Últimas

EMBAIXADA DE CUBA É REABERTA EM WASHINGTON, NOS EUA

A embaixada de Cuba foi reaberta oficialmente nesta segunda-feira (20) em cerimônia em Washington, nos Estados Unidos. O prédio está localizado em uma linha reta desde a Casa Branca.

Na cerimônia, realizada às 11h30 (horário de Brasília), a bandeira cubana foi hasteada em frente ao prédio da embaixada e acompanhado por aplausos de espectadores na rua. Gritos pelo fim do embargo econômico à ilha foram ouvidos durante a cerimônia.

Barack Obama e Raúl Castro anunciaram o descongelamento das relações diplomáticas entre os dois países em dezembro, após 54 anos de rompimento. O embargo econômico, no entanto, continua. As relações diplomáticas entre os Estados Unidos e Cuba foram retomadas formalmente mais cedo nesta segunda, com o hasteamento da bandeira cubana no departamento de Estado americano.

O ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodriguez, iça a bandeira do país na embaixada em Washington, nos EUA, nesta segunda-feira (20) (Foto: Andrew Harnik/AP)
Espectadores acompanham abertura da embaixada cubana em Washington (Foto: AFP PHOTO /PAUL J. RICHARDS)

Depois do hasteamento da bandeira, o ministro das Relações Exteriores de Cuba, BrunoRodriguez, discursou para cerca de 500 pessoas no antigo edifício.

“Chegamos aqui graças a Fidel Castro”, afirmou o ministro, que disse que a histórica restauração de relações só fará sentido se os EUA acabarem com o embargo contra Cuba e devolverem a área da prisão de Guantánamo.

Ele também afirmou que Cuba está disposta a avançar na normalização das relações, mas sem abrir mão se sua independência e soberania.

Espera-se que ele participe da inauguração de uma placa com o novo estatuto da representação.

Rodriguez, o primeiro chanceler cubano em Washington desde 1959, irá, em seguida, reunir-se com o seu colega americano, John Kerry, na sede do Departamento de Estado.
Homem agita a bandeira cubana em frente à nova embaixada do país em Washington, nos EUA, nesta segunda-feira (20) (Foto: Paul J. Richards/AFP)

A seção de interesses dos Estados Unidos em Havana também assumiu oficialmente a condição de embaixada nesta segunda, apesar da cerimônia formal estar programada para as próximas semanas, quando o secretário de Estado americano John Kerry visitar o lugar e hastear a bandeira.

"Chegamos nesta manhã bem emocionados de ser uma embaixada de novo. Teremos um bom dia de trabalho aqui em Havana!", postou o perfil da embaixada no Twitter. O prédio, construído em 1953 na famosa orla Malecon, foi fechado entre 1961 e 1977, quando reabriu como Seção de interesses.

Carro com bandeira dos Estados Unidos passa em frente ao prédio da embaixada do país em Havana nesta segunda-feira (20) (Foto: AFP PHOTO/YAMIL LAGE)

Segundo a subsecretária de Estado para a América Latina, Roberta Jacobson, a embaixada dos EUA em Havana funcionará em um ambiente restritivo, mas a situação é um progresso em relação ao status quo.

A monitorização rigorosa da polícia na frente do enorme edifício, será reduzida, enquanto a revista dos visitantes passará para as mãos dos americanos. Além disso, passará a valer a inviolabilidade da mala diplomática, segundo Jacobson.

Algo impensável há 10 meses, diplomatas americanos, assim como os seus homólogos cubanos em Washington, terão liberdade para circular em toda a ilha e se reunir com diversos setores da sociedade, sem a necessidade de autorização do governo.


'Normalização'
O presidente cubano, Raúl Castro, definiu esta semana como a conclusão da "primeira fase" do processo de "normalização", cujo principal objetivo é acabar com o embargo econômico contra Cuba, em vigor desde 1962.

Em 20 de julho "começará uma nova etapa, longa e complexa, no caminho para a normalização das relações, e que necessitará de vontade para encontrar soluções para os problemas que se acumularam ao longo de cinco décadas e que afetaram os laços entre nossos países e povos", acrescentou.

A agenda bilateral é ampla: aviação civil, meio ambiente, luta contra o tráfico de droga, bem como o interesse dos educadores e empresários para aumentar o intercâmbio.

A aproximação representa o abandono da política de sanções praticada há décadas por Washington, e o reconhecimento de Havana das realidades econômicas do século XXI.



Fonte: G1

Nenhum comentário