Últimas

PUTIN: “EUA É O CÉREBRO POR TRÁS DO GOLPE DA UCRÂNIA, O QUAL AJUDOU A TREINAR RADICAIS”


"Nós sabíamos com certeza que os cérebros reais eram nossos amigos americanos"

O golpe armado ucraniano foi organizado por Washington, declarou o presidente russo, Vladimir Putin em uma entrevista para um novo documentário exibido domingo. Os norte-americanos tentaram se esconder atrás dos europeus, mas Moscou viu através do truque, acrescentou.

"O truque da situação foi que aparentemente a oposição [ucraniana] foi apoiada principalmente pelos europeus. Mas nós sabíamos com certeza que os cérebros reais eram nossos amigos americanos", disse Putin em um documentário, "Crimeia - The Way Home", exibido pelo canal de notícias Rossiya 1.

"Eles ajudaram a treinar os nacionalistas, os grupos armados, no oeste da Ucrânia, na Polônia e, em certa medida, na Lituânia", acrescentou. "Eles facilitaram o golpe armado."

Putin disse que esta abordagem estava longe de ser a melhor conduta com qualquer país, e um país pós-soviético como a Ucrânia, especificamente. Esses países têm um curto recorde de viver sob um novo sistema político e permanecem frágeis. Violar a ordem constitucional em tal país inevitavelmente leva à uma série de prejuízos à sua condição de Estado, disse o presidente.

"A lei foi jogada fora e quebrada. E as consequências foram realmente graves. Parte do país concordou com ela, enquanto a outra parte não iria aceitá-la. O país foi destruído", explicou Putin.

Ele também acusou os beneficiários do golpe de planejar o assassinato do então presidente Viktor Yanukovich. A Rússia estava preparada para agir para garantir a sua fuga, disse Putin.

"Eu convidei os chefes de nossos serviços especiais, o Ministério da Defesa e ordenei-lhes para proteger a vida do presidente ucraniano. Caso contrário, ele teria sido morto", disse ele, acrescentando que, em um ponto do sinal da inteligência russa, o qual estava monitorando a rota da comitiva do presidente, percebi que ele estava prestes a ser emboscado.

Yanukovich não queria sair e rejeitou a oferta de evacuar de Donetsk, disse Putin. Só depois de passar alguns dias na Crimeia e perceber que "não havia ninguém que pudesse negociar com ele em Kiev", ele pediu para ser levado para a Rússia.

O presidente russo ordenou pessoalmente a preparação da operação especial da Crimeia na manhã após Yanukovich fugir, dizendo que "nós não podemos deixar que as pessoas [da Crimeia] sejam empurradas para debaixo do rolo compressor dos nacionalistas."

"Eu [dei-lhes] as suas tarefas, disse-lhes o que fazer e como devemos fazê-lo, e salientei que só faria isso se fosse absolutamente certo de que é isso que as pessoas que vivem na Crimeia queiram que façamos," disse Putin. Ele acrescentou que uma pesquisa de opinião pública de emergência indicou que pelo menos 75 por cento das pessoas queriam se juntar a Rússia.

"Nosso objetivo era não tomar a Crimeia através da anexação. Nosso objetivo final era permitir que as pessoas expressassem seus desejos sobre como querem viver ", disse ele.

"Eu decidi por mim mesmo: o que o povo quer, vai acontecer. Se eles querem maior autonomia com alguns direitos extras na Ucrânia, que assim seja. Se eles decidem de outra forma, não podemos falhar com eles. Você sabe os resultados do referendo. Nós fizemos o que tínhamos que fazer", disse Putin.

Ele acrescentou que seu envolvimento pessoal ajudou a agilizar as coisas, porque as pessoas que estavam executando suas ordens não tinham motivo para hesitar.

Segundo Putin, parte da operação era implantar mísseis de defesa costeira K-300P Bastion para demonstrar a disponibilidade da Rússia em proteger a península do ataque militar.

"Os implantamos de uma forma que os tornou claramente visíveis do espaço", disse Putin.

O presidente garantiu que os militares russos estavam preparados para quaisquer desenvolvimentos e teria se protegido com armas nucleares, se necessário. Ele, pessoalmente, não tinha certeza de que as nações ocidentais não iriam usar a força militar contra a Rússia, acrescentou.

O presidente russo disse que o movimento era para enviar tropas russas para proteger a Crimea e permitir que um referendo fosse livremente realizado lá impedido um grande derramamento de sangue na península.

"Considerando a composição étnica da população da Crimeia, a violência teria sido pior [do que em Kiev]. Tivemos que agir para evitar a evolução negativa, para não permitir que tragédias como as que aconteceram em Odessa, onde dezenas de pessoas foram queimadas vivas", disse Putin.

Ele reconheceu que havia algumas pessoas da Crimeia, em particular os membros da minoria tártaros da Crimeia, que se opunham à operação russa.

"Alguns dos tártaros da Crimeia estavam sob a influência de seus líderes, alguns dos quais são, por assim dizer guerreiros 'profissionais' dos direitos dos tártaros", explicou.

Mas, ao mesmo tempo, a "milícia da Crimeia trabalhou em conjunto com os tártaros. E haviam tártaros entre os membros das milícias", frisou.

O povo da Crimeia votou em um referendo para se juntar a Rússia, depois de rejeitar um golpe imposto pelo governo que tomou o poder em Kiev em fevereiro de 2014. O movimento provocou uma grande controvérsia internacional, como por exemplo os financiadores estrangeiros do novo governo que acusaram a Rússia de anexar a península através da força militar.

Moscou insiste que o movimento foi um ato legítimo de autodeterminação e que as tropas russas agiram apenas para garantir a segurança e não como uma força de ocupação. As autoridades russas citam o exemplo da repressão militar de Kiev nas regiões dissidentes orientais Donetsk e Lugansk, a qual custou mais de 6.000 vidas desde Abril de 2014, como um exemplo de derramamento de sangue que a Rússia agiu para impedir na Crimeia.

Fonte:  Infowars: PUTIN: US MASTERMINDS BEHIND UKRAINE COUP, HELPED TRAIN RADICALS

Nenhum comentário