Últimas

LULA SE “CANSOU” DO FORO DE SÃO PAULO E PROPÕE NOVA ORGANIZAÇÃO DE ESQUERDA

Outra organização continental de esquerda?
Mais farsas? mais crimes? mais miséria? mais escravidão? mais mortes?
O que este iníquo está planejando agora?

Segundo o ex-presidente, existe uma onda conservadora que põe em risco os governos de esquerda que chegaram ao poder nas últimas duas décadas em vários países importantes da América Latina como Brasil, Argentina, Venezuela e Equador

São Paulo - Em evento que contou com a presença do vice-presidente da Bolívia, Alvaro Linera, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva minimizou a relevância do Foro de São Paulo e defendeu a criação de uma nova organização na qual as forças de esquerda da América Latina possam se articular para enfrentar a "onda conservadora" que, segundo Lula, avança na região.

"Faço o mea culpa. O PT não soube transformar em grandeza de política internacional aquilo que fizemos aqui no Brasil. O PT poderia ter feito muito mais. Nós ficamos só no Foro de São Paulo e cada vez com menos gente importante comparecendo. Temos que criar um instrumento na América Latina para unificar as forças de esquerda", disse o ex-presidente, nesta segunda-feira, em um hotel em São Paulo.


O ex-presidente Lula com Marco Aurélio Garcia e Álvaro García Linera no seminário Bolívia Dez Anos - Transformações Políticas, Éticas e Sociais

O Foro de São Paulo é uma organização criada em 1990 que reúne anualmente dezenas de partidos e organizações de esquerda de toda a América Latina. Segundo petistas, esta não foi a primeira vez que Lula reclamou da representatividade do Foro.

"O problema é de outra natureza. Os partidos de esquerda que estão no governo é que precisam de outro espaço mais permanente. Porque o Foro tem partidos que também são de oposição", disse Valter Pomar, ex-secretário nacional de relações internacionais do PT e ex-secretário executivo do Foro de São Paulo.
Segundo Lula, existe uma onda conservadora que põe em risco os governos de esquerda que chegaram ao poder nas últimas duas décadas em vários países importantes da América Latina como Brasil, Argentina, Venezuela e Equador.

"Estou percebendo que há um avanço das forças conservadoras. Há mais agressividade, mais determinação para que este ciclo progressista deixe de existir. As coias estão ficando mais agressivas, mais delicadas", disse Lula.

Crédito. Em meio a especulações de que estaria agindo para derrubar o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e mudar os rumos da política econômica do governo Dilma Rousseff, Lula voltou a defender uma economia com mais acesso ao crédito, ao contrário da estratégia de corte de gastos implementada por Levy.

"Estava na Alemanha e meu ministro da Fazenda, o presidente do Banco Central e até a presidente Dilma, que na época era ministra, falavam de macroeconomia, macroeconomia. Fiquei cansado daquilo e disse que no Brasil foi exatamente a microeconomia, mesmo que dando pouco dinheiro para muita gente, que fez a economia girar, Antes não tinha crédito", disse Lula.

Petrobrás. Ao lado do segundo homem na cadeia de comando da Bolívia, Lula revelou que foi consultado por Evo Morales, então candidato a presidente do país vizinho, sobre a possibilidade de estatizar as plantas da Petrobrás em território boliviano.

"O Evo me perguntou: 'como vocês ficarão se nós nacionalizarmos a Petrobrás'. Respondi: 'o gás é de vocês'. E foi assim que nos comportamos, respeitando a soberania da Bolívia", disse Lula.

No dia 1º de maio de 2006, assim que assumiu o poder, Morales determinou a nacionalização de toda cadeia de exploração de gás e petróleo da Bolívia e a ocupação militar das plantas, inclusive da Petrobrás, sob alegação de que as petroleiras ganham muito, pagam pouco ao Estado e que os contratos haviam sido fechados em governos anteriores sob suspeitas de corrupção. A estatal brasileira havia investido US$ 1,5 bilhão (cerca de R$ 6 bilhões) no país andino desde 1997.

Via: http://politica.estadao.com.br/

Nenhum comentário