Últimas

FEMINISTAS QUEREM TORNAR MENTIRAS DITAS ÀS MULHERES UM CRIME NO MESMO NÍVEL DO ESTUPRO

"Estupro mediante fraude" lei puniria desonestidade nas relações com 20 anos de prisão

Sob um novo crime chamado de "estupro por fraude", as feministas querem tornar ilegal mentir para as mulheres antes do sexo. Mesmo após meses ou até anos, elas querem perseguir amantes que as rejeitaram por serem desonestos antes da relação sexual, e atingi-los com acusações de estupro.

Esta campanha está sendo liderada por uma mulher chamada Joyce M. Short, cujo blog sugere que seu ex "minou a sua capacidade de ter uma família amorosa". Durante anos, desde que ela esteve em uma cruzada para ter o que ela chama de "estupro mediante fraude" - ou seja, mentir antes do sexo - instituída em lei como crime no mesmo nível de agressão sexual violenta.

Short também argumenta que as mulheres devem exigir prova de identificação e histórico pessoal antes de consentir com o sexo, incluindo passaporte, carteira de motorista, comprovante de endereço, comprovante de renda, certidão de divórcio, diploma, histórico familiar e registros pessoais de saúde.

Ela também convida suas leitoras rejeitadas a derrubarem "suspeitos gigolôs" nomeando e envergonhando-os da mesma forma que a Lei Megan, uma lista de criminosos sexuais criada em resposta à morte de Megan Kanka, uma menina de 7 anos de idade, que foi estuprada e assassinada.

Dezenas de pessoas, a grande maioria dos quais são homens, estão listados neste site com seus nomes completos, data de nascimento, estado civil, número de filhos que tem, cidade e local - sem nenhuma evidência real para provar que eles fizeram nada de errado - colocando-os no mesmo contexto de um assassino pedófilo que matou uma menina, tudo porque essas mulheres rejeitadas afirmam que os homens mentiram em algum momento durante a relação.

E se você acha que toda essa ideia é apenas uma louca asneira de feministas iludidas, então pense novamente. No ano passado, o deputado Troy Singleton de New Jersey introduziu uma lei que tornaria o crime de "agressão sexual mediante fraude" punível com até 20 anos de prisão.

Ressaltando novamente como o vírus da terceira onda do feminismo está infectando o sistema de ensino, "estupro mediante fraude" também foi um tema de discussão em uma aula de saúde do primeiro ano do ensino médio.

Assim como jovens universitários estão sendo doutrinados com a noção "cultura do estupro" do campus, a qual foi completamente desmascarada pelas estatísticas do Departamento de Justiça, agora crianças do ensino médio estão sendo bombardeadas com a mesma conversa fiada fraudulenta.

A qual que nos traz de volta o círculo completo. Assim como o mito da cultura do estupro na faculdade, a dimensão desta fábula "estupro mediante fraude"tem de ser completamente exagerada pelas feministas, porque não existe uma cultura de estupro real, nos Estados Unidos. Há uma cultura do estupro verdadeiro entre os imigrantes muçulmanos que abusam e traficam meninas brancas em países europeus, mas as feministas não falam sobre isso, porque não é politicamente correto, e porque elas são absolutamente hipócritas.

Apesar de estar indignado há anos sobre um escândalo de estupro na UVA, que foi completamente inventado, as feministas ignoraram a muito real e brutal invasão de domicílio e estupro da estrela pornô Cytherea, por causa de seu ódio dogmático das mulheres que trabalham em entretenimento adulto.

A pura loucura da lei "estupro mediante fraude" é meramente um outro método através do qual as feministas estão doutrinando as mulheres a viverem em um estado de vitimização permanente - uma condição de desamparo aprendido que contradiz completamente a premissa de que o feminismo deve empoderar as mulheres.

Short diz às mulheres para se "libertarem" de pessoas que lhes dizem "apenas supere isso" e "siga em frente".

Em vez disso, ela sugere que as mulheres abracem a noção de que elas têm Transtorno de Estresse Pós-Traumático - que está em pé de igualdade com as vítimas de combate militar violento, ataques terroristas e abuso sexual violento prolongado, novamente tudo porque alguém simplesmente mentiu para elas antes do sexo sobre uma característica, sua renda ou educação.

É óbvio que é desagradável se alguém minta para você apenas para conseguir sexo. Mas, transformar isso em uma vingança pessoal, que se arrasta por anos ou décadas e, em seguida, tentar tornar mentiras dos relacionamentos uma ofensa criminal em pé de igualdade com o estupro é claramente completamente absurdo do ponto de vista prático e legal.

Por que as feministas não se concentram em apoiar as vítimas reais de estupro verificáveis ​​e não ignorá-las por causa do politicamente correto ou rancores ideológicos dogmáticos? Temos questões genuínas a respeito da cultura do estupro que precisam ser abordadas, mas em vez disso, as feministas estão ocupadas conduzindo falsas campanhas ultrajantes e movimentos inteiros em torno problemas completamente inventados como a cultura do estupro na faculdade e o "estupro mediante fraude".

Fontes:
- Infowars: FEMINISTS WANT TO MAKE LYING TO WOMEN A CRIME ON A PAR WITH RAPE
- Rape by Fraud; STOP RAPE BY FRAUD!
- NJ: Rape by fraud? N.J. lawmaker introduces bill to make it a crime
- WJ: Unbelievable: Democrat Introduces Bill To Make ‘Rape By Fraud’ A Crime
- College: Opinion: The great campus rape hoax
- Infowars: FEMINISTS MUTE ON MUSLIM RAPE EPIDEMIC SWEEPING EUROPE

Via: anovaordemmundial.com

Nenhum comentário