora até a América do Norte é provavelmente quase tanto quanto foi a espalhada sobre o Japão durante o desastre inicial.

O recente estudo de Woods Hole também confirmou que o material radioativo ainda está vazando para o Oceano Pacífico a partir da usina danificada de Fukushima. Níveis de Césio-134 ao largo da costa japonesa estão entre 10 e 100 vezes mais do que os detectados ao largo da costa da Califórnia.

Sem contestar diretamente dos limites “seguros” de radiação do governo dos EUA , Buesseler obliquamente faz referência ao fato de que qualquer contaminação radioativa para o mar é motivo de preocupação.

“Apesar do fato de que os níveis de contaminação de nossa costa permanecem bem abaixo dos limites de segurança estabelecidos pelo governo para a saúde humana ou à vida marinha”, disse ele, “os valores em mudança ressaltam a necessidade de acompanhar mais de perto os níveis de contaminação através do Pacífico”.

Via: http://www.naturalnews.com/

Nenhum comentário