Últimas

ALÍVIO: DE FURACÃO “NUCLEAR”, PATRÍCIA PERDE FORÇA EM QUESTÃO DE HORAS


Apesar de bater recordes de intensidade, o furacão Patrícia, a mais forte tempestade já registrada no hemisfério ocidental, causou muito menos danos do que se esperava ao atingir a Costa Oeste do México na madrugada de sábado. Nas últimas horas, Patrícia foi rebaixado da categoria 5 - a máxima na escala Saffir-Simpson - para a 1 pelo Centro Nacional de Furacões nos Estados Unidos (NHC, na sigla em inglês).

Os ventos, que chegaram a 325km/h durante o avanço do furacão pelo Oceano Pacífico, diminuíram para 120km/h ao chegar a terra firme. Mas o governo mexicano teme agora o risco de inundações e deslizamentos de terra causados pelas fortes chuvas.

"Os danos até agora foram bem menores que os compatíveis com um furação dessa magnitude", disse o presidente mexicano, Enrique Pena Nieto, em um pronunciamento de TV.

Ainda assim, de acordo com o Fundo Nacional de Desastres do México, a agência responsável pelo atendimento à vítima de catástrofes, pelo menos 400 mil pessoas estão em áreas vulneráveis.

Na sexta-feira, em uma transformação classificada de "histórica", Patricia passou, em algumas horas, de tempestade tropical a um monstruoso furacão de categoria 5, cuja intensidade foi comparada a uma "detonação nuclear".

"É uma proeza extraordinária. Na era dos satélites, só o (furacão) Linda, em 1997, se intensificou neste ritmo", disse o NHC.

Via: BBC

Nenhum comentário