Últimas

CENSURA À VISTA? FACEBOOK ALTERA PADRÕES DA COMUNIDADE E VETA “DISCURSOS DE ÓDIO”. O QUE OS CRISTÃOS TEM A VER COM ISSO?

Ok... está correta a posição do Facebook impedir os grupos terroristas jihadistas de usarem a rede social para arrebanharem mais adeptos e divulgarem seus conteúdos assassinos... Concordo!

Porém, tenho dito a algum tempo: Será que somente os jihadistas serão alvo desta nova medida?
Estariam provocando uma outra situação (perseguição)?

O que o Facebook define como "discurso de ódio"?

Sem dúvidas, nós cristãos que praticamos o evangelho, e confrontamos os enganos e imoralidades, seremos alvo desta medida! sabe porque?

Lembre-se que Obama declarou que o mundo "não tem mais espaço para religiosos fundamentalistas"...
Ou seja, se formos rotular, o religioso fundamentalista é todo aquele que trata o seu "livro sagrado" de forma literal, e não somente de forma teórica, quer dizer, a pessoa pratica o que está no "livro sagrado"...

Os jihadistas tratam o Alcorão de forma literal, e então, praticam o que está lá, matam quem não adora à Alá... mas nós cristãos, vivemos as Escrituras, porém não matamos os não-cristãos, ao contrário, amamos e desejamos apenas o bem, pois foi isso que Cristo nos ensinou no evangelho. A Escritura é clara sobre quem não vive desta forma: este não é "nascido de novo", não é cristão.

É por isso que a página Libertar teve queda instantânea de membros, de uma hora para outra... antes era cerca de 21.800, hoje voltou aos 21.180, e ficou travado neste número até a hora que este artigo foi publicado.

-----

Os encarregados do Facebook disseram, nesta segunda-feira (16), que não permitirão que a rede social seja usada para promover o terrorismo ou discursos de ódio, conforme divulgado em uma ampla atualização de seus "padrões da comunidade".

No documento, o Facebook se compromete a vetar a presença de grupos favoráveis à "atividade terrorista, organizações criminosas ou de promoção do ódio".

A mudança ocorre num momento em que o Facebook e outras mídias sociais se esforçam para definir o que são conteúdos aceitáveis e liberdade de expressão, ao mesmo tempo em que essas redes são cada vez mais associadas à violência praticada por extremistas.

Em fevereiro, Bernard Cazeneuve, ministro francês do Interior, havia convocado algumas gigantes do mundo virtual (Apple, Facebook, Google e Twitter) para debater formas de desarticular organizações terroristas, impedindo-as de usar suas plataformas para recrutamento e financiamento.

São exemplos dessas ações os vídeos contendo cenas com execuções brutais, postados com frequência pelo grupo extremista Estado Islâmico como instrumento de propaganda.

Sobre organizações terroristas ou criminosas, o Facebook também disse que não será tolerado "o apoio ou o elogio a líderes das mesmas organizações, ou aprovando suas ações violentas".

Facebook não permitirá mais 'nomes artísticos'
Na atualização sobre o funcionamento da página, o Facebook avisou que a nudez será banida em vários casos, sendo permitidas imagens de mães amamentando seus bebês, artísticas ou discussões acerca de condições médicas.

"Esses padrões são destinados à criação de um ambiente onde as pessoas se sintam motivadas a se tratar com empatia e respeito", escreveram Monika Bickert (executiva-chefe da política global) e Chris Sonderby (diretor jurídico), em postagem no blog do Facebook, onde ambos trabalham.

As novas diretrizes também instam os usuários do Facebook a usar seus "nomes biológicos", em razão de tantas pessoas que usavam nomes artísticos.

Em outubro de 2014, o Facebook admitiu que facilitaria sua política de "nomes reais", o que levou transformistas a deletar seus perfis e desencadeou inúmeros protestos na comunidade homossexual.

A mais recente política adotada pelo Facebook é claramente contra o tão falado "bullying virtual", impedindo a publicação de qualquer conteúdo "que apareça de modo a propositalmente atingir indivíduos com a intenção de causar-lhes vergonha".

Restrições são para evitar 'danos à integridade física'
O Facebook anunciou que removerá conteúdo, tirará perfis do ar e trabalhará pela aplicação da lei, "quando acreditarmos que existe um risco real à integridade física ou ameaças diretas à segurança pública". No texto publicado no blog corporativo, também foi apontado "que algo que talvez seja desagradável ou incômodo para alguém não necessariamente viola os padrões da nossa comunidade".

Já em 2015, a rede social informou que estava incluindo alertas sobre conteúdo explícito, que também serão banidos caso envolverem usuários menores de 18 anos. Em 2013, o Facebook baniu um vídeo, que já tinha sido suspenso, onde aparecia uma pessoa sendo decapitada.

O Twitter, por sua vez, foi a mais recente plataforma online a banir o "revenge porn", ou pornô de vingança, que é a postagem de imagens contendo sexo explícito sem a permissão da pessoa retratada. O microblog passou por ameaças após bloquear perfis ligados a apoiadores do Estado Islâmico, mas um estudo comprovou que pelo menos 46 mil contas estão ligadas ao grupo jihadista.

Ao mesmo tempo, o Facebook lançou seu relatório com base nas solicitações de governos para acesso a dados de usuários, na segunda metade de 2014, mostrando uma leve queda de 35.051 para 34.946, no período anterior.

"Houve um aumento nos pedidos de dados por parte de alguns governos, no caso a Índia, e diminuição por parte de outros, como Alemanha e Estados Unidos", conforme a postagem no blog da rede social.

A quantidade de conteúdo restringido por causa da violação das leis locais em cada país aumentou 11%, subindo de 8.774 casos para 9.707 casos.

Via: G1

Nenhum comentário