Últimas

PREMIÊ DE ISRAEL DISCURSOU NO CONGRESSO DOS EUA

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, acena ao chegar ao Congresso dos EUA para realizar um discurso nesta terça-feira (3) (Foto: Mandel Ngan/AFP)

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse nesta terça-feira (3) em discurso no Congresso dos EUA que a busca do Irã por armas nucleares pode ameaçar a sobrevivência de Israel. “O mundo deve exigir que o Irã pare de apoiar o terrorismo no mundo e pare de ameaçar aniquilar Israel”, afirmou.

Segue abaixo a transcrição do discurso:

“Presidente da Câmara John Boehner, Senador Orrin Hatch, Líder da maioria senador Mitch McConnell, Líder da minoria Nancy Pelosi e líder da maioria na Câmara Kevin McCarthy. Eu também quero reconhecer o senador e líder democrata Harry Reid. Harry, é bom vê-lo de volta. Eu acho que é verdade o que dizem, você não pode manter um bom homem para baixo.

Meus amigos, estou profundamente honrado pela oportunidade de falar pela terceira vez antes ao órgão legislativo mais importante do mundo, o Congresso dos Estados Unidos. Quero agradecer a todos por estarem aqui hoje. Eu sei que o meu discurso tem sido objeto de muita controvérsia. Lamento profundamente que alguns percebem minha presença aqui como política. Essa nunca foi a minha intenção.

Quero agradecer a vocês, democratas e republicanos, por seu apoio comum a Israel, ano após ano, década após década. Eu sei que não importa em que lado do corredor você se senta, você está com Israel. A aliança notável entre Israel e os Estados Unidos tem sido sempre acima da política. Ela deve permanecer sempre acima da política. Porque a América e Israel, compartilham um destino comum, o destino de terras prometidas que prezam a liberdade e oferecem esperança. Israel é grato pelo apoio de pessoas da América e dos presidentes dos Estados Unidos, a partir de Harry Truman à Barack Obama.

Agradecemos a tudo que o presidente Obama tem feito por Israel, Algumas coisas são bem conhecidas, como por exemplo, o reforço da cooperação de segurança e da partilha de informações, opondo-se a resoluções anti-Israel na ONU. Algumas das coisas que o presidente tem feito por Israel é menos conhecida. Eu liguei para ele em 2010, quando tivemos o incêndio florestal em Carmel, e ele imediatamente concordou em responder ao meu pedido de ajuda urgente. Em 2011, tivemos a nossa embaixada no Cairo sob cerco, e outra vez, ele prestou assistência vital no momento crucial. Ou o seu apoio para mais interceptadores de mísseis durante a nossa operação no verão passado, quando lutamos contra os terroristas do Hamas. Em cada um desses momentos, eu liguei para o presidente, e ele estava lá. E algumas outras coisas que o presidente Obama tem feito por Israel nunca poderão ser conhecido, porque ele toca em algumas das questões mais sensíveis e estratégicas que possam surgir entre um presidente americano e um primeiro-ministro israelense. Mas eu sei que eu sempre serei grato ao presidente Obama por esse apoio.

E Israel é grato a você, o Congresso norte-americano, por seu apoio, por nos apoiar de muitas formas, especialmente em assistência militar generosa e na defesa de mísseis, incluindo o Iron Dome. No verão passado, milhões de israelenses foram protegidos contra milhares de foguetes do Hamas porque esta casa ajudou a construir a nossa Cúpula de Ferro. Obrigado América. Obrigado por tudo que você fez por Israel.

Meus amigos,

Eu vim aqui hoje porque, como primeiro-ministro de Israel, sinto uma profunda obrigação de falar com vocês sobre um problema que poderia ameaçar a sobrevivência do meu país e o futuro do meu povo: a busca do Irã por armas nucleares.

Nós somos um povo antigo. Em nossos cerca de 4.000 anos de história, muitos têm tentado várias vezes destruir o povo judeu. Amanhã à noite, no feriado judaico do Purim, vamos ler o Livro de Ester. Vamos ler sobre um poderoso vice-rei persa, chamado Haman, que conspirava para destruir o povo judeu há cerca de 2.500 anos atrás. Mas uma mulher judia, corajosa, a rainha Ester, expos a trama e deu para o povo judeu o direito de defender-se contra os seus inimigos. A trama foi frustrada. Nosso povo foi salvo.

Hoje o povo judeu enfrenta outra tentativa Pérsica para nos destruir. Do Irã, o Líder Supremo Ayatollah Khamenei, vomita o ódio mais antigo, o mais antigo ódio do anti-semitismo, com a mais nova tecnologia. Ele escreve no Twitter que Israel deve ser aniquilado. No Twitter! Você sabe, no Irã, não há Internet livre. Mas ele usa o Twitter, em Inglês, para dizer que Israel deve ser destruído.

Para aqueles que acreditam que o Irã ameaça o Estado judeu, mas não ao Povo judeu, ouçam Hassan Nasrallah, líder do Hezbollah, procurador-chefe terrorista do Irã. Ele disse: “Se todos os judeus se reunirem em Israel, eles vão nos poupar do trabalho de persegui-los ao redor do mundo”.

Mas o regime do Irã não é apenas um problema judaico, mais do que o regime nazista era apenas um problema judaico. Os 6 milhões de judeus assassinados pelos nazistas eram apenas uma fração dos 60 milhões de pessoas que morreram na Segunda Guerra Mundial. Assim, também, o regime do Irã representa uma grave ameaça, não só para Israel, mas também para a paz de todo o mundo. Para entender o quão perigoso o Irã seria com armas nucleares, temos de entender completamente a natureza do regime. O povo do Irã tem pessoas muito talentosas. Eles são herdeiros de uma das grandes civilizações do mundo. Mas, em 1979, eles foram seqüestrados por fanáticos religiosos – fanáticos religiosos que impõe uma ditadura escura e brutal.

Naquele ano, os fanáticos elaboraram uma constituição, um novo Irã. Dirigiu os guardas revolucionários não só para proteger fronteiras do Irã, mas também para cumprir a missão ideológica da Jihad. O fundador do regime, o aiatolá Khomeini, exortou seus seguidores a “exportar a revolução em todo o mundo”. Estou aqui em Washington, DC. E a diferença é tão gritante… O Documento de fundação dos Estados Unidos promete vida, liberdade e busca da felicidade. O Documento de fundação do Irã se compromete à morte, tirania, e à busca da jihad. E como os Estados estão em colapso em todo o Médio Oriente, o Irã está a carregar para o vazio para fazer exatamente isso.

Capangas do Irã em Gaza, seus lacaios no Líbano e seus guardas revolucionários sobre as Colinas de Golã, estão apontados para Israel com três tentáculos de terror. Apoiado pelo Irã, Assad é o abatedouro de sírios. Apoiado pelo Irã, as milícias xiitas estão furiosas através do Iraque. Apoiados pelo Irã, Houthis estão tomando o controle do Iêmen, ameaçando o ponto estratégico da entrada do Mar Vermelho. Junto com o Estreito de Hormuz, que daria ao Irã um segundo ponto de estrangulamento na oferta de petróleo do mundo. Apenas na semana passada, perto Ormuz, o Irã realizou um exercício militar explodindo um falso porta-aviões dos EUA. Isso foi apenas na semana passada, enquanto eles estão tendo negociações nucleares com os Estados Unidos. Mas, infelizmente, nos últimos 36 anos, os ataques do Irã contra os Estados Unidos podem não parecer nada, mas as metas têm sido muito reais.

O Irã levou dezenas de reféns americanos em Teerã, assassinaram centenas de soldados americanos, Fuzileiros Navais em Beirute, e foi responsável pela morte e mutilação de milhares de homens e mulheres do serviço militar americanos no Iraque e no Afeganistão. Além do Oriente Médio, o Irã ataca EUA e seus aliados através de sua rede de terror global. Ele explodiu o centro da comunidade judaica (Amia) e da embaixada de Israel em Buenos Aires. Ele ajudou a al-Qaeda a explodir as embaixadas americanas na África. Ele ainda tentou assassinar o embaixador saudita, aqui em Washington DC. No Oriente Médio, o Irã já domina quatro capitais árabes: Bagdá, Damasco, Beirute e Sanaa. E se a agressão do Irã for deixada sem controle, ele vão seguir.

Então, em um momento em que muitos esperam que o Irã vá se juntar à comunidade das nações, o Irã está ocupado, devorando as nações. Devemos todos estar juntos para parar marcha de conquista, subjugação e terror do Irã. Agora, ha dois anos atrás, foi-nos dito para dar ao presidente Rouhani e ao ministro das Relações Exteriores Zarif uma chance de trazer a mudança e moderação ao Irã. Alguma mudança! Alguma moderação! O governo de Rouhani persegue gays, cristãos, jornalistas e executa ainda mais prisioneiros do que antes. No ano passado, o mesmo Zarif que encanta os diplomatas ocidentais colocou uma coroa de flores no túmulo de Imad Mughniyeh. Imad Mughniyeh é o mentor terrorista que tem mais sangue derramado de americanos do que qualquer outro terrorista além de Osama bin Laden. Eu gostaria de ver alguém lhe fazer uma pergunta sobre isso.

O Regime do Irã é tão radical como sempre foi, seus gritos de “Morte à América”, a mesma America que eles chamam de o “Grande Satã”. Agora, isso não deveria ser surpreendente, porque a ideologia do regime revolucionário iraniano está profundamente enraizada no Islã militante, e é por isso que este regime será sempre um inimigo da América. Não se deixe enganar. A batalha entre o Irã e o ISIS não faz do Irã um amigo da América. Irã e ISIS estão competindo pela coroa de militantes islâmicos. Um chama-se República Islâmica. Os outros chamam a si mesmo de Estado Islâmico. Ambos querem impor um império islâmico militante em primeiro lugar na região e, em seguida, em todo o mundo. Eles só discordam entre si quem será o governante desse império.

Neste jogo mortal de tronos, não há lugar para a América ou para Israel, não há paz para cristãos, judeus ou muçulmanos que não compartilham com a crença medieval islâmica, não há direitos para as mulheres, não há liberdade para ninguém. Assim, quando se trata de Irã e ISIS, o inimigo do seu inimigo é seu inimigo. A diferença é que o ISIS é armado com facas de açougueiro, armas capturadas e YouTube, e o Irão poderá em breve estar armado com mísseis balísticos intercontinentais e bombas nucleares. Devemos sempre lembrar – eu vou dizer isso mais uma vez – que o maior perigo que o mundo enfrenta é o casamento do Islã militante com armas nucleares. Para derrotar o ISIS e deixar o Irã obter armas nucleares seria ganhar uma batalha, mas perder a guerra. Não podemos deixar que isso aconteça.

Mas isso, meus amigos, é exatamente o que pode acontecer, se o que agora está sendo negociado for aceito pelo Irã. Esse negócio não vai impedir o Irã de desenvolver armas nucleares. Deixe-me explicar o porquê. Enquanto o acordo final ainda não foi assinado, certos elementos de qualquer acordo potencial agora são uma questão de registro público. Você não precisa de agências de inteligência e informações secretas para saber isso. Você pode pesquisar no Google. Na ausência de uma mudança dramática, nós temos certeza de que qualquer acordo com o Irã irá incluir duas grandes concessões ao Irã.

A primeira grande concessão deixaria o Irã com uma vasta infra-estrutura nuclear, fornecendo-lhe um tempo curto para fabricar uma bomba. Esse é o tempo que leva para acumular urânio de qualidade suficiente ou plutônio para uma bomba nuclear. De acordo com o negócio, nenhuma instalação nuclear seria demolida. Milhares de centrífugas usadas para enriquecer urânio seriam deixadas trabalhando. Outras milhares seriam desligadas temporariamente, mas não destruídas. Porque o programa nuclear do Irã seria deixado em grande parte intactos, o tempo de desagregação do Irã seria muito curto – cerca de um ano segundo a avaliação americana, e ainda mais curto por Israel. E se o trabalho do Irã em centrífugas avançadas, cada vez mais rápidas, não está parado, o tempo de desagregação ainda poderia ser mais curto, muito mais curto.

É verdade que certas restrições seriam impostas sobre o programa nuclear do Irã e que esta adesão seria supervisionada por inspetores internacionais. Mas aqui está o problema. Você vê, os inspetores documentam violações; eles não as detêm. Os Inspetores sabiam quando a Coreia do Norte fez a bomba, mas isso não a impediu de qualquer coisa. A Coréia do Norte desligou as câmeras, expulso os inspetores e depois de alguns anos obteve a bomba. Agora, estamos alertas que dentro de cinco anos a Coreia do Norte poderia ter um arsenal de 100 bombas nucleares.

Assim como a Coréia do Norte, o Irã também tem desafiado os inspetores internacionais. Ele fez isso em pelo menos três ocasiões distintas – 2005, 2006, 2010. Como a Coréia do Norte, o Irã quebrou os cadeados e desligou as câmeras. Agora, eu sei que isso não vai ser um choque para qualquer um de vocês, mas o Irã não só desafia inspetores, como tambem desempenha também um bom jogo de esconde-esconde com eles. A Agência de fiscalização nuclear da ONU, a AIEA, disse novamente que o Irã ainda se recusa a ser transparente sobre seu programa nuclear militar. O Irã também foi pego, não uma vez, mas duas vezes, que operam as instalações nucleares secretas em Natanz e Qom, as instalações que os inspetores nem sabiam que existiam.

Neste momento, o Irã poderia estar escondendo instalações nucleares que nós não conhecemos, tanto dos EUA como Israel. Como o ex-chefe de inspeções para a AIEA disse em 2013: “Se não há instalação não declarada no Irã, será a primeira vez em 20 anos que ele não tem um.” O Irã provou mais uma vez que não pode ser confiável. E é por isso que a primeira grande concessão é uma fonte de grande preocupação. Ele deixa o Irã com uma vasta infra-estrutura nuclear e depende de inspetores para evitar uma fuga. Essa concessão cria um perigo real de que o Irã poderia chegar à bomba por violar o acordo.

Mas a segunda grande concessão cria um perigo ainda maior que o Irã poderia chegar à bomba. Como praticamente todas as restrições sobre o programa nuclear do Irã expira automaticamente em cerca de uma década. Agora, uma década pode parecer um longo tempo na vida política, mas é um piscar de olho na vida de uma nação. É um piscar de olhos na vida de nossos filhos. Todos nós temos a responsabilidade de considerar o que vai acontecer quando as capacidades nucleares do Irã são virtualmente ilimitadas e todas as sanções terão sido encerradas. O Irã seria, então, livre para construir uma enorme capacidade nuclear que poderia produzir muitas, muitas bombas nucleares.

O Líder supremo do Irã diz abertamente que o país planeja ter 190.000 centrífugas, e não 6.000 ou até mesmo as 19.000 que o Irã tem hoje, mas 10 vezes esse valor! 190 mil centrífugas de enriquecimento de urânio! Com esta enorme capacidade, o Irã poderia fazer o combustível para todo um arsenal nuclear e isso em questão de semanas. O meu amigo de longa data, John Kerry, secretário de Estado, confirmou na semana passada que o Irã poderia legitimamente possuir essa capacidade quando o acordo expirar. Agora eu quero que você pense sobre isso. O patrocinador principal do terrorismo global poderia estar a semanas de ter urânio enriquecido suficiente para todo um arsenal de armas nucleares e isso com plena legitimidade internacional.

E pelo jeito, o programa de mísseis balísticos intercontinentais do Irã não é parte do acordo, e até agora o Irã se recusa a colocá-lo na mesa de negociação. Bem, o Irã poderia ter os meios para disparar esse arsenal nuclear para os 4 cantos da Terra, incluindo os Estados Unidos. Então você vê, meus amigos, este negócio tem duas concessões principais: um, deixando o Irã com um vasto programa nuclear e dois, o levantamento das restrições a esse programa em cerca de uma década. É por isso que este negócio é tão ruim. Não bloqueia o caminho do Irã para a bomba; pelo contrário, ele pavimenta o caminho do Irã para a bomba.

Então, por que alguém iria fazer este negócio? Porque eles esperam que o Irã vá mudar para melhor nos próximos anos, ou eles acreditam que a alternativa a este negócio é pior? Bem, eu discordo. Eu não acredito que o regime radical do Irã vai mudar para melhor após este negócio. Este regime está no poder há 36 anos, e seu apetite voraz por agressão cresce a cada ano que passa. Este negócio só iria aguçar o apetite do Irã para o mal. Será que o Irã será menos agressivo quando as sanções forem removidos e sua economia ficar mais forte? Se o Irã está engolindo quatro países no momento enquanto ele está sob sanções, quantos países mais vai devorar quando as sanções forem suspensas? Será que o Irã vai parar de financiar o terrorismo quando ele tem montanhas de dinheiro apenas para financiar o terrorismo?

Por que haveria uma mudança do regime radical do Irã para melhor quando se pode desfrutar do melhor dos dois mundos: a agressão no exterior e a prosperidade em casa? Esta é uma pergunta que todo mundo pergunta em nossa região. Os vizinhos de Israel, os vizinhos do Irã, sabem que ele vai se tornar ainda mais agressivo e patrocinador do terrorismo quando sua economia melhorar e tiver um caminho claro para a bomba atômica. E muitos desses vizinhos dizem que vão responder nessa corrida para obter armas nucleares próprias. Então, esse negócio não vai mudar o Irã para melhor; ele só irá mudar o Oriente Médio para o pior. Um negócio que é supostamente para impedir a proliferação nuclear, fará, ao invés disso, desencadear uma corrida armamentista nuclear na parte mais perigosa do planeta.

Este negócio não será um adeus às armas. Seria uma despedida para o controle de armas. E o Oriente Médio é uma região onde as pequenas mudanças pode desencadear grandes guerras e iria se transformar em um barril de pólvora nuclear. Se alguém acha que este negócio é bom, pense novamente. Quando chegarmos por esse caminho, vamos enfrentar um Irã muito mais perigoso, um Oriente Médio repleto de bombas nucleares e uma contagem regressiva para um potencial pesadelo nuclear.

Senhoras e senhores,

Eu vim aqui hoje para dizer-lhes que não arrisquem a segurança do mundo na esperança de que o Irã vai mudar para melhor. Não temos de jogar com nosso futuro e com o futuro dos nossos filhos. Podemos insistir que as restrições sobre o programa nuclear do Irã não sejam encerradas durante o tempo em que o Irã continue a sua agressão na região e no mundo. Antes de encerrar essas restrições, o mundo deveria exigir que o Irã faça três coisas. Em primeiro lugar, pare sua agressão contra os seus vizinhos no Oriente Médio. Em segundo lugar, pare de apoiar o terrorismo em todo o mundo. E em terceiro lugar, pare de ameaçar e aniquilar o meu país, Israel, o primeiro e único Estado judeu.

Se as potências mundiais não estão preparados para insistir que o Irã mude seu comportamento antes que um acordo seja assinado, no mínimo eles devem insistir para que o Irã mude seu comportamento antes de expirar um acordo. Se o Irã mudar seu comportamento, as restrições seriam suspensas. Se o Irã não mudar seu comportamento, as restrições não serão encerradas. Se o Irã quer ser tratado como um país normal, deixe-o agir como um país normal.

Meus amigos,

E quanto ao argumento de que não há alternativa a este negócio, que o know-how nuclear do Irã não pode ser apagado e de que seu programa nuclear é tão avançado, o melhor que podemos fazer é adiar o inevitável, que é essencialmente o que acordo proposto procura fazer. Bem, o know-how nuclear sem uma infra-estrutura nuclear não tem futuro. Um piloto de corrida sem um carro não pode dirigir. Um piloto sem um avião não pode voar. Sem milhares de centrífugas, toneladas de urânio enriquecido ou instalações de água pesada fazem com que o Irã não possa fabricar armas nucleares.

O programa nuclear do Irã pode ser revertido além da atual proposta, insistindo em um acordo melhor e mantendo-se a pressão sobre um regime muito vulnerável, especialmente dada a recente queda do preço do petróleo. Agora, se o Irã ameaçar a caminhar para longe da mesa – e isso muitas vezes acontece em um bazar persa – eles blefam. Eles estarão de volta, porque eles precisam do negócio muito mais do que você faz. E, mantendo a pressão sobre o Irã e sobre aqueles que fazem negócios com o Irã, você tem o poder de torná-los ainda mais necessários dele. Meus amigos, por mais de um ano, nos foi dito que nenhum acordo é melhor do que um mau negócio. Bem, este é um mau negócio. É um negócio muito mau. Estamos melhor sem ele.

Agora, estamos sendo informados de que a única alternativa a este mau negócio é a guerra. Isso não é verdade. A alternativa a este mau negócio é um negócio muito melhor: um melhor negócio que não deixa o Irã com uma vasta infra-estrutura nuclear e um tempo de desagregação tão curto; um melhor negócio que mantém as restrições sobre o programa nuclear do Irã no local até que a agressão do Irã termine; um melhor negócio que não vai dar ao Irã um caminho fácil para a bomba; um negócio melhor do que Israel e os seus vizinhos podem não gostar, mas com as quais poderíamos viver, literalmente. E nenhum país tem a maior participação – nenhum país tem uma participação superior a Israel – em um bom negócio que pacificamente remove essa ameaça.

Senhoras e senhores,

A História nos colocou em uma encruzilhada fatídica. Temos agora de escolher entre dois caminhos. Um caminho leva a um mau negócio que na melhor das hipóteses restringe as ambições nucleares do Irã por um tempo, mas ele vai inexoravelmente levar a um Irã com armas nucleares, cuja agressão desenfreada conduzirá inevitavelmente a guerra. O segundo caminho, por mais difícil que seja, poderia levar a um negócio muito melhor, que impeça um detentor de armas nucleares como o Irã, a uma nuclearização do Oriente Médio e as conseqüências terríveis para toda a humanidade.

Você não tem que ler Robert Frost para saber. Você tem que viver a vida e saber que o caminho difícil é geralmente o menos percorrida, mas ele vai fazer toda a diferença para o futuro do meu país, para a segurança do Oriente Médio e da paz no mundo, a paz que todos nós desejamos.

Meus amigos, impor-se para o Irã não é fácil. Impor-se a regimes escuros e assassinos nunca é. Como disse o sobrevivente do Holocausto e ganhador do Prêmio Nobel Elie Wiesel, que procurou durante toda a sua vida e obra inspirar e a dar significado às palavras, “Never Again”. E eu desejo que eu possa te prometer, Elie, que as lições da história foram aprendidas. Eu só posso insistir aos líderes do mundo a não repetir os erros do passado. Para não sacrificar o futuro, não ignorar a agressão, na esperança de ganhar uma paz ilusória.

Mas posso garantir que isso, os dias em que o povo judeu permaneceu passivo diante de inimigos genocidas, que esses dias acabaram. Nós não estamos mais espalhados entre as nações, não estamos mais impotentes para nos defendermos. Nós restauramos nossa soberania em nossa antiga casa. E os soldados que defendem a nossa casa tem coragem ilimitada. Pela primeira vez em 100 gerações, nós, o povo judeu, podemos nos defender. É por isso que, como primeiro-ministro de Israel, posso prometer-lhe mais uma coisa: Mesmo que Israel tenha que ficar sozinho, Israel vai existira. Mas eu sei que Israel não está sozinho. Eu sei que a América está com Israel. Eu sei que você está com Israel. Você está com Israel porque você sabe que a história de Israel não é apenas a história do povo judeu, mas do espírito humano que se recusa novamente a sucumbir à horrores da história.

Diante de mim, lá em cima na galeria, com vista para todos nós nesta câmara, tem a imagem de Moisés. Moisés conduziu o nosso povo da escravidão até os portões da Terra Prometida. E antes do povo de Israel entrar na Terra de Israel, Moisés deu-nos uma mensagem que preparou a nossa determinação de milhares de anos. Deixo-vos com a sua mensagem de hoje: “Seja forte e decidido, sem medo nem pavor deles.”

Meus amigos, podem Israel e América estar sempre estão juntos, fortes e resolutos. Que possamos não ter medo nem pavor dos desafios futuros. Que possamos encarar o futuro com confiança, força e esperança. Que Deus abençoe o Estado de Israel e que Deus abençoe os Estados Unidos da América. Obrigado. Você é maravilhosa. Obrigado, América.”

Fonte: Pletz.com e http://www.fisesp.org.br/web/premie-de-israel-discursou-no-congresso-dos-usa/

Nenhum comentário