Últimas

COISA DE LOUCO: ECONOMIA EM CRISE NECESSITA DE GRANDES GUERRAS PARA TENTAR SE RECUPERAR?


Agora que o mercado de ações tem sinalizou o início de um colapso, pressagiando crises futuras e afundando ainda mais o chamado de recuperação, podemos esperar para ouvir uma chamada dos tempos.

A grande guerra pode nos tirar isso.

Por mais absurdo que isso possa parecer, é uma solução favorita oferecido por economistas keynesianos, por exemplo Paul Krugman, do New York Times.
Tyler Cowen, um professor de economia na George Mason University, argumentou de forma semelhante em Junho passado em um artigo publicado no The New York Times intitulado "A falta de grandes guerras pode estar a prejudicar o crescimento econômico."

Outros, incluindo Ian Morris, professor de história na Universidade de Stanford, oferecer argumentos semelhantes.

"Pode parecer repugnante para encontrar um lado positivo para a guerra, a este respeito, mas uma olhada na históriaamericana sugere que não podemos descartar a idéia tão facilmente", escreve Cowen, ao qual Gary North responde:

"Sim, nós podemos. Muito facilmente. Você seria duramente pressionado para encontrar uma guerra na história americana que não aumentar os impostos, aumentar a dívida, e matar pessoas inocentes. "

Sam Selikoff e Lucas Bessey rebateu o argumento de Krugman com um pequeno vídeo, "A falácia da janelaquebrada."

A lógica de Krugman também é combatida por Robert Higgs, um historiador e economista libertário.

A eclosão da guerra, Higgs explica, não só conduz a uma diminuição da economia de mercado, mas também "uma maior tributação, despesa governamental e regulação da economia civil restante."

Higgs também contraria a teoria comum que os gastos durante a Segunda Guerra Mundial pôs fim à Grande Depressão. Para mais informações, veja a II Guerra Mundial de Art Carden não terminou a Grande Depressão... em World War II Did Not End the Great Depression.


Agora que o colapso inevitável está em andamento, podemos esperar economistas keynesianos desesperados, liberais e nenhuma falta dos chamados conservadores (especialmente os neoconservadores belicistas) para chamar para o estímulo econômico por meio de gastos de guerra em massa.

Embora não haja escassez de hotspots imperiais prontos para ser explorado, a crise econômica e no centro está a Ucrânia e crescente conflito entre a Rússia, os Estados Unidos e OTAN.

A crença de que uma guerra no continente europeu por um número de nações em posse de armas nucleares - Estados Unidos, Rússia, França e Grã-Bretanha - irá resultar em estímulo econômico não é apenas pura loucura, é doença mental manifesta.

Via: Infowars e UND

Nenhum comentário