Últimas

FMI: O PRÓXIMO CRASH FINANCEIRO ESTÁ CHEGANDO

A próxima crise financeira está chegando e é uma apenas uma questão de tempo – e nós não terminamos de acertar as falhas no sistema global que foram tão brutalmente expostas pela última [crise].

Essa é a mensagem do último relatório Estabilidade Financeira Global do Fundo Monetário Internacional, o que tornará a leitura decepcionante para os ministros das Finanças e banqueiros centrais reunidos em Lima, Peru, para a sua reunião anual.

O maciço estímulo da política monetária reacendeu o crescimento nas economias desenvolvidas desde a profunda recessão que se seguiu ao colapso do Lehman Brothers em 2008; mas o que o FMI chama de “transferência” para uma recuperação mais sustentável – sem o suporte extra de custos ultra-baixos dos empréstimos – até agora não se concretizaram.

Enquanto isso, o dinheiro barato criado para resgatar as economias desenvolvidas inundou-se em mercados emergentes, inflando bolhas de ativos, e incentivando as empresas e os governos para tirarem vantagem dos custos anormalmente baixos dos empréstimos e se carregarem de dívidas.

“Os balancetes tornaram-se mais finos e esticados em muitas empresas de mercados emergentes e bancos. Estas empresas tornaram-se mais suscetíveis ao estresse financeiro”, diz o FMI.

Enquanto isso, o fracasso em consertar o sistema financeiro internacional depois do último crash [colapso], assegurando que os bancos em mercados emergentes mantenham capital suficiente, e restringindo o empréstimos de risco, por exemplo, significa que um novo choque do tipo Lehman Brothers poderia desencadear outro pânico global.

“Os choques podem ter origem em mercados avançados e emergentes e, combinado com vulnerabilidades do sistema que são desconhecidos, isso poderia levar a uma perturbação do mercado global de ativos e a uma secagem repentina de liquidez do mercado em muitas classes de ativos”, diz o FMI, alertando que alguns mercados parecem estarem “frágeis”.

Assim como o Federal Reserve dos EUA estabelece as bases para um retorno das taxas de juros em tempo de paz, a partir dos níveis de emergência dos últimos sete anos, os mercados financeiros enfrentam o que o FMI chama de um “ajuste sem precedentes”; e o mundo parece lamentavelmente despreparado.

A advertência do FMI ecoa um coro de outros. O Banco do economista-chefe da Inglaterra, Andy Haldane, argumentou que o mundo está entrando no último episódio de uma “trilogia da crise em três partes”. UNCTAD, o braço de comércio e desenvolvimento da ONU, gostaria de ver as economias avançadas aumentarem os gastos públicos para compensar a desaceleração nas economias emergentes. O Banco de Pagamentos Internacionais acredita que as taxas de juros têm estado muito baixas por muito tempo, incentivando a tomada de riscos demasiados nos mercados financeiros. Todos eles temem que o sistema financeiro global está configurado para uma crise.

O FMI não perdeu a esperança do que chama de “normalização bem sucedida” – que estabelece uma série de condições que precisam ser atendidas, a partir de um reequilíbrio bem sucedido de crescimento na China, para “salvaguardar contra a falta de liquidez do mercado” nos mercados financeiros .

No entanto, o fracasso dos políticos do mundo para se familiarizar com as deficiências do sistema financeiro internacional ao longo dos últimos sete anos, apesar da longa sombra projetada pelo Lehman e suas conseqüências, isso sugere que as medidas adotadas são susceptíveis de serem muito pequenas e muito atrasadas. A mensagem que muitos podem levar para casa a partir de Lima é, “selem as portas”.

Fonte: Next financial crash is coming – and before we’ve fixed flaws from last one | Business | The Guardian e http://dcvcorp.com.br/

Nenhum comentário