Últimas

EUA ADMITE PROBABILIDADE DE UMA GRANDE GUERRA COM OUTRA POTÊNCIA

Secretário de Defesa dos EUA Ashton Carter (L) e presidente do Chefe do Estado Maior general Martin Dempsey Conjunta (R) participar de uma coletiva de imprensa 01 de julho de 2015 no Pentágono, em Arlington, Virginia. (Foto: AFP)

Um relatório militar americano alerta para uma probabilidade crescente dos Estados Unidos lutando uma guerra com uma grande potência, a Rússia ou a China, com consequências "imensas".

O relatório divulgado na quarta-feira pelo general Martin Dempsey, o presidente do Joint Chiefs of Staff, destaca a Rússia e a China como países agressivos e uma ameaça para os interesses de segurança dos EUA.

"Ações militares da Rússia estão a minar a segurança regional diretamente e através de forças de proxy", ele diz.

O estudo aponta para a suposta presença de tropas russas na Ucrânia como uma fonte de tensão entre Washington e Moscou.

As relações entre os Estados Unidos e a Rússia estão em seu ponto mais baixo desde o fim da Guerra Fria em 1991, em grande parte devido à crise na Ucrânia.

Os laços se deterioraram depois que as forças apoiadas pelos EUA depôs o presidente eleito da Ucrânia Viktor Yanukovich em fevereiro de 2014.

Os EUA e seus aliados acusam Moscou de enviar tropas para o leste da Ucrânia em apoio das forças pró-russas. Moscou negou longo envolvimento na crise da Ucrânia.

Moscou diz que Washington é responsável pela escalada de tensão na Ucrânia através do envio de armas em apoio ao exército ucraniano.

Enquanto isso, os laços entre a China e os EUA também tenham colocado sob tensão depois que Washington acusou recentemente Beijing de espionagem cibernética.


Presidente dos EUA, Barack Obama (quinta-Dir) reúne-se com o vice-premiê chinês Liu Yandong (centro Esq), o vice-premiê chinês, Wang Yang (3 Esq) e conselheiro de Estado chinês Yang Jiechi (centro de P), na conclusão da sétima reunião Diálogo Estratégico e Econômico China -EUA na Sala do Gabinete da Casa Branca, em Washington, DC, 24 de junho de 2015. (AFP Photo)

Washington também diz que quer que Pequim reduza as tensões no Mar do Sul da China, onde o país está bloqueado em disputas territoriais com seus vizinhos. Pequim insiste que Washington deve ficar fora da linha.

"As ações da China estão adicionando tensão para a região Ásia-Pacífico", afirma o documento do Pentágono.

O relatório militar dos EUA também adverte de crescente desafios tecnológicos e aumento da instabilidade global.

"Quando aplicado a sistemas militares, esta difusão de tecnologia é um desafio vantagens competitivas de longo detidos pelos Estados Unidos, tais como o alerta antecipado e ataque de precisão", disse o jornal.

Em uma entrevista com a Press TV na semana passada, um estudioso político e econômico americano disse que o crescente conflito entre os Estados Unidos ea Rússia sobre o conflito Ucrânia é um resultado de Washington lutando para manter sua hegemonia e fazendo "movimentos extremamente provocativos" na Europa Oriental.


Dr. Paul Craig Roberts, ex-funcionário da Casa Branca

"O conflito que Washington criou com a Rússia é inteiramente obra de Washington", disse o Dr. Paul Craig Roberts, um economista que atuou como secretário-assistente do Tesouro para política econômica no governo Ronald Reagan.

"É uma situação grave em que os Estados Unidos estão dirigindo a Europa para um conflito com a Rússia, e é tudo sobre os Estados Unidos proteger a sua hegemonia, protegendo o seu estatuto de potência única", disse o Dr. Roberts na sexta-feira.

"E, a fim de proteger o seu estatuto, tem que trazer uma enorme pressão sobre a Rússia e também sobre a China, a fim de tentar fazer com que esses países aceitam a liderança de Washington e para cumprir com as políticas externas de Washington", acrescentou. "Portanto, esta é uma situação perigosa, mas a culpa é inteiramente em Washington," Dr. Roberts concluiu.


Fonte: http://www.presstv.ir e http://undhorizontenews2.blogspot.com/

Nenhum comentário