Últimas

“DEVEMOS FAZER TODOS OS ESFORÇOS PARA DESPOVOAR O PLANETA”, AFIRMA OFICIAL DA ONU PARA ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS




Funcionários na ONU estão empurrando a ideia de que a população humana deve ser reduzida, a fim de lutar eficazmente contra a "mudança climática".

A ideia de longa data tem sido continuamente empurrada por Christiana Figueres, a Secretária Executiva da Convenção do Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCC). Em 2013, Figueres teve uma conversa com o fundador da Climate One, Greg Dalton sobre "as taxas de fertilidade na população", como um contribuinte para as mudanças climáticas.

Os comentários são feitos em 4,20 em vídeo a seguir:



"Uma questão relacionada é as taxas de fertilidade na população." Dalton opinou. "Um monte de pessoas nos círculos de energia e ambientais não quero ir perto desse porque é politicamente carregada. Não é a sua emissão. ", Acrescentou.

"Mas não é verdade que parar o aumento da população seria uma das maiores alavancas para dirigir o aumento de gases de efeito estufa?", Perguntou Dalton.


"Obviamente, menos pessoas exerceriam menos pressão sobre os recursos naturais", respondeu Figueres, também observando que as estimativas sugerem que a população da Terra subirá para nove bilhões até 2050.

Dalton então questionou se este quadro poderia de alguma forma, ser parado ou interrompido.

"Então, nove milhões não é uma conclusão precipitada? Isso está sendo cozinhado aos poucos e não há maneira de mudar isso? ", Ele perguntou Figueres.

"Há uma pressão no sistema para ir em direção a isso; podemos mudar definitivamente esta situação, né? Nós podemos mudar definitivamente esses números ", disse Figueres em resposta.

"Realmente, devemos fazer todos os esforços para mudar esses números porque já estamos, hoje, já superou a capacidade de suporte planetário que o planeta pode receber." Ela também alegou.

"Então, sim, devemos fazer todo o possível. Mas não podemos cair na opinião muito simplista de dizer apenas por cercear população, então nós resolvemos o problema. Não é e / ou, se trata de um e / também. "Também disse que o funcionário da ONU.

Clima One é um fórum de assuntos públicos, que defende a ação extrema para combater as mudanças climáticas. É um ramo da Commonwealth Club of California com sede em São Francisco, essencialmente um lugar de conversação visitada regularmente por chefes de governo e de negócios corporativos.

Figueres não é uma estranha em declarações polêmicas quando se trata de mudanças climáticas. O funcionário da ONU descreve previamente o objetivo da UNFCC como "uma completa transformação da estrutura econômica do mundo."

Ela também tem dito repetidamente que uma ditadura comunista ao estilo chinês  é mais adequado do que o sistema constitucional dos EUA para combater o "aquecimento global".

Figueres disse à Bloomberg News no ano passado que o governo chinês (que continua a valer abortos forçados, infanticídios  e esterilização obrigatória) está "fazendo a coisa certa" quando se trata de mudanças climáticas, apesar da China ser de longe o maior emissor de gases de efeito estufa.

Figueres observou que a divisão partidária no Congresso dos EUA é "muito prejudicial" para a aprovação de legislação relacionada com o clima, enquanto o Partido Comunista Chinês, define políticas por decreto. o Presidente Obama concorda claramente uma vez que ele continua a contornar o Congresso pela emissão de ordens executivas sobre a mudança climática.

Como o Infowars observou continuamente, há uma falha fundamental em associar as mudanças climáticas com superpopulação.

Populações dos países desenvolvidos estão em declínio e apenas osm países do terceiro mundo estão expandindo dramaticamente. A própria industrialização nivela as tendências da população e até mesmo apesar de esses modelos população mundial rotineiramente mostram que a população da Terra irá se estabilizar em 9 bilhões em 2050 e declinar lentamente depois disso. A população dos países mais desenvolvidos permanecerá praticamente inalterada em 1,2 bilhões até 2050," afirma um relatório das Nações Unidas . O apoio da ONU para as políticas de despovoamento está em contradição direta com as suas próprias conclusões.

Uma vez que um país industrializado, há uma taxa média de 1,6 crianças por família, conclui-se que a população do mundo ocidental realmente está em declínio. Essa tendência também foi observada em áreas da Ásia, como Japão e Coréia do Sul. A ONU já declarou que a população atingirá um pico de 9 bilhões e, em seguida, começar a diminuir.

Além disso, como destaca o economista, as taxas de fertilidade globais estão caindo.

Estes ambientalistas radicais estão empurrando ações de desindustrialização no mundo, em face da chamada ameaça de carbono, isso vai inverter a tendência que, naturalmente, reduz a quantidade de filhos que as pessoas têm. Se os fanáticos da mudança climática estão autorizados a implementar as suas políticas, a população mundial continuará a aumentar, e a superpopulação pode tornar-se um problema real - este é um outro exemplo de como a histeria do aquecimento global realmente prejudica o meio ambiente a longo prazo da Terra, impedindo países em desenvolvimento superpovoados, diminuir naturalmente os seus níveis de natalidade.

Mesmo se você agir como advogado do diabo e aceitar que os seres humanos são os causadores do aquecimento catastrófico, e se você fingir que não se tratam de políticas de controle populacional e de despovoamento com conotações de eugenia, esses métodos não são fundamentalmente uma solução válida para a percepção da "ameaça" da mudança climática.

A verdadeira solução seria para ajudar a aumentar o nível de vida dos pobres do terceiro mundo, permitindo que esses países se industrializem, e vendo os números da população naturalmente nivelados.

Em vez disso, o terceiro mundo tem visto uma duplicação dos preços dos alimentos devido a políticas de mudanças climáticas, como a transformação de enormes áreas de terras agrícolas para o crescimento dos biocombustíveis.

Além disso, a legislação climática tem continuamente empurrado para o mundo desenvolvido assumir um fardo menos pesado do que o previsto, e a exigir mais dos países mais pobres, sendo que quaisquer outros cortes nas emissões de CO2 irão paralisar ainda mais suas economias frágeis e as pessoas atingidas pela pobreza.

A legislação anterior, como o acordo de Copenhague, permitiu que as pessoas nos países desenvolvidos a emitir duas vezes mais carbono per capita do que os países mais pobres, que não têm causado o aumento das emissões, disseram que somos uma ameaça à existência no planeta. As revelações levaram líderes do terceiro mundo para acusar o mundo desenvolvido de "colonialismo clima".

Vinculação política ambiental para agendas de despovoamento abrem a porta para a eugenia e não é nenhuma surpresa que por aquela porta vieram derramando hordas de sujeira elitista apenas implorando para estar na linha de frente da política de extermínio.

Um exemplo é baseada no Reino Unido nos grupo de políticas públicas A Optimum Population Trust (OPT), que já havia lançado iniciativas que incitam membros ricos do mundo desenvolvido para participar de compensações de carbono que financiam programas para reduzir a população de países em desenvolvimento.

Em 2007, o grupo também publicou um relatório anunciando que as crianças são "ruins para o planeta" e "ter grandes famílias deve ser algo reprovável como um delito ambiental da mesma forma como vôos freqüentes de longa distância, dirigindo um carro grande e não reutilizar sacos plásticos.

O mesmo ponto de falar foi reiterado repetidas vezes pelo grupo público políticos e ambientalistas , bem como os mais influentes cientistas no governo dos EUA .

Embora você possa pensar que estas idéias de esterilização e despovoamento nunca poderiam ser aceitas pelo público, esses mesmos conceitos estão agora a ser abraçado e popularizado por alguns como o caminho a seguir para a humanidade.

O chefe do painel de mudanças climáticas da ONU está fornecendo uma plataforma, e em alguns casos, empurrando ativamente para uma política aplicada por uma ditadura que persegue mães que estão grávidas do seu segundo filho, sequestra-las na rua e leva-las para um hospital controlado pelo governo, onde são drogados e seu bebê é morto - tudo em nome de salvar o planeta.

Tradução: Site Libertar

Via: Infowar

Nenhum comentário