Últimas

TENSÃO: COLÔMBIA E VENEZUELA REVOGAM EMBAIXADORES EM MEIO A CRISE NA FRONTEIRA


Reuters / Reuters - policiais colombianos montam guarda em frente à fronteira com policiais venezuelanos Bolivarianos perto da vila de Villa del Rosario, 27 de agosto de 2015. REUTERS / Jose Miguel Gomez

Por Julia Symmes Cobb

BOGOTÁ (Reuters) - A Venezuela e a Colômbia cada convocaram os seus embaixadores para o outro país na quinta-feira, em meio a uma tensa crise diplomática provocou quando a socialista Venezuela deu um prazo e fechou dois postos fronteiriços e deportou mais de mil colombianos.

O presidente venezuelano, Nicolas Maduro fechara os cruzamentos na semana passada depois de um combate entre traficantes e soldados que feriu três soldados. Mais tarde, ele estendeu o encerramento por tempo indeterminado e tem caracterizado as deportações como a repressão aos grupos paramilitares.

"Eu tenho favorecido o diálogo e a diplomacia e vou continuar a fazê-lo, mas não posso permitir que Venezuela venha a tratar a Colômbia e os colombianos desta forma", disse o centro-direita Santos em Bogotá.

"Essas famílias não são paramilitares, são famílias humildes", disse Santos. "E eles foram expulsos, como eles disseram para mim, como cães."

Pouco depois do anúncio de Santos 'volta do embaixador da Colômbia, o chanceler venezuelano Delcy Rodriguez disse no Twitter que Maduro havia ordenado a retirada de embaixador da Venezuela a Bogotá.

Cerca de 1.100 colombianos que vivem na Venezuela foram deportados desde o fechamento das fronteiras, e Santos disse que entre 5000 e 6000 mais fugiram voluntariamente.

Muitos daqueles deportados disseram que suas casas haviam sido destruídas. Centenas de pessoas têm atravessado o rio na fronteira transportando geladeiras, animais e colchões.

O governo colombiano disse que o ministro das Relações Exteriores venezuelano tinha concordado em deixar que se deslocam vans a atravessar a fronteira na quinta-feira para remover posses de colombianos que fogem, mas que os caminhões não foram permitidos em.

Maduro afirma que as deportações são parte de uma repressão aos paramilitares colombianos que contrabandeiam produtos de preço fixo e traficam drogas nos 2.219 km (1.379 milhas) da porosa fronteira.

Falando mais cedo na quinta-feira, o líder venezuelano disse esperar que o governo colombiano venha a "recuperar a sua sanidade mental" e fazer mais para proteger a fronteira. "Até que isso aconteça, não vou abrir jamais a fronteira", disse ele em um comício.

A disputa recorda as frequentes disputas entre Venezuela e Colômbia durante o governo do antecessor de Maduro, Hugo Chávez, por 14 anos. Os críticos dizem que Maduro está copiando seu mentor por alimentando uma crise para distrair os venezuelanos de problemas econômicos em vésperas de uma eleição parlamentar em dezembro.

Santos também tem enfrentado críticas por sua gestão da crise. Ex-presidente e atual senador da oposição Alvaro Uribe visitou a fronteira nesta semana e condenou o que ele disse foi a inação do governo em face da agressão da " ditadura"do Maduro.

Coalizão governista de Santos vai competir com partido da oposição de direita de Uribe, entre outros, nas eleições locais e regionais em 25 de outubro.

(Reportagem adicional de Monica Garcia em Bogotá e Eyanir Chinea em Caracas, Edição de Leslie Adler.

Via: Reuters

Nenhum comentário