Últimas

Muçulmanos terão PROTEÇÃO ESPECIAL da Comissão de Direitos Humanos do Rio de Janeiro



Quem está à frente disso? Marcelo Freixo (PSOL), o padrinho financiador dos Black Blocs...

Os relatos de intolerância e violência física contra muçulmanos no Rio, publicados nesta segunda-feira pelo DIA , levaram a Comissão de Direitos Humanos da Alerj a se movimentar para assegurar proteção às vítimas.

De acordo com o deputado Marcelo Freixo (Psol), as principais representatividades islâmicas do Rio serão convocadas, nos próximos dias, para uma audiência pública. A intenção é propor um canal direto de denúncias e amparo, além do diálogo junto à Secretaria de Segurança Pública sobre crimes de intolerância religiosa. “Desde já, os adeptos do islã que foram agredidos receberão proteção especial”, garantiu.

Para Freixo, tão importante quanto o trabalho de conscientização e amparo é a criação de uma Delegacia Especializada em Crimes de Ódio, o que englobaria atos de hostilidade variados de diversos tipos de preconceitos. O Rio de Janeiro tem demanda suficiente para isto”, concluiu o deputado. Ele prometeu encaminhar uma proposta legislativa à base governista após o Carnaval, quando a Comissão de Combate à Intolerância Religiosa — da qual espera apoio — já terá sido eleita.

Não é apenas de estranhos que parte a violência contra islâmicos. Entre as cerca de cem pessoas que se converteram à religião no Rio sem ter origem árabe, as primeiras retaliações costumam ser de pessoas conhecidas. É o caso da estudante Vivian Dell’aglio, 23 anos, que se tornou muçulmana há menos de dois anos.

Ela conta que conhecidos a discriminam pela opção. “Por vezes, preciso sair com a vestimenta comum e vestir quando estou distante de todos, às vezes, no ônibus. Fui agredida pela minha fé”, lamenta.

No seu ciclo social, é o preconceito silencioso que a entristece. “Atualmente, tenho menos de 10% dos meus amigos mais antigos. Muitos têm vergonha de chegar perto de mim por andar coberta e não beber álcool”, afirma ela, que precisou se afastar das festas da faculdade.

“Mesmo assim não me arrependo. Ganhei amigos dentro da comunidade islâmica do Rio e vivo da minha fé”.

Taxada de louca pela escolha, ela vai escondida à mesquita. Se adaptar à nova rotina após a conversão também não é fácil, segundo ela. Conta que sente vontade de comer carne de porco (proibida entre muçulmanos) e tem saudades dos carnavais. De acordo com ela, o interesse pelo islamismo surgiu na infância, ao assistir uma novela.

Via: http://odia.ig.com.br/noticia/rio-de-janeiro/2015-02-03/representacoes-islamicas-serao-convocadas-para-audiencia-publica.html

2 comentários

Unknown disse...

Proteção contra quem? Deles próprios se explodindo ou metralhando?

Unknown disse...

O protetor da causa gay e o patrono dos Black Bloc agora arruma mais uma causa inexplicável para abraçar: os pacíficos muçulmanos, em cuja mesquita na Tijuca já apareceu um membro do ISIS berrando "morte aos infiéis"!
Vai proteger os islãmicos do Rio de quem, dos judeus-bomba? Dos terroristas armados pentecostais?
Esse Freixo é subserviente à nova parceria internacionalista: islã-comunismo