ABORTISTAS TENTAM QUEIMAR IGREJA E ATACAM CRISTÃOS - Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar

Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar Allahu Akbar

Últimas

ABORTISTAS TENTAM QUEIMAR IGREJA E ATACAM CRISTÃOS


O governo argentino, assim como o de vários outros países da América do Sul, segue uma orientação “à esquerda”, com um movimento de raízes comunistas chamado de “bolivarianismo”.

Nas últimas duas décadas vários deles se instalaram e se perpetuaram no poder, apesar de eleições continuarem ocorrendo. O discurso de todos propõe o mesmo teor “libertário” e se opõe contra os valores cristãos, reclassificados como “opressores”. No Brasil vários movimentos semelhantes apoiam e são apoiados pelo Partido dos Trabalhadores e siglas socialistas.

As manifestantes da Marcha pelas Mulheres na Argentina tentaram na última semana, atear fogo na Catedral de Mar del Plata. As feministas, muitas delas seminuas, arremessaram garrafas e fezes nos policiais e cristãos que tentavam proteger a igreja.


Grade de proteção derrubada.

Um grupo de católicos que rezavam diante do templo foi atacado com pedras e garrafas. O vídeo que circula nas redes sociais mostra que as feministas gritavam em coro: “Igreja de lixo, você é a ditadura”. Também é possível ver que muitas estavam com o torso nu, tinham frases pintadas como “Eu tive um aborto” e “eu decido”.

Não é a primeira vez que esse tipo de movimento ataca uma igreja e acusa os cristãos de se oporem a sua “luta” pelo aborto e defesa da homossexualidade. Em 2013, um grupo de feministas cuspiu e usou tinta em spray contra jovens que defendiam a catedral de San Juan de Cuyo. Na ocasião, queimaram uma imagem do Papa Francisco, que é argentino.

Quando as abortistas derrubaram as barras de proteção, a polícia as repeliu com gás lacrimogêneo e balas de borracha. Muitas dessas manifestantes foram presas, mas liberadas logo depois.

A organização cristã Argentinos Alerta, que luta contra a prática do aborto, afirmou através de seu presidente: “elas reclamam que os direitos das mulheres não são respeitados, mas parece que o direito à liberdade religiosa lhes é insuportável. Nos lembram dos militantes do Estado Islâmico, que também acham a presença dos cristãos em seus países algo intolerável”. Com informações Aciprensa


Via: Gospel Prime - Jarbas Aragão

Nenhum comentário