Últimas

ELES ROUBAM E VOCÊ MORRE: DILMA VAI CORTAR PROGRAMA FARMÁCIA POPULAR E TIRAR DINHEIRO DE UPAS E SAMU


A situação do país se aperta mais...
E porque estou destacando esta matéria?
Porque este corte de Dilma irá afetar a coisa mais importante para a vida das pessoas neste mundo: A saúde.
Quantas pessoas enfermas, idosos, famílias dependem destes medicamentos caríssimos para sobreviver? A matança do povo brasileiro irá se iniciar... tudo por causa do rombo gerado pela corrupção deste governo.

Em suma, este país pagará caro diante de Deus por causa de sua imoralidade, idolatria, corrupção, prostituição! e ainda continuam a ignorar (principalmente a igreja) o clamor por um arrependimento genuíno e conversão sincera à Deus.
----

A fonte secou e, em 2016, não haverá dinheiro suficiente para manter importantes serviços gratuitos de saúde no país: o programa Farmácia Popular e os procedimentos de alta e média complexidades. O Ministério da Saúde vai acabar, já no início de 2016, com o “Aqui tem Farmácia Popular” — uma parceria com grandes redes de drogarias, que oferece descontos de até 90% em remédios. Além disso, avisou que, no último trimestre do ano que vem, não terá mais dinheiro para fazer repasses a estados e municípios.

Na prática, a União terá verbas para repassar às Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e ao Serviço Móvel de Urgência (Samu) somente até setembro. O corte de R$ 3,8 bilhões afetará ainda cirurgias eletivas, internações, hemodiálises — em centros médicos conveniados ao Serviço Único de Saúde (SUS), hospitais universitários e unidades da Santa Casa.

No caso do Farmácia Popular, apenas as 460 unidades próprias do governo, que distribuem remédios de graça, serão mantidas. Neste caso, o corte será de R$578 milhões. O programa foi criado em 2006 para a compra de remédios contra colesterol, Parkinson, diabetes, glaucoma e osteoporose, além de anticoncepcional.

O corte do governo federal se materializou na proposta de Orçamento enviada ao Congresso Nacional. Mas o Executivo aposta em emendas parlamentares para tentar recompor, em parte, o rombo na Saúde. A ideia é pretende pressionar os parlamentares a aprovar a medida que destinaria ao setor recursos oriundos do DPVAT (reservados para pagar indenizações em casos de acidentes de trânsito).

Por enquanto, foram preservados os gastos com a compra de vacinas e medicamentos. Até 2015, o total destinado à Saúde era equivalente ao que foi desembolsado no ano anterior, mais a variação do Produto Interno Bruto (PIB), isto é, R$ 103,7 bilhões. Agora, o governo terá de reservar 13,5% das receitas correntes líquidas, ou seja, R$ 100,2 bilhões.

Via: http://www.folhapolitica.org/2015/09/dilma-vai-cortar-programa-farmacia.html

Nenhum comentário